Topo
pesquisar
Em 04/04/2018 10h39, atualizado em 05/04/2018 09h31

MEC apresenta versão final da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Ensino Médio

Notícias

Proposta foi entregue ao Conselho Nacional de Educação, que realizará uma consulta pública. Por Rafael Batista

Na tarde da última terça-feira, dia 3 de abril, o Ministro da Educação, Mendonça Filho, entregou ao Conselho Nacional de Educação (CNE) a etapa da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) referente ao Ensino Médio. O próximo passo da reforma curricular é a discussão junto à sociedade para a implementação da proposta.

Veja o documento

Como já era esperado, o ponto central é a flexibilização dos currículos, permitindo áreas do conhecimento com carga horária mínima estabelecida, além de horas para aprofundamento em áreas de interesse dos alunos. No entanto, a BNCC não é currículo, ela apenas estabelece um ponto aonde se quer chegar, de acordo com o MEC. A responsabilidade dos currículos é das redes de educação e das escolas.

O documento assegura que todas as escolas do país desenvolvam seus currículos a partir de um conjunto orgânico e progressivo de aprendizagens essenciais. A base também afirma a importância da implantação de escolas para educação em tempo integral.

Carga horária

Apesar de flexibilizar a estrutura curricular do ensino médio, a BNCC determinou o aumento da carga horária de 2,4 mil horas (o equivalente a quatro horas de aula por dia, em média) para 3 mil horas (o equivalente a cinco horas diárias, em média). Desse total, 1,8 mil horas são para as disciplinas comuns e o tempo restante para o aprofundamento no itinerário formativo de escolha do estudante.

Disciplinas obrigatórias

Língua Portuguesa e Matemática serão as únicas disciplinas obrigatórias durante todo o ensino médio. As demais, como Química, Educação Física e Sociologia, estarão presentes na BNCC, mas serão opcionais na segunda parte do ensino médio.

Depois que a carga horária da BNCC for completada, os estudantes do ensino médio poderão optar entre cinco itnerários formativos: Língua Portuguesa e suas Tecnologias; Matemática e suas Tecnologias; Ciências da Natureza e suas Tecnologias; Ciências Humanas e suas Tecnologias; Formação Técnica e Profissional.

Estrutura do novo ensino médio. Fonte: MEC

A Reforma

A Medida Provisória nº 748/2016, que autorizou a reforma, foi sancionada pelo Presidente Michel Temer, em fevereiro de 2017. O texto passou por mais de 500 emendas de deputados e senadores, o que resultou na mudança de temas polêmicos e flexibilizou um pouco a reforma do Ensino Médio.

A mudança do Ensino Médio por meio de uma Medida Provisória e sem consulta à sociedade gerou bastante debate e protestos, o que causou ocupações em escolas de vários estados em 2016, motivo que adiou a aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para parte dos inscritos.

A exclusão de algumas disciplinas, como Artes e Educação Física e Filosofia e Sociologiaa abertura para profissionais sem licenciatura dar aulas para a Formação Técnica e Profissional e implementação geral do ensino integral foram os temas mais polêmicos. 

Implementação

Ainda não foi estipulado um prazo para que CNE discuta a base e comece a implantá-la. A primeira etapa da BNCC foi concluída com a finalização da base específica do ensino infantil e fundamental, que deve ser implementada até 2020.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA