Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Palavras paroxítonas

Paroxítonas são palavras cuja sílaba tônica é a penúltima. Boa parte das palavras da língua portuguesa são paroxítonas.

Jovem segurando um balão de diálogo com o escrito “palavras paroxítonas”.
As palavras paroxítonas têm a penúltima sílaba como tônica.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

As paroxítonas são aquelas palavras cuja sílaba tônica ocorre na penúltima sílaba da palavra. As palavras paroxítonas são as mais comuns na língua portuguesa, havendo ainda as oxítonas (última sílaba como tônica) e as proparoxítonas (antepenúltima sílaba como tônica).

 Leia também: Como as palavras são estruturadas e formadas?

Tópicos deste artigo

Resumo sobre palavras paroxítonas

  • As palavras paroxítonas têm a penúltima sílaba como tônica, ou seja, pronunciada de modo mais forte e enfático.

  • A maior parte das palavras na língua portuguesa é paroxítona, fazendo com que muitas delas não precisem ser acentuadas.

  • Há casos específicos em que o acento gráfico se faz necessário para indicar que a palavra é paroxítona.

  • Há ainda palavras oxítonas (última sílaba como tônica) e proparoxítonas (antepenúltima sílaba como tônica).

O que são palavras paroxítonas?

As palavras paroxítonas são as que têm a penúltima sílaba como sílaba tônica, ou seja, pronunciada de maneira mais forte. As paroxítonas são o tipo de palavra mais comum na língua portuguesa.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Lista de palavras paroxítonas

A seguir, alguns exemplos de palavras paroxítonas:

  • aberto

  • bicicleta

  • coceira

  • dente

  • esperto

  • farra

  • irritado

  • janela

  • mascarado

  • menino

  • mundo

  • planeta

  • quente

  • reforço

  • terapia

  • terreno

  • tigre

  • veneno

Quais são as regras de acentuação das paroxítonas?

Na língua portuguesa, é mais comum que a sílaba tônica recaia sobre a penúltima sílaba, então, muitas vezes, as paroxítonas não são acentuadas. Ainda assim, há casos específicos de palavras paroxítonas que precisam do acento gráfico para marcar sua sílaba tônica. Veja:

Regra de uso do acento gráfico

Exemplos

terminadas em
-i, -is, -us, -um, -uns

xi, biquíni, pis,
rus, álbum, runs

terminadas em
-l, -n, -r, -x, -ons, -ps
e suas formas plurais

cil, vel, fen, len,
lar, revólver, rax,
cônsul, plâncton, câncer, âmbar

terminadas em
-ei ou -eis

quei, quei

terminadas nos sons nasais
-ã, -ãs, -ão, -ãos, -guam, -guem

bênção, ímã, órgão, enguam

terminadas em
ditongo crescente

bio, gua, árduo, doa

Palavras paroxítonas e o acordo ortográfico

No acordo ortográfico atual, algumas palavras paroxítonas perderam o acento gráfico. São os seguintes casos:

Palavras paroxítonas

Exemplos

terminadas em
ditongo aberto

-ei ou -oi

ideia, geleia, plateia,

jiboia, paranoia, heroico, joia

terminadas em
ditongo -ee ou -oo

creem, leem, veem,

voo, enjoo, perdoo

-i ou -u após ditongo

feiura, baiuca

Importante: O acento gráfico se mantém em palavras oxítonas como herói, papéis, lençóis, entre outras.

Acesse também: Acentuação — todas as regras de acentuação gráfica após o acordo ortográfico

Palavras paroxítonas e desvios de prosódia

A prosódia é o estudo da entonação e do acento da linguagem falada. Assim, um desvio de prosódia é uma pronúncia inadequada de palavra. Algumas paroxítonas são comumente pronunciadas de maneira equivocada. São casos em que, em vez de se pronunciar a penúltima sílaba como tônica, pronuncia-se outra sílaba dessa forma. Veja alguns exemplos:

Pronúncia correta

Pronúncia incorreta

avaro

ávaro

filantropo

filântropo

pudico

dico

recorde

corde

rubrica

brica

Note que essas palavras são paroxítonas, mas, muitas vezes, ocorrem desvios de prosódia que as transformam em proparoxítonas inadequadamente.

Palavras paroxítonas e dupla prosódia

Assim como há desvios de prosódia, há algumas paroxítonas com dupla prosódia, ou seja, que têm mais de uma pronúncia correta. Isso acontece quando a palavra pode ser pronunciada como paroxítona ou como outro tipo de palavra. Veja alguns casos:

Paroxítona

Proparoxítona

acrobata

acróbata

hieroglifo

hieglifo

logotipo

lotipo

Paroxítona

Oxítona

rox

xerox

protil

projetil

Quais são as diferenças entre oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas?

A diferença entre esses três tipos de palavra está na sílaba tônica.

