Fundo Menu
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Nelson Rodrigues

Nelson Rodrigues foi um cronista, contista, romancista e dramaturgo brasileiro do século XX. É conhecido, principalmente, pelas suas polêmicas peças teatrais.

Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

Nelson Rodrigues nasceu em 23 de agosto de 1912, em Recife, mas, ainda criança, mudou-se, com a família, para o Rio Janeiro. O pai era dono de um jornal, e isso permitiu que o filho, aos 14 anos, iniciasse sua carreira jornalística como repórter policial. Mais tarde, publicou crônicas, contos e romances, porém a fama do escritor se deve, principalmente, às suas peças teatrais.

Seus textos, tanto a prosa quanto o drama, são caracterizados por uma linguagem simples, crítica de costumes e presença de temas polêmicos, como incesto e adultério. Os textos dramáticos são divididos em:

  • peças psicológicas

  • peças míticas

  • tragédias cariocas

O autor, que morreu em 21 de dezembro de 1980, no Rio de Janeiro, compôs obras teatrais famosas, como Vestido de noiva e O beijo no asfalto.

Leia também: Gênero dramático – textos escritos com o objetivo de serem encenados

Tópicos deste artigo

Biografia de Nelson Rodrigues

 Nelson Rodrigues, em 1971.
Nelson Rodrigues, em 1971.

Nelson Rodrigues nasceu em 23 de agosto de 1912, em Recife. Contudo, em 1916, a família se mudou para o Rio de Janeiro, onde Mário Rodrigues (1885-1930), pai do escritor, criou o jornal A Manhã, em 1925. Antes, porém, em 1919, o filho ingressou na escola Prudente de Morais. Durante seu período de estudos nessa instituição, ele ganhou um concurso de redação. A temática de sua redação era o adultério.

Assim, quando tinha 14 anos, o autor começou a trabalhar com o pai e se tornou repórter policial. No entanto, em 1929, Mário não pôde manter o jornal e fundou outro, chamado Crítica. Nesse ano, a tragédia se abateu sobre a família. O irmão do jornalista — Roberto Rodrigues (1906-1929) — foi assassinado pela escritora Sylvia Seraphim (1902-1936), por causa de uma reportagem sobre seu suposto adultério.

Esse acontecimento acabou levando Mário Rodrigues a se entregar ao alcoolismo e logo falecer, em 1930. Além disso, meses depois, o jornal foi fechado pelo governo de Getúlio Vargas. Nos próximos anos, a família enfrentaria grande dificuldade financeira, além de Nelson Rodrigues ser acometido pela tuberculose e perder um irmão para a doença, em 1936.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Nesse mesmo ano, o escritor começou a escrever sobre futebol para o Jornal dos Sports. Em 1940, casou-se com Elza Bretanha, com quem viveu até 1963, quando se separou para morar com Lúcia Cruz Lima durante os próximos oito anos. Já em 1941, sua primeira peça teatral — A mulher sem pecado — foi encenada. Contudo, o reconhecimento chegou só dois anos depois, quando estreou sua peça Vestido de noiva.

Em 1944, Nelson Rodrigues, que também era romancista, assinou o livro Meu destino é pecar com seu pseudônimo Suzana Flag, que seria usado em outras duas obras. Assim, sempre tratando de temas polêmicos, o autor, em 1946, teve sua peça Álbum de família censurada, devido à temática do incesto.

Paralelamente à sua carreira de dramaturgo, ele também escrevia para periódicos, como Última Hora, Correio da Manhã, Jornal do Brasil e O Globo. Mais tarde, trabalhou na televisão, além de fazer uma participação como ator, em 1957, em sua peça Perdoa-me por me traíres.

O autor, que faleceu em 21 de dezembro de 1980, no Rio de Janeiro, apesar de apoiar o regime militar, teve seu romance O casamento censurado em 1966. Em 1972, seu filho, Nelson Rodrigues Filho, foi preso e torturado, devido a envolvimento na luta armada contra a ditadura.

Leia também: Ariano Suassuna – dramaturgo paraibano fundador do movimento armorial

Características da obra de Nelson Rodrigues

Suas peças, contos, romances e crônicas apresentam, de forma geral, as seguintes características:

  • Linguagem coloquial

  • Presença de gírias

  • Tom irônico

  • Diálogos dinâmicos

  • Monólogo interior

  • Crítica de costumes

  • Visão do cotidiano

  • Elementos grotescos

  • Temáticas:

- Adultério

- Hipocrisia

- Corrupção humana

- Condutas imorais

- Amor e sexo

- Crime e morte

Suas peças teatrais são divididas em três categorias:

  • Peças psicológicas: apresentam uma análise psicológica dos personagens, como na peça Vestido de noiva.

  • Peças míticas: desconstroem o modelo tradicional da família burguesa, como mostra a obra Álbum de família.

  • Tragédias cariocas: de caráter mais popular, colocam em evidência o subúrbio do Rio de Janeiro, como se pode ver em A falecida.

