Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Criogenia

A criogenia estuda tecnologias que permitem a geração de temperaturas muito baixas e o comportamento dos materiais submetidos a essas temperaturas.

Pessoa inserindo tubo em tanque de nitrogênio líquido em alusão à criogenia.
A criogenia permite conservar embriões e o congelamento rápido de alimentos.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Criogenia é a ciência que estuda a produção e os efeitos de baixas temperaturas em processos específicos. Em geral, utiliza-se o termo criogenia para se referir a processos que envolvem temperaturas abaixo de -150 °C. A criogenia apresenta diferentes aplicações, sendo usada, por exemplo, na supercondutividade, no congelamento rápido de alimentos e na conservação de embriões e gametas. Apesar de a criogenia ser usada como sinônimo da criônica, esta não é uma aplicação científica aceita da criogenia.

Saiba mais: Fertilização in vitro — técnica de reprodução assistida que tem ajudado muitos casais

Tópicos deste artigo

Resumo sobre criogenia

  • Criogenia é a ciência que estuda a produção e os efeitos de baixas temperaturas em processos específicos.

  • Conservação de embriões e de alimentos são algumas das aplicações da criogenia.

  • A criônica é uma prática controversa que não é considerada uma aplicação científica aceita da criogenia.

  • A conservação de cadáveres humanos é feita na esperança de que um dia possa se restaurar a vida desses indvíduos.

O que é criogenia?

De acordo com o Laboratório de Criogenia do Departamento de Física da Unesp, “a criogenia é um ramo da Físico-Química que estuda tecnologias para a produção de temperaturas muito baixas e o comportamento de materiais abaixo de -150 °C (123 K), principalmente até a temperatura de ebulição do nitrogênio líquido ou ainda temperaturas mais baixas”. O termo foi criado por meio da junção das palavras gregas kryos, que significa frio, e génesis, que significa produção.

Aplicações da criogenia

A criogenia apresenta uma série de aplicações, sendo utilizada na indústria e até mesmo na Medicina. No que diz respeito à indústria, a criogenia é usada para submeter certos materiais a temperaturas extremamente baixas, fazendo com que se tornem supercondutores. Supercondutores são capazes de conduzir corrente elétrica sem resistências.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Na Medicina, a criogenia é utilizada, por exemplo, na preservação de gametas e embriões, os quais podem ser utilizados anos depois. A criogenia pode ser utilizada também em células-tronco do sangue do cordão umbilical, tornando possível a utilização dessas células para tratamentos de doenças como linfomas e aplasia de medula.

Além do congelamento de óvulos, embriões e células-tronco, a criogenia pode ser usada no congelamento de alimentos e na preservação de sêmen de gado. No que diz respeito ao uso na indústria alimentícia, devemos destacar que o rápido resfriamento de alimentos evita a proliferação de micro-organismos e também propicia uma menor formação de cristais de água no produto, garantindo maior qualidade e manutenção das propriedades dos alimentos.

Veja também: Hambúrguer de células-tronco — suposta alternativa à crise alimentar global

Criônica

A criônica é uma prática que consiste na preservação do corpo de um indivíduo após sua morte, por meio de resfriamento, usando temperaturas extremamente baixas, com o objetivo de conservar o cadáver de modo que ele sofra pouco dano ao longo do tempo e possa, no futuro, ser trazido à vida novamente. A criônica é frequentemente chamada de criogenia, sendo importante salientar que essa prática não é aceita como uma aplicação científica da criogenia.

Representação em 3D de cápsulas de criônica futuristas.
Algumas pessoas acreditam que, no futuro, será possível reverter a morte, portanto, optam pelo congelamento do corpo.

Para que ocorra a preservação dos corpos, o primeiro procedimento é a retirada do sangue do indivíduo e sua substituição por um líquido que é capaz de resfriar rapidamente. O corpo é então conservado em um tanque de nitrogênio líquido. Entretanto, antes de ser colocado no tanque, que apresenta baixíssima temperatura, o corpo deve ser resfriado lentamente para evitar grandes danos aos seus tecidos e órgãos. No interior do tanque, o cadáver é preservado a cerca de -196 °C. Periodicamente, o nitrogênio é reabastecido.

De acordo com reportagem da BBC, estima-se que cerca de 100 pessoas já foram congeladas depois da morte e esperam por vida nova no futuro. É importante deixar claro que, até o momento, não há nenhuma tecnologia que permite que a pessoa volte à vida, sendo, portanto, um processo que se baseia na esperança de desenvolvimento de procedimentos científicos futuros capazes de reanimar esses mortos.

Escritor do artigo
Escrito por: Vanessa Sardinha dos Santos Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2008) e mestrado em Biodiversidade Vegetal pela Universidade Federal de Goiás (2013). Atua como professora de Ciências e Biologia da Educação Básica desde 2008.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Criogenia"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/quimica/criogenia.htm. Acesso em 26 de maio de 2024.

De estudante para estudante