Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Química do crack

O crack é uma droga ilícita cuja composição química é derivada da reação entre cloridrato de cocaína e bicarbonato de sódio.

Pedras de crack, uma droga ilícita cuja composição química é derivada da cocaína.
Pedras de crack.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

A química do crack pode ser compreendida se analisarmos o fato de que o crack é uma droga ilícita derivada da cocaína, obtido na forma de pedras. O crack é o extrato seco da reação química entre o cloridrato de cocaína (C17H21NO4) e bicarbonato de sódio. Como não passa por nenhum processo de refinamento, o crack é carregado de impurezas das substâncias empregadas.

Essa droga foi desenvolvida na década de 80 com o atrativo de ser mais barata do que a cocaína. Por isso, rapidamente se popularizou entre os usuários que costumam consumi-la por via inalatória, utilizando cachimbos. Os efeitos do crack se manifestam poucos segundos após o consumo, no entanto também deixam de ser sentidos em poucos minutos. Esse fator leva os usuários a repetirem o uso seguidamente.

Leia também: Química do ectasy — a composição química de outra droga ilícita

Tópicos deste artigo

Resumo sobre a química do crack

  • O crack é uma droga ilícita derivada da cocaína.
  • É formado pela reação entre cloridrato de cocaína e bicarbonato de sódio.
  • É obtido na forma de pedras e apresenta alto teor de impurezas, pois não passa por nenhum processo de refino.
  • Foi criado como uma versão mais barata da cocaína.
  • Produz efeitos rápidos e curtos, sendo viciante aos usuários.
  • Os efeitos do crack no organismo envolvem sensação de euforia e prazer, hiperatividade, aumento de confiança, elevação da pressão arterial, aumento do batimento cardíaco e perda de apetite.
  • A longo prazo, os usuários apresentam problemas cardíacos, pulmonares, paranoia, desnutrição e morte.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Qual é a composição química do crack?

O crack é a forma cristalizada da cocaína, sendo a forma neutra do cloridrato de cocaína, um composto orgânico pertencente ao grupo dos alcaloides, que são uma família de compostos que possuem anéis heterocíclicos com nitrogênio. A moléculas do crack e da cocaína ainda possuem grupos ésteres e anel aromático.

Fórmulas estruturais e moleculares do cloridrato de cocaína e do crack, droga cuja composição química deriva da cocaína.
Fórmulas estruturais e moleculares do cloridrato de cocaína e do crack, droga cuja composição química deriva da cocaína.

O crack e a cocaína são derivados das folhas de coca, um arbusto encontrado na América do Sul da espécie Erythroxylum coca.

Folhas de coca, de onde é extraída a matéria-prima para a cocaína e para o crack.
Arbusto da espécie Erythroxylum coca, de onde é extraída a matéria-prima para a cocaína e para o crack.

A cocaína é extraída das folhas de coca quimicamente, mediante o uso de solventes adequados, para a obtenção de uma pasta popularmente conhecida como pasta de coca, que contém cocaína na forma protonada em baixo grau de pureza. Esse material é tratado com ácido clorídrico (HCl), formando o cloridrato de cocaína.

O tratamento do cloridrato de cocaína com bicarbonato de sódio (NaHCO3), sob aquecimento, dá origem à cocaína na forma de base livre e gera como subprodutos o cloreto de sódio (NaCl) e gás carbônico (CO2).

A cocaína na forma de base livre constitui uma camada oleosa na superfície da solução aquosa, que é removida e seca, em contato com o ar, dando origem ao extrato sólido chamado de crack.

\(Coc-H^+{Cl}^-+NaH{CO}_3\ \longrightarrow Coc+NaCl+\ H_2O+\ {CO}_2\)

O crack é um material sólido, com aspecto esbranquiçado e bordas irregulares, com formato semelhante a pedras. Como o crack é obtido sem nenhuma etapa de purificação, o produto final carrega consigo as impurezas das substâncias utilizadas.

Criado na década de 80, o crack foi usado como uma alternativa de menor custo à cocaína e rapidamente se popularizou.

Utilização do crack

O crack é obtido na forma de pedras, e sua principal forma de utilização é inalatória, com o uso de cachimbos improvisados, que os próprios usuários fabricam com objetos simples, como latas de alumínio. O nome “crack” foi originado do barulho característico registrado quando a pedra de crack é acendida.

Outras formas de consumo da droga são por meio de cigarros, misturado à maconha ou tabaco, ou por injeção intravenosa. Nesses casos, a pedra de crack é quebrada em pedaços muito pequenos.

Pessoa usando cachimbo improvisado para o consumo de crack, uma droga que possui composição química derivada da cocaína.
Indivíduo utilizando um cachimbo improvisado para o consumo do crack.

Como a principal via de consumo do crack é a inalatória, seus efeitos são sentidos muito rapidamente, em cerca de dez a 15 segundos. Imediatamente após o consumo, a fumaça do crack alcança os pulmões. Como esse órgão é muito vascularizado, o princípio ativo da droga alcança a corrente sanguínea rapidamente e é transportado para todo o organismo, inclusive para o tecido cerebral.