Obras de Nelson Rodrigues

 Capa do livro O beijo no asfalto, de Nelson Rodrigues, publicado com o selo Nova Fronteira. [1]
Capa do livro O beijo no asfalto, de Nelson Rodrigues, publicado com o selo Nova Fronteira. [1]

Teatro

  • A mulher sem pecado (1941)

  • Vestido de noiva (1943)

  • Álbum de família (1946)

  • Anjo negro (1947)

  • Senhora dos afogados (1947)

  • Doroteia (1949)

  • Valsa no 6 (1951)

  • A falecida (1953)

  • Perdoa-me por me traíres (1957)

  • Viúva, porém honesta (1957)

  • Os sete gatinhos (1958)

  • Boca de ouro (1959)

  • O beijo no asfalto (1960)

  • Bonitinha, mas ordinária (1962)

  • Toda nudez será castigada (1965)

  • AntiNelson Rodrigues (1974)

  • A serpente (1978)

Romance

  • Meu destino é pecar (1944)

  • Escravas do amor (1944)

  • Minha vida (1944)

  • Núpcias de fogo (1948)

  • A mulher que amou demais (1949)

  • A mentira (1953)

  • O homem proibido (1959)

  • Asfalto selvagem: Engraçadinha, seus pecados e seus amores (1959)

  • O casamento (1966)

  • Memórias: a menina sem estrela (1992)

Conto

  • Cem contos escolhidos: a vida como ela é... (1972)

  • Elas gostam de apanhar (1974)

  • A vida como ela é...: o homem fiel e outros contos (1992)

  • A dama do lotação e outros contos e crônicas (1992)

  • A coroa de orquídeas (1992)

  • Pouco amor não é amor (2002)

Crônica

  • O óbvio ululante: primeiras confissões (1968)

  • A cabra vadia (1970)

  • O reacionário: memórias e confissões (1977)

  • Fla-flu... e as multidões despertaram (1987)

  • O remador de Ben-Hur (1992)

  • A cabra vadia: novas confissões (1992)

  • À sombra das chuteiras imortais: crônicas de futebol (1992)

  • A mulher do próximo (1992)

  • O profeta tricolor (2002)

  • Não se pode amar e ser feliz ao mesmo tempo (2002)

  • O berro impresso das manchetes (2007)

  • A pátria de chuteiras (2012

  • Brasil em campo (2018)

Veja também: Dias Gomes – dramaturgo que contribuiu desde o teatro a novelas televisivas

O beijo no asfalto

O beijo no asfalto é uma das peças mais famosas de Nelson Rodrigues. O texto apresenta personagens como Amado, um jornalista sensacionalista e inescrupuloso, e Cunha, um delegado violento. Os dois resolvem perseguir o personagem Arandir, que beijou, na boca, um homem que morreu atropelado.

Tanto o jornalista quanto o delegado pretendem tirar vantagens do caso e fazem de tudo para Arandir confessar que tinha um caso com o morto. No entanto, Arandir é casado com Selminha, a qual é filha de Aprígio e irmã de Dália, uma adolescente que nutre desejos pelo cunhado.

Durante o desenrolar da trama, o público é levado a acreditar que Aprígio tem ciúme da filha Selminha, isto é, sente algum tipo de desejo por ela. Entretanto, no final, é revelado que Aprígio é apaixonado pelo genro Arandir. Antes, porém, sai a matéria sobre o “beijo no asfalto”, e a vida de Arandir vira um inferno, já que todos começam a desconfiar que ele é homossexual.

Ainda, durante toda a peça, paira no ar a dúvida se Arandir conhecia ou não o atropelado. Além disso, é bastante evidente a homofobia dos personagens, condizente com a década de 1960. No entanto, não é possível saber se a peça critica a homofobia ou se é favorável a ela. Essa dúvida torna o texto bem mais complexo e interessante.

Frases de Nelson Rodrigues

A seguir, vamos ler algumas frases de Nelson Rodrigues, retiradas do livro Só os profetas enxergam o óbvio:

  • “Devo muito aos inimigos e muito pouco, ou quase nada, aos admiradores.”

  • “O amoroso é sincero até quando mente.”

  • “Cada um de nós há de morrer agarrado à sua angústia.”

  • “A verdadeira posse é o beijo na boca.”

  • “Só há uma tosse admissível: a nossa.”

  • “Há médicos que cobram até ‘bom-dia’.”

  • “Enquanto o homem não amar para sempre, continuaremos pré-históricos.”

  • “As coisas ditas uma vez e só uma vez morrem inéditas.”

  • “Um idiota está sempre acompanhado de outros idiotas.”

Crédito da imagem

[1] Ediouro Publicações (reprodução)

 

Por Warley Souza
Professor de Literatura

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Warley. "Nelson Rodrigues"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/nelson-rodrigues.htm. Acesso em 04 de julho de 2022.

De estudante para estudante


Qual o nome do cachorro de Vidas Secas?

Por Brasil Escola
Responder
Ver respostas

Capitu traiu Bentinho?

Por Brasil Escola
Responder
Ver respostas

PUBLICIDADE

Estude agora


Direitos das crianças no Brasil

Veja nesta videoaula o histórico dos direitos das crianças no Brasil, percorrendo o período colonial até a...

Variabilidade genética

Sempre que falamos de variabilidade genética, analisamos genótipos e fenótipos, observamos novas características,...