  • Palavras oxítonas: têm a última sílaba como tônica. Exemplos: saci, mandacaru, pastéis.

  • Palavras paroxítonas: têm a penúltima sílaba como tônica. Exemplos: casa, fazenda, otorrinolaringologista.

  • Palavras proparoxítonas: têm a antepenúltima sílaba como tônica. Exemplos: ssego, tarântula, resquício.

Exercícios resolvidos sobre palavras paroxítonas

Questão 1

(Funrio)

Texto “Carboidratos absolvidos”, de Jairo Bouer, adaptado pela Funrio para questão sobre acentuação de paroxítonas.

A palavra “órgão” é acentuada, porque cumpre um dos critérios para acentuar paroxítonas. Uma paroxítona que cumpre outro critério é:

A) pública

B) próximo

C) tubérculos

D) energético

E) assimiláveis

Resolução:

Alternativa E

A palavra “assimiláveis” termina em -is, devendo ser acentuada para indicar a sílaba tônica na penúltima sílaba (e não na última, como seria caso não houvesse acento gráfico). Além disso, as palavras nas demais alternativas são proparoxítonas e não paroxítonas.

Questão 2

(Faepesul)

EU, ETIQUETA

Em minha calça está grudado um nome

que não é meu de batismo ou de cartório,

um nome... estranho.

Meu blusão traz lembrete de bebida

que jamais pus na boca, nesta vida.

Em minha camiseta, a marca de cigarro

que não fumo, até hoje não fumei.

Minhas meias falam de produto

que nunca experimentei

mas são comunicados a meus pés.

Meu tênis é proclama colorido

de alguma coisa não provada

por este provador de longa idade.

Meu lenço, meu relógio, meu chaveiro,

minha gravata e cinto e escova e pente,

meu copo, minha xícara,

minha toalha de banho e sabonete,

meu isso, meu aquilo,

desde a cabeça ao bico dos sapatos,

são mensagens,

letras falantes,

gritos visuais,

ordens de uso, abuso, reincidência,

costume, hábito, premência,

indispensabilidade,

e fazem de mim homem-anúncio itinerante,

escravo da matéria anunciada.

Estou, estou na moda.

É duro andar na moda, ainda que a moda

seja negar minha identidade,

trocá-la por mil, açambarcando

todas as marcas registradas,

todos os logotipos do mercado.

Com que inocência demito-me de ser

eu que antes era e me sabia

tão diverso de outros, tão mim mesmo,

ser pensante, sentinte e solidário

com outros seres diversos e conscientes

de sua humana, invencível condição.

Agora sou anúncio,

ora vulgar ora bizarro,

em língua nacional ou em qualquer língua

(qualquer, principalmente).

E nisto me comparo, tiro glória

de minha anulação.

Não sou — vê lá — anúncio contratado.

Eu é que mimosamente pago

para anunciar, para vender

em bares festas praias pérgulas piscinas,

e bem à vista exibo esta etiqueta

global no corpo que desiste

de ser veste e sandália de uma essência

tão viva, independente,

que moda ou suborno algum a compromete.

Onde terei jogado fora

meu gosto e capacidade de escolher,

minhas idiossincrasias tão pessoais,

tão minhas que no rosto se espelhavam

e cada gesto, cada olhar

cada vinco da roupa

sou gravado de forma universal,

saio da estamparia, não de casa,

da vitrine me tiram, recolocam,

objeto pulsante mas objeto

que se oferece como signo de outros

objetos estáticos, tarifados.

Por me ostentar assim, tão orgulhoso

de ser não eu, mas artigo industrial,

peço que meu nome retifiquem.

Já não me convém o título de homem.

Meu nome novo é coisa.

Eu sou a coisa, coisamente.

Carlos Drummond de Andrade. Obra poética, Volumes 4-6. Lisboa: Publicações Europa-América, 1989.

Analisando a acentuação gráfica das palavras sublinhadas no texto:

I. “Cartório” e “relógio” são paroxítonas acentuadas, porque terminam em ditongo crescente.

II. “Tênis” é uma paroxítona terminada em “i”, seguido de “s”. Por isso, acentuada.

III. “Reincidência” é uma paroxítona terminada em hiato, confirmando a presença do acento gráfico.

Sobre essas afirmativas, temos:

A) Somente a III está correta.

B) I e III estão corretas.

C) II e III estão corretas.

D) I e II estão corretas.

E) Todas estão corretas.

Resolução:

Alternativa D

A palavra “reincidência” não é uma paroxítona, e sim uma proparoxítona.

 

Por Guilherme Viana
Professor de Gramática     

Escritor do artigo
Escrito por: Guilherme Viana Escritor oficial Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

VIANA, Guilherme. "Palavras paroxítonas"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/gramatica/palavras-paroxitonas.htm. Acesso em 29 de maio de 2024.

De estudante para estudante