Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Dilatação aparente

A dilatação aparente é aquela diretamente observada, na qual o volume do líquido aumenta e este transborda.

Quando há variação na temperatura há também variação no volume do líquido.
Quando há variação na temperatura há também variação no volume do líquido.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Sabemos que os líquidos dilatam-se obedecendo às mesmas leis que estudamos para os sólidos. No entanto, como os líquidos não têm forma própria, mas tomam a forma do recipiente, somente tem significado o estudo de sua dilatação volumétrica.

Quando se observa a dilatação de um líquido, ele está obrigatoriamente contido em um frasco que é aquecido simultaneamente com ele. Assim, ambos se dilatarão e, como a capacidade do frasco aumenta, a dilatação que observaremos, para o líquido, será uma dilatação aparente. A dilatação real do líquido será maior do que a dilatação aparente, observada.

Essa dilatação real é, evidentemente, igual à soma da dilatação aparente com a dilatação volumétrica do recipiente. Quando usamos um recipiente cujo coeficiente de dilatação é muito pequeno, a dilatação aparente do líquido torna-se praticamente igual à sua dilatação real.

Suponhamos que, em um experimento, o líquido em estudo preencha completamente o recipiente, na situação inicial. Para efeitos práticos, consideraremos que o volume inicial do líquido pode extravasar, em decorrência da dilatação.

A dilatação aparente do líquido também é proporcional ao volume inicial, Vo e à variação de temperatura, Δθ, de modo que:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Nessa expressão, Yaparente é o coeficiente de dilatação do líquido. Sabemos também que a variação do volume do frasco é:

Naturalmente, o aumento real do volume do líquido deve corresponder ao volume do líquido extravasado somado ao aumento do volume do frasco. Em outras palavras, o aumento real do volume do líquido corresponde à quantidade do líquido que se derrama, mais a quantidade de líquido que transbordaria se o recipiente (frasco) não sofresse nenhuma dilatação. Dessa forma, temos: 

A partir dessa equação, podemos obter:

Essa expressão permite concluir que a dilatação aparente de um líquido depende da natureza do líquido e do recipiente em que ele é colocado para ser aquecido. 

Domiciano Marques
Graduado em Física

Escritor do artigo
Escrito por: Domiciano Correa Marques da Silva Escritor oficial Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Domiciano Correa Marques da. "Dilatação aparente"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/fisica/dilatacao-aparente.htm. Acesso em 22 de fevereiro de 2024.

De estudante para estudante


Lista de exercícios


Exercício 1

Um recipiente tem capacidade de 5000 cm3 a 40 °C e está completamente cheio de um determinado líquido. Ao aquecer o conjunto até 140 °C, transbordam 70 cm3. O coeficiente de dilatação aparente desse líquido, em relação ao material que constitui o recipiente, é, em °C – 1 , igual a

a) 3,0 x 10 – 5

b) 9,0 x 10 – 5

c) 2,7 x 10 – 4

d) 1,4 x 10 – 4

Exercício 2

O coeficiente de dilatação volumétrica do petróleo é de 0,9 x 10 – 3 °C - 1 . Um recipiente, completamente cheio, contém três litros de petróleo e sofre uma variação de temperatura de 50 °C. Sabendo que o volume extravasado de petróleo corresponde a 115 ml, determine a variação de volume do recipiente.

a) 20 ml

b) 40 ml

c) 50 ml

d) 60 ml

e) 70 ml