Topo
pesquisar

O Carnaval na Antiguidade

História Geral

Relatos e artefatos históricos deixados por civilizações passadas nos revelam como a celebração de Carnaval é mais antiga do que imaginamos.
Os povos antigos promoviam a inversão do mundo em diferentes manifestações populares
Os povos antigos promoviam a inversão do mundo em diferentes manifestações populares
PUBLICIDADE

Ao pesquisarmos sobre os festejos que marcam o Carnaval, geralmente nos deparamos com a lógica e a significação instituídas pelo calendário cristão. Sob esse contexto, o carnaval compreende um período de celebração que antecede a resignação espiritual que inclui o período que vai da Quarta-Feira de Cinzas até o Domingo Pascoal. No entanto, quando observamos as manifestações de outras civilizações milenares também conseguimos notar a prática de celebrações de tom carnavalesco.

Pesquisando sobre os povos orientais, podemos apontar a anulação temporária das convenções sociais e das outras distinções que organizavam seu mundo. Entre os babilônios havia a organização de festas anuais de verão, conhecidas como Saceias. No seu conjunto, tal festividade era orientada pela inversão completa das hierarquias sociais. Ao longo de um período de cinco dias, os servos poderiam incorporar os gestos e comportamentos de seus superiores.

Outra instigante manifestação organizada durante a Saceia envolvia a escolha de algum prisioneiro para ocupar o lugar da autoridade real. Nesse curto período, o reles detento poderia vestir as roupas do rei, comer em sua mesa e até desposar as mulheres do mesmo. Após a experiência de regalo e alegria, o pobre coitado era submetido à chicotadas e depois morto por algum cruel ritual de execução. Tragicamente, a inversão da realidade chegava ao seu fim.

Em outro tipo de manifestação, os babilônios tinham o costume de assinalar os limites da autoridade monárquica por meio de um curioso procedimento religioso. Durante os primeiros dias de cada novo ano, um sacerdote retirava do rei todos os emblemas que indicavam seu poder e o expunha a várias agressões físicas. Logo em seguida, o rei era levado aos pés do deus Marduk para declarar que não havia abusado do poder. Finalmente, era novamente consagrado e a ordem normal das coisas era restabelecida.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Os assírios também realizavam outra celebração bem próxima de algumas ações comumente observadas no carnaval de rua contemporâneo. No mês de março, os integrantes dessa poderosa civilização organizavam uma festa em tributo à deusa Ísis, divindade de origem egípcia responsável pela proteção dos navegantes. Os seus participantes costumavam utilizar máscaras durante uma procissão em que um carro transportava uma embarcação a ser oferecida para a deusa.

Na Roma Antiga, as chamadas Saturnálias eram festas em que toda a população estava livre das distinções sociais que orientavam sua vida cotidiana. Durante uma semana, os senhores utilizavam os chapéus de seus subordinados e ofereciam comida aos seus serviçais. Na mesma época, um rei era sorteado para ter todos os seus desejos prontamente atendidos. Dessa maneira, a tradição renovadora que assinala o carnaval pode impressionantemente atravessar os séculos.

Após a disseminação do cristianismo e a consolidação da hierarquia católica, as festas carnavalescas sofreram diversos episódios de perseguição. De acordo com os líderes da Igreja Cristã, as inversões e situações fantasiosas afrontavam o mundo criado pelo Senhor. No entanto, mesmo com sua influência e poder, a Igreja não conseguiu dar fim a essas festividades que ainda se mostram vivas em diversas culturas espalhadas pelo mundo.

Por Rainer Sousa
Graduado em História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUSA, Rainer Gonçalves. "O Carnaval na Antiguidade"; Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/historiag/o-carnaval-na-antiguidade.htm>. Acesso em 15 de outubro de 2018.

Desenho de Jean Baptiste-Debret (1768-1848) mostrando a brincadeira do entrudo entre os escravos
Carnaval - Carnaval 2018 História do Carnaval no Brasil
Corpo feminino - elemento de marketing do carnaval
Educação Física Carnaval, Corpos e Poder
Carnaval - Carnaval 2018 Carnaval no Brasil
A época do carnaval está na estação mais quente do ano, diante disso, é preciso tomar certos cuidados
Carnaval - Carnaval 2018 Cuidados com o Corpo Durante o Carnaval
Bloco de carnaval, presidiários, Pierrô e Colombina
Carnaval - Carnaval 2018 Fantasias do Carnaval
Quadro de Johannes Lingelbach (1622-1674), Carnaval em Roma, exemplo de um carnaval da Commedia Dell'arte
Carnaval - Carnaval 2018 História do carnaval e suas origens
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola