Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Acordos de Paz de Paris (1973)

Os Acordos de Paz de Paris (1973) tinham a pretensão de pôr fim na longa Guerra do Vietnã.

Estátua em homenagem aos soldados da Guerra do Vietnã
Os Acordos de Paz de Paris, de 1973, tinham o objetivo de pôr fim na Guerra do Vietnã.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Os Acordos de Paz de Paris de 1973 determinaram o cessar-fogo da Guerra do Vietnã após uma escalada no conflito que culminou na morte de milhões de vietnamitas bem como na maior derrota da história dos Estados Unidos.

Seus principais pontos eram a libertação de prisioneiros norte-americanos, a saída das tropas norte-americanas e o desenvolvimento de políticas democráticas para a reunificação do território. Foram assinados pelos governos do Vietnã do Sul, do Vietnã do Norte, dos EUA e pelos representantes dos vietcongues. Após sua assinatura, os EUA se retiraram, e os Vietnã do Norte e do Sul foram unificados sob o nome de República Socialista do Vietnã.

Leia mais: Guerra da Indochina — promoveu o fim do domínio francês na região e resultou na divisão do Vietnã em duas nações

Tópicos deste artigo

Resumo sobre os Acordos de Paz de Paris (1973)

  • Determinaram o cessar-fogo da Guerra do Vietnã.

  • Foram assinados pelos governos do Vietnã do Sul, do Vietnã do Norte, dos EUA e pelo Governo Revolucionário Provisório (PRG).

  • Determinaram, principalmente, a retirada das tropas norte-americanas, a libertação dos prisioneiros norte-americanos e a reunificação pacífica dos dois territórios.

  • As tropas foram retiradas, fazendo, no entanto, com o que o conflito se acirrasse no Sul por parte dos vietcongues, então mais fortalecidos. Ambos territórios foram reunificados sob o governo socialista, dando a vitória do conflito ao Vietnã do Norte.

O que foram os Acordos de Paz de Paris (1973)?

Sabemos que a Guerra do Vietnã foi um dos acontecimentos mais funestos do século XX. Ela é considerada por muitos historiadores e jornalistas como a operação militar mais desgastante e mal resolvida de que os Estados Unidos da América participaram diretamente. Atravessando três décadas (entre 1950 e 1970) do período conhecido como Guerra Fria, a Guerra do Vietnã tornou-se alvo de severas críticas das sociedades civis americana e europeia ao longo dos anos 1960.

A pressão de políticos contrários à guerra e de movimentos pacifistas fez com que, no início da década de 1970, alguns acordos de paz fossem assinados com o objetivo de dar fim imediato à guerra. Essas negociações realizaram-se em 27 de janeiro de 1973, na cidade de Paris, e ficaram conhecidas mundialmente como Acordos de Paz de Paris.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)


As principais pautas dos Acordos de Paz de Paris versavam sobre:

  1. A libertação dos prisioneiros de guerra americanos sob custódia do Vietnã do Norte (de orientação política comunista), que era, com os guerrilheiros vietcongues (atuantes no Vietnã do Sul), inimigos do Vietnã do Sul e dos EUA, parceiros na guerra.

  2. A retirada das tropas dos EUA do solo vietnamita.

  3. O desenvolvimento de políticas democráticas que assegurassem a reunificação pacífica dos dois lados do Vietnã.

Os personagens centrais desse processo de negociação foram os diplomatas Le Duc Tho, do Vietnã do Norte, e Henry Kissinger, dos EUA. Kissinger encabeçou as negociações apresentadas acima antes de janeiro de 1973. Os esforços para dar fim à guerra intensificaram-se após a Ofensiva do Tet, ocorrida em 30 de janeiro de 1968, que consistiu em um ataque coordenado do Vietnã do Norte contra sul-vietnamitas e americanos.

Mesmo em meio às negociações que visavam à assinatura dos acordos, o governo de Richard Nixon autorizou retaliações ao Vietnã do Norte, como o maciço bombardeio de dezembro de 1972.

William Rogers, secretário do Estado dos EUA, assinando os Acordos de Paz de Paris, em 1973.
Parte dos signatários dos Acordos de Paz de Paris (1973) [1]

Resultados dos Acordos de Paz de Paris de 1973

Um mês depois, com os acordos assinados, os EUA retiraram suas tropas do solo vietnamita, mas, ao contrário do previsto, não houve cessar-fogo imediato. Norte-vietnamitas e vietcongues aproveitaram-se da falta do apoio americano aos sul-vietnamitas (o que provocou a rápida desagregação de seu exército) e avançaram sobre seu território. Pressionado, o então presidente do Vietnã do Sul, Nguyen Van Thieu, renunciou no dia 21 de abril de 1975. Nove dias depois os norte-vietnamitas ocuparam a capital do Vietnã no Sul, Saigon.

A decisão do Congresso americano, em junho de 1975, de proibir qualquer novo envolvimento militar dos EUA no Sudeste Asiático, como diz o pesquisador Demétrio Magnoli:

[…] desmoralizou as promessas de Nixon a Van Thieu de reagir pela força a uma eventual violação do cessar-fogo por parte do Vietcong. Menos de um ano e meio depois, forças do Vietnã do Norte entraram vitoriosas em Saigon, encerrando a segunda guerra indochinesa. O Vietnã foi reunificado em 1976 e a cidade de Saigon, rebatizada em homenagem a Ho Chi Minh.|1|

Além das sequelas humanitárias, com milhões de mortes resultantes do conflito, ficaram também as sequelas ambientais. Após a estratégia norte-americana de lançar desfolhantes nas plantações vietnamitas, especialmente o chamado agente laranja — que contém dioxina —, até os dias atuais os vietnamitas precisam lidar com as consequências dessa contaminação, como regiões inteiras que se tornaram estéreis para plantação e malformações no nascimento.

Nota
|1| MAGNOLI, Demétrio. “Guerras da Indochina”. In: MAGNOLI, Demétrio. (org.) História das guerras. São Paulo: Contexto, 2013. p. 415.

Crédito da imagem

[1] Domínio público | Commons
 

Por Cláudio Fernandes
Professor de História

Escritor do artigo
Escrito por: Cláudio Fernandes Escritor oficial Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FERNANDES, Cláudio. "Acordos de Paz de Paris (1973)"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/guerras/acordos-paz-paris-1973.htm. Acesso em 23 de julho de 2024.

De estudante para estudante