No entanto, o efeito gerado no organismo também é rápido, passando em aproximadamente cinco a dez minutos. Em razão da baixa duração dos efeitos, o poder de dependência dessa droga é muito alto, fazendo os usuários repetirem o consumo muitas vezes seguidas. O crack possui maior poder viciante do que a cocaína.

Veja também: Metanfetamina — uma droga ilícita que produz diversos danos fisiológicos em seus usuários

Quais são as consequências do uso do crack?

Após o princípio ativo do crack alcançar o tecido cerebral, os usuários sentem uma sensação de prazer, euforia, empoderamento e um estado de excitação.

As pessoas sob efeito da droga ou com vício estabelecido ficam hiperativas, perdem a sensação de cansaço e não sentem fome. Por isso, os usuários costumam perder muito peso e, com algum tempo de uso, ficam descuidados com questões de aparência e higiene.

O uso intenso e recorrente do crack afeta a saúde da pessoa, que passa a apresentar cansaço extremo e intensa depressão quando está sem o efeito da droga. Por isso, passa a buscá-la continuamente, estabelecendo-se o vício.

Os efeitos do crack sobre o corpo são variados. É comum a visão ficar borrada, ocorrer dores no peito, convulsões, contrações musculares, elevação acentuada da pressão arterial, taquicardia e estado de coma.

Como a droga afeta vários mecanismos do cérebro, é comum a diminuição da atividade dos centros que controlam a respiração, sendo essa uma das causas de morte. A longo prazo, os usuários podem desenvolver problemas mentais e sofrer infartos ou derrames.

O crack também gera efeitos sociais, pois os usuários se tornam extremamente agressivos, irritados e apresentam paranoia, situação em que o cérebro passar a criar cenários que não existem na realidade, envolvendo sensação de medo, desconfiança, delírios, perseguição e violência.

Região da cracolândia, em São Paulo. [1]
Região da cracolândia, em São Paulo. [1]

Em São Paulo, existe a cracolândia, que é um conjunto de pessoas em situação de rua que se aglomeram em diferentes pontos da cidade, nos quais predomina o tráfico, a prostituição e o uso intenso de drogas, principalmente o crack.

Crédito de imagem

[1] Wikimedia Commons (reprodução)

 

Por Ana Luiza Lorenzen Lima
Professora de Química

Escritor do artigo
Escrito por: Ana Luiza Lorenzen Lima Escritor oficial Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

LIMA, Ana Luiza Lorenzen. "Química do crack"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/quimica/quimica-crack.htm. Acesso em 21 de julho de 2024.

De estudante para estudante


Artigos Relacionados


Adrenalina

Clique aqui e saiba mais sobre a adrenalina, um importante hormônio produzido pelas glândulas adrenais que pode ser usado em algumas situações médicas.
Química

Alcatrão

Conheça a composição química do alcatrão (um dos principais componentes do cigarro) e veja também os efeitos de sua absorção.
Química

Aminas

Aminas, classificação das aminas, propriedades das aminas, amina primária, compostos orgânicos nitrogenados, radicais alquila, dimetilamina, etilamina, trimetilamina, compostos extraídos de vegetais, putrescina, cadaverina, bases orgânicas, sínteses orgân
Química

Aminas e Estimulantes

Cafeína, Anfetamina, Cocaína, Crack, aminas, aumento da atividade do sistema nervoso, redução de apetite, cafeína, intensa depressão, cloridrato, atividade motora, pó de guaraná.
Química

Cigarro eletrônico

Como funciona o cigarro eletrônico, substâncias tóxicas, nicotina pura, cádmio, arsênio, Câmara de vaporização, diminuir o ato de fumar, cigarro sem tabaco, alternativa para quem quer parar de fumar.
Química

Crack

Você já ouviu falar a respeito do crack? Clique aqui e entenda o que é essa droga e os efeitos nocivos que ela provoca no organismo.
Drogas

Nicotina

Conheça a estrutura química da nicotina, como ela atua no organismo e principalmente no sistema nervoso central, levando à dependência e à degradação do organismo.
Química

Química das Anfetaminas

As anfetaminas (ou bolinhas, nome pelo qual são comercializadas) possuem vários efeitos adversos; veja quais são essas reações no corpo e qual é a sua constituição química.
Química

À base de cafeína

Ação da cafeína no cérebro, propriedades do café, trimetilxantina, efeitos da cafeína no organismo, neurotransmissor Adenosina, função da adenosina no cérebro, perigos da cafeína, intoxicação por café.
Química

Óxi - Uma droga mais devastadora e letal que o crack

O uso do óxi iniciou-se na Bolívia e no Peru, foi introduzido no Brasil por meio da fronteira com o Acre. Sua composição é a mistura da pasta base da coca com algum combustível, como querosene, gasolina ou ácido sulfúrico e cal virgem.
Química