Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Luiz Alfredo Garcia-Roza

Luiz Alfredo Garcia-Roza foi um escritor brasileiro. Seus romances policiais fazem parte da literatura contemporânea. Sua obra mais conhecida é “O silêncio da chuva”.

Luiz Alfredo Garcia-Roza, em fotografia de Marcos Michael, no ano de 2012.[1]
Luiz Alfredo Garcia-Roza, em fotografia de Marcos Michael, no ano de 2012.[1]
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Luiz Alfredo Garcia-Roza nasceu em 16 de setembro de 1936, no Rio de Janeiro. Mais tarde, fez faculdade de Filosofia e estudou Psicologia. Assim, na década de 1960, passou a atuar como professor na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Após a publicação de seu primeiro romance, decidiu se aposentar e se dedicar à literatura.

O escritor, que faleceu em 16 de abril de 2020, no Rio de Janeiro, escreveu romances policiais. Seu protagonista é o inspetor Espinosa, um policial ético que ama os livros. Ele está presente em várias obras do autor, e aparece no seu romance de estreia, o premiado O silêncio da chuva.

Leia também: Conceição Evaristo — grande expoente da literatura contemporânea

Tópicos deste artigo

Resumo sobre Luiz Alfredo Garcia-Roza

  • Nasceu em 1936 e faleceu em 2020.
  • Além de romancista, foi professor na Universidade Federal do Rio de Janeiro.
  • Seus romances policiais fazem parte da literatura contemporânea brasileira.
  • Seu protagonista, o inspetor Espinosa, é caracterizado pela ética e excentricidade.
  • Sua obra mais famosa é o premiado romance O silêncio da chuva.

Biografia de Luiz Alfredo Garcia-Roza

Luiz Alfredo Garcia-Roza nasceu em 16 de setembro de 1936, no Rio de Janeiro. Era membro de uma grande família, tinha 12 irmãos. Ainda na infância, com seus familiares, ele se mudou para Vitória, no Espírito Santo. Foi na adolescência que teve seu primeiro contato com romances policiais.

Com 18 anos de idade, voltou a morar no Rio de Janeiro. Fez faculdade de Filosofia e também estudou Psicologia. Mais tarde, na década de 1960, assumiu o cargo de professor de Filosofia e Teoria Psicanalítica na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Somente em 1996, no ano em que fez 60 anos de idade, publicou sua primeira obra literária.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Seu primeiro livro, o romance O Silêncio da chuva, ganhou, em 1997, o prêmio Nestlé de Literatura Brasileira e o Jabuti. A partir de então, o romancista se aposentou como professor universitário e passou a se dedicar totalmente à literatura. Já em 2006, recebeu o título de professor emérito da UFRJ.

Em 1978, Luiz Alfredo Garcia-Roza e a psicanalista e escritora Livia Garcia-Roza foram morar juntos no Jardim Botânico. Eles viveram uma vida em comum até a morte do autor, em 16 de abril de 2020, no Rio de Janeiro, depois que ele ficou internado durante um ano devido a um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Leia também: Bernardo Carvalho — escritor contemporâneo e autor da obra Nove noites

Obras de Luiz Alfredo Garcia-Roza

  • O silêncio da chuva (1996)
  • Achados e perdidos (1998)
  • Vento sudoeste (1999)
  • Uma janela em Copacabana (2001)
  • Perseguido (2004)
  • Berenice procura (2005)
  • Espinosa sem saída (2006)
  • Na multidão (2007)
  • Céu de origamis (2009)
  • Fantasma (2012)
  • Um lugar perigoso (2014)
  • A última mulher (2019)

Análise de O silêncio da chuva

Capa do livro “O silêncio da chuva”, de Luiz Alfredo Garcia-Roza, publicado pela editora Companhia das Letras.[2]
Capa do livro “O silêncio da chuva”, de Luiz Alfredo Garcia-Roza, publicado pela editora Companhia das Letras.[2]

O premiado livro de Garcia-Roza, o romance policial O silêncio da chuva, conta a história de um suposto crime ocorrido no Rio de Janeiro. Ricardo Carvalho, diretor-executivo da Planalto Minerações, teria sido assassinado no centro da cidade. O inspetor Espinosa, um amante de livros, deve desvendar o mistério.

Morto com um tiro, o executivo é encontrado em seu carro, em um edifício-garagem.  Assim, sem nenhuma pista, evidência ou testemunhas, o reflexivo inspetor Espinosa parte rumo à verdade. O empresário, porém, não foi assassinado, ele cometeu suicídio. Então onde estaria a arma usada?

A arma não foi encontrada no local, o que faz a polícia concluir que Ricardo havia sido vítima de um assassinato. Outros personagens entram em cena: o professor Júlio, que, apesar de estar envolvido com Alba, é apaixonado por Bia Vasconcelos, a viúva; Rose, a secretária de Ricardo; e Max, um ladrão que encontra o corpo do suicida antes da polícia.

Foi ele, portanto, quem roubou a arma do morto, e, no local do suicídio, encontrou também uma mala com dinheiro, para pagar pelo silêncio da polícia, e um bilhete que pedia para as autoridades sumirem com a arma:

Os vinte mil dólares são um pagamento para sumirem com a arma, com este bilhete, e arquivarem o caso por não encontrarem o autor do “crime”. Ninguém será prejudicado. Vocês podem ficar com a consciência tranquila, já que não estarão se apropriando indevidamente do dinheiro, eu o estou oferecendo.|1|

Por que Ricardo queria que sua morte parecesse um assassinato? É que ele tinha um seguro de um milhão de dólares. Ao descobrir isso, Max pretende levar vantagem, porém as coisas não ocorrem como esperado. Um corpo carbonizado é encontrado, e tudo indica que é o de Max. Além disso, Rose desaparece e sua mãe é enforcada.

Confira no nosso podcast: A figura do malandro na literatura brasileira

Características da obra de Luiz Alfredo Garcia-Roza

Luiz Alfredo Garcia-Roza foi um escritor da literatura contemporânea brasileira, autor de romances policiais. Suas obras apresentam as seguintes características:

  • crime, mistério e investigação;
  • o inspetor Espinosa é um personagem recorrente;
  • Espinosa é ético e excêntrico;
  • espaço narrativo é o Rio de Janeiro;
  • narrativa ambígua;
  • coexistência entre razão e imaginação;
  • análise psicológica;
  • monólogo interior;
  • crime motivado por questões pessoais;
  • narrativa aberta, sem solução definitiva;
  • tramas paralelas;
  • temática da solidão.

Nota

|1| GARCIA-ROZA, Alfredo Luiz. O silêncio da chuva. São Paulo: Companhia de Bolso, 2005.

Créditos das imagens

[1] Marcos Michael / Wikimedia Commons

[2] Editora Companhia das Letras (reprodução)

 

Por Warley Souza
Professor de Literatura

Escritor do artigo
Escrito por: Warley Souza Professor de Português e Literatura, com licenciatura e mestrado em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Warley. "Luiz Alfredo Garcia-Roza"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/luiz-alfredo-garcia-roza.htm. Acesso em 13 de julho de 2024.

De estudante para estudante