Fundo Menu
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Álvaro de Campos

Álvaro de Campos é um dos principais heterônimos do autor português Fernando Pessoa. Partidário do sensacionismo e do futurismo, Campos é o poeta da modernidade.

Estátua de Fernando Pessoa localizada na cidade de Lisboa. [1]
Estátua de Fernando Pessoa localizada na cidade de Lisboa. [1]
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

Álvaro de Campos é um dos muitos heterônimos do escritor português Fernando Pessoa. Segundo seu criador, ele nasceu em 15 de outubro de 1890, em Tavira. Porém, fez engenharia mecânica e naval na Universidade de Glasgow, na Escócia. Campos é um poeta vanguardista, adepto do sensacionismo e do futurismo. Seus poemas mais famosos são Opiário e Ode triunfal.

Leia também: Orfismo — fase do modernismo português que teve Fernando Pessoa como um dos fundadores

Tópicos deste artigo

Videoaula sobre Álvares de Campos

Biografia de Álvaro de Campos

Álvaro de Campos é um heterônimo do poeta português Fernando Pessoa (1888-1935). Segundo seu criador, ele nasceu em 15 de outubro de 1890, na cidade portuguesa de Tavira. Horário de nascimento: 1h30 da tarde.

Já na juventude Campos era um homem alto para a época — tinha 1,75 m de altura. Assim, era dois centímetros mais alto do que Fernando Pessoa. Magro, apresentava tendência para se curvar fisicamente. Trazia a cara rapada e tinha uma pele entre branca e morena. De acordo com Pessoa, ele tinha vagamente o tipo de judeu português. Possuía cabelo liso e separado de lado.

Usava monóculo e “teve uma educação vulgar de liceu”|1|. Mas foi enviado para a Escócia, onde estudou engenharia mecânica e naval na Universidade de Glasgow. Foi em uma viagem de férias ao Oriente que escreveu o poema “Opiário”. Já o latim, aprendeu de um tio padre e beirão (da província de Beira, em Portugal).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características da poesia de Álvaro de Campos

A poesia de Álvaro de Campos possui as seguintes características:

  • traços modernistas;

  • marcas futuristas;

  • culto à máquina e à velocidade;

  • temática urbana;

  • sensacionismo (valorização das sensações);

  • acentuada emoção;

  • linguagem agressiva;

  • melancolia;

  • desencanto perante a modernidade;

  • versos regulares e livres.

Veja também: 5 melhores poemas de Fernando Pessoa

Poemas de Álvaro de Campos

No longo poema “Opiário”, composto em versos regulares, o eu lírico mostra o ópio como uma forma de fugir da realidade. Assim, em tom melancólico e pessimista, ele revela sua inadaptação à realidade e o tédio ao cruzar o mar de volta a Portugal:

Opiário

É antes do ópio que a minh’alma é doente.
Sentir a vida convalesce e estiola
E eu vou buscar ao ópio que consola
Um Oriente ao oriente do Oriente.

[...]

Vou cambaleando através do lavor
Duma vida-interior de renda e laca.
Tenho a impressão de ter em casa a faca
Com que foi degolado o Precursor.

Ando expiando um crime numa mala,
Que um avô meu cometeu por requinte.
Tenho os nervos na forca, vinte a vinte,
E caí no ópio como numa vala.

Ao toque adormecido da morfina
Perco-me em transparências latejantes
E numa noite cheia de brilhantes
Ergue-se a lua como a minha Sina.

[...]

A vida a bordo é uma coisa triste,
Embora a gente se divirta às vezes.
Falo com alemães, suecos e ingleses
E a minha mágoa de viver persiste.

[...]

Por isso eu tomo ópio. É um remédio.
Sou um convalescente do Momento.
Moro no rés-do-chão do pensamento
E ver passar a Vida faz-me tédio.

[...]

E afinal o que quero é fé, é calma,
E não ter estas sensações confusas.
Deus que acabe com isto! Abra as eclusas —
E basta de comédias na minh’alma!|2|

Já no também extenso poema “Ode triunfal”, composto em versos livres, o eu lírico exalta a modernidade, o meio urbano, a máquina e a velocidade. Usa uma linguagem febril e agressiva para tentar reproduzir a sensação de estar no século XX:

Ode triunfal

À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica
Tenho febre e escrevo.
Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto,
Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos.

Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno!
Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria!
Em fúria fora e dentro de mim,
Por todos os meus nervos dissecados fora,
Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto!
Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos,
De vos ouvir demasiadamente de perto,
E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso
De expressão de todas as minhas sensações,
Com um excesso contemporâneo de vós, ó máquinas!

[...]

Ó fazendas nas montras! Ó manequins! Ó últimos figurinos!
Ó artigos inúteis que toda a gente quer comprar!
Olá grandes armazéns com várias secções!
Olá anúncios eléctricos que vêm e estão e desaparecem!
Olá tudo com que hoje se constrói, com que hoje se é diferente de ontem!
Eh, cimento armado, beton de cimento, novos processos!
Progressos dos armamentos gloriosamente mortíferos!
Couraças, canhões, metralhadoras, submarinos, aeroplanos!
Amo-vos a todos, a tudo, como uma fera.
Amo-vos carnivoramente.
Pervertidamente e enroscando a minha vista
Em vós, ó coisas grandes, banais, úteis, inúteis,
Ó coisas todas modernas,
Ó minhas contemporâneas, forma actual e próxima
Do sistema imediato do Universo!
Nova Revelação metálica e dinâmica de Deus!

[...]

Eia! eia! eia!
Eia electricidade, nervos doentes da Matéria!
Eia telegrafia-sem-fios, simpatia metálica do Inconsciente!
Eia túneis, eia canais, Panamá, Kiel, Suez!
Eia todo o passado dentro do presente!
Eia todo o futuro já dentro de nós! eia!
Eia! eia! eia!
Frutos de ferro e útil da árvore-fábrica cosmopolita!
Eia! eia! eia! eia-hô-ô-ô!
Nem sei que existo para dentro. Giro, rodeio, engenho-me.
Engatam-me em todos os comboios.
Içam-me em todos os cais.
Giro dentro das hélices de todos os navios.
Eia! eia-hô! eia!
Eia! sou o calor mecânico e a electricidade!
Eia! e os rails e as casas de máquinas e a Europa!
Eia e hurrah por mim-tudo e tudo, máquinas a trabalhar, eia!

Galgar com tudo por cima de tudo! Hup-lá!

Hup-lá, hup-lá, hup-lá-hô, hup-lá!
Hé-la! He-hô! H-o-o-o-o!
Z-z-z-z-z-z-z-z-z-z-z-z!

Ah não ser eu toda a gente e toda a parte!|3|

Heterônimos de Fernando Pessoa

  • Alberto Caeiro

  • Álvaro de Campos

  • Alexander Search

  • António Mora

  • António Seabra

  • Barão de Teive

  • Bernardo Soares

  • Carlos Otto

  • Charles James Search

  • Charles Robert Anon

  • Coelho Pacheco

  • Faustino Antunes

  • Frederico Reis

  • Frederick Wyatt

  • Henry More

  • I. I. Crosse

  • Jean Seul

  • Joaquim Moura Costa

  • Maria José

  • Pantaleão

  • Pêro Botelho

  • Raphael Baldaya

  • Ricardo Reis

  • Thomas Crosse

  • Vicente Guedes

Notas

|1| PESSOA, Fernando. Escritos íntimos, cartas e páginas autobiográficas. Introdução, organização e notas de António Quadros. Lisboa: Publicações Europa-América, 1986.

|2| e |3| PESSOA, Fernando. Poesias de Álvaro de Campos. Lisboa: Ática, 1944.

Crédito de imagem

[1] Goncalo_Castelo_Soares / Shutterstock

 

Por Warley Souza
Professor de Literatura

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Warley. "Álvaro de Campos"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/alvaro-de-campos.htm. Acesso em 14 de agosto de 2022.

De estudante para estudante


Qual o nome do cachorro de Vidas Secas?

Por Brasil Escola
Responder
Ver respostas

Capitu traiu Bentinho?

Por Brasil Escola
Responder
Ver respostas

PUBLICIDADE

Estude agora


Relativismo moral

Uma posição relativista é aquela que entende que não há um padrão certo e seguro para determinar-se o valor de...

Quem foi Che Guevara?

Assista a nossa videoaula para conhecer a história de Ernesto Guevara, mais conhecido como "Che" Guevara...