Nihongo: Características do idioma dos japoneses

Japão

PUBLICIDADE

Watashi wa nihon-go ga hanase masen.

Não entendeu nada, né? A frase acima está escrita em japonês e quer dizer: “Eu não falo japonês”, de uma forma mais formal. Este é um idioma bem diferente do nosso português, especialmente porque tem origem na mistura de linguagens antigas russas e de outras regiões da Ásia central. Por isso causa tanto estranhamento, por parecer incompreensível.

Mas a língua dos japoneses não é tão misteriosa assim. No ano em que comemoramos 100 anos de imigração japonesa no Brasil, que tal conhecer melhor a língua desse povo? Afinal, a colônia japonesa no Brasil é a maior do mundo (fora do Japão). Por isso, é comum encontrar em supermercados, filas de bancos ou salas de espera de consultórios pessoas de olhos puxados e traços nipônicos. Sem falar nos sobrenomes com os quais já nos acostumamos a conviver: Sato, Tanaka, Ota, e por aí vai. Então, porque não estender seu vocabulário para além do “arigato” (obrigado)?

Frases
Assim como o português ou o inglês, o nihongo, nome que os japoneses deram ao seu próprio idioma, também tem suas peculiaridades gramaticais. A forma como se constrói uma frase por exemplo, é na seguinte ordem:

SUJEITO – OBJETO – VERBO

Ex.: Anata wa kawaii desu. ( “Você gracinha é”, ou Você é uma gracinha.)
Onde: “Anata wa” = pronome sujeito “Você”
“kawaii” = adjetivo “gracinha”
“desu” = verbo “é”

Pronomes
Para cada tipo de pronome, seja para designar sujeito, objeto ou posse, acrescentam-se pequenas partículas depois da palavra. Cada tipo de pronome tem uma partícula específica (wa/ga, o, no e ni).
Ex: “Kanojo wa/ga” = Pronome sujeito “Ela”
“Kanojo no” = Pronome possessivo “Seu/Sua; Seus/Suas”

Verbos
Os verbos no nihongo não flexionam em número, grau ou gênero. Eles podem ser conjugados em apenas dois tempos: presente e passado, onde um verbo no presente pode indicar uma ação habitual ou no futuro e um verbo no passado corresponde ao nosso pretérito perfeito.

Substantivos
Também não flexionam em número, grau ou gênero. O plural de certas palavras é feito acrescentando-se sufixos. Exemplo: “Watashitachi” (nós). Como “Watashi” significa “Eu”, acrescentando o sufixo “tachi”, a palavra vai para o plural “Nós”.
Os adjetivos também não flexionam para gênero e número, o que significa que não muda a forma de qualificar alguém de sexo feminino ou masculino.

Pronúncia
A maioria das palavras em japonês é lida como está escrito. Mas algumas letras e sílabas têm uma maneira diferente de ser pronunciada. Letras dobradas no meio de uma palavra podem ser lidas com uma pausa, como em “matte”, lê-se “ma-te”.
Outros exemplos de pronúncia:
Chi: ti
Chu: tchu
Wa: ua
Ja: jya
Ju: jyu
Ge: gue
Ha: rra
Ri: ri
Zu: dzu
N: m, quase "um".

Linguagem
O sufixo “chan”, muito comum na língua japonesa, pode ser utilizado para designar carinho ou mesmo um diminutivo, mas de forma afetuosa, como “obaa-chan” (vovozinha). Já o sufixo “san” é utilizado como tratamento na linguagem falada (nome da pessoa + san) e o “sama”, para linguagem escrita, como em cartas (nome da pessoa + sama).

Uma curiosidade: no Japão as pessoas são comumente chamadas pelo sobrenome (o nome da família) e não pelo primeiro nome. É comum até mesmo nas escolas os alunos serem chamados pelo sobrenome mais o sufixo “san”.

Vocabulário
Atualmente, muitas palavras do vocabulário japonês (principalmente as utilizadas pelos jovens) foram “orientalizadas”, ou seja, adaptadas de línguas ocidentais (especialmente o inglês) para o nihongo. Exemplos: “Biru” (cerveja) vem do inglês “Beer” (cerveja); “Toire” (banheiro) vem do francês “Toilette” (banheiro) ou do inglês “Toilet” (banheiro ou papel higiênico).

Algumas palavras do vocabulário japonês:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Familiares:
Avó: obaasan ou sobo
Avô: ojiisan ou sofu
Filha: musume san
Filho: musuko san
Filhos: kodomo san
Irmã: ane ou oneesan
Irmão: ani ou oniisan
Mãe: okaasan ou haha
Pai: otoosan ou chichi

Veja como dizer algumas saudações:
Oi: Doomo.
Tudo bem?: Ogenki?/Do sesu ka?
Qual é o seu nome?: Onamae wa?
Oi, eu sou João: Hai, watashi wa João desu.
Alô?: Moshi moshi?
Tchau: Shitsurei shimasu.
Parabéns!: Omedetoo gozaimasu!
Feliz Aniversário!: Tanjoobi omedetoo!
Feliz Natal!: Christmas omedetoo!

Alguns ditados populares (comuns tanto no Japão quanto no Brasil):
Ver para crer: Hyakubun wa ikken ni shikazu.
É melhor prevenir do que remediar: Korobanu saki no tsue.
Quem espera sempre alcança: Ishi no ue nimo san nen.
O amor é cego: Ai wa moomoku.
Não faça tempestade em um copo d’água: Shin shoo boo dai.
Longe dos olhos, perto do coração: Toozaru hodo, omoi ga tsunoru.

Essas são apenas algumas noções dessa língua tão diferente. É claro que, para se aprender a falar (e compreender) japonês são necessários anos de estudos. Mas entender um pouco de como funciona esse idioma pode ser uma forma de mostrar respeito aos japoneses e aos “nikkei” (descendentes), que a 100 anos contribuem para o crescimento do Brasil.

Por Camila Mitye
Equipe Brasil Escola

Curiosidades do Japão - Japão - Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

MITYE, Camila. "Nihongo: Características do idioma dos japoneses"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/japao/nihongo-caracteristicas-idioma-dos-japoneses.htm. Acesso em 21 de outubro de 2020.