Fundo Menu
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Lima Barreto

Lima Barreto como escritor desenvolveu um estilo humorístico e satírico. Seus romances tornaram-se muitos populares.

Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

Jornalista e romancista brasileiro nascido na cidade do Rio de Janeiro, cronista dos costumes da sociedade do seu tempo e um dos mais expressivos romancistas brasileiros. Filho de um tipógrafo da Imprensa Nacional e de uma professora pública, era mestiço de nascença e foi iniciado nos estudos pela própria mãe, de quem ficou órfão aos 7 anos de idade. Fez seus primeiros estudos e, pela mão de seu padrinho de batismo, o Visconde de Ouro Preto, ministro do Império, e completou sua formação básica no Ginásio Nacional Pedro II), no Rio de Janeiro.

Matriculou-se na Escola Politécnica (1897), pretendendo ser engenheiro. Teve, porém, de abandonar o curso para assumir a chefia e o sustento da família, devido ao enlouquecimento do pai (1902), internado na Colônia de Alienados da Ilha do Governador onde ele ficou como almoxarife. Estreou na imprensa estudantil e candidatou-se a um cargo vago na Secretaria da Guerra, mediante concurso público, tendo passado em 2.° lugar e ocupado a vaga, por desistência do 1.° colocado (1903). Resolve se dedicar a literatura iniciando (1904) a primeira versão do romance Clara dos Anjos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

No ano seguinte começou o romance Recordações do escrivão Isaías Caminha, publicado em Lisboa (1909). Como jornalista, dispersou a sua atividade pelas revistas Brás Cubas, Careta, Fon-Fon, O Malho e por vários jornais de sua época. Desenvolvendo um estilo humorístico e satírico, seus romances tornaram-se muitos populares. Vítima do vício da bebida que o acompanhava a mais de dez anos, morreu em sua cidade natal.

Dentre os livros que publicou, destacaram-se ainda os romances Triste Fim de Policarpo Quaresma (1916), considerado seu melhor trabalho, Numa e Ninfa (1918) e Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá (1919). Também fez sucesso como o livro de contos Histórias e Sonhos (1920) e o de sátiras Os Bruzundangas (1922), cujos originais apresentou em seu leito de morte.

Postumamente sobressaíram-se o livro de crônicas, Bagatelas (1923) e a novela Clara dos Anjos (1948) além dos livros de contos Outras histórias e Contos argelinos (1952), de sátiras Coisas do Reino do Jambom (1953) e de memórias Diário Íntimo (1956).

Fonte: http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/BIOGVINC.htm

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

COSTA, Keilla Renata. "Lima Barreto"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biografia/lima-barreto.htm. Acesso em 01 de julho de 2022.

De estudante para estudante


Videoaulas


PUBLICIDADE

Estude agora


Mistura de soluções de solutos diferentes que reagem entre si

Os casos mais comuns de mistura de soluções de solutos diferentes que reagem entre si ocorrem quando juntamos...

Cem anos de solidão | Análise Literária

Assista a nossa videoaula para conhecer um pouco mais da obra “Cem anos de solidão”, um dos romances mais...