Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Fulgêncio Batista

Fulgêncio Batista foi um militar e político cubano que, na década de 1950, acabou se tornando ditador no país. Seu governo foi derrubado pela Revolução Cubana em 1959.

Fulgêncio Batista sorrindo em fotografia de 1955.
Fulgêncio Batista, político cubano, em fotografia de 1955.[1]
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Fulgêncio Batista foi um militar e político de Cuba que, a partir de 1933, após ser o líder de um golpe de Estado, passou a ser o comandante das Forças Armadas do país, tendo grande poder político. Ele governou Cuba por duas vezes: na primeira chegou à presidência através de eleições democráticas e na segunda, através de um outro golpe de Estado.

Seu segundo governo foi uma violenta ditadura, apoiada pelos Estados Unidos e muito impopular em Cuba. Em plena ditadura de Fulgêncio, instaurou-se no país uma guerrilha rural que passou a ganhar apoiadores, até que esta venceu as tropas governistas e Fulgêncio deixou Cuba, sem nunca mais retornar ao país.

Leia também: Fidel Castro — revolucionário cubano que derrubou a ditadura de Fulgêncio Batista

Tópicos deste artigo

Resumo sobre Fulgêncio Batista

  • Fulgêncio Batista foi uma das figuras mais marcantes da história cubana no século XX.
  • De 1933 até 1958 ele foi o mais importante líder político de Cuba e contou com o apoio das Forças Armadas e dos Estados Unidos.
  • Fulgêncio Batista teve duas espoas: Elisa Godínez, com a qual foi casado de 1933 até 1945, e Marta Fernández Miranda de Batista, com a qual foi casado de 1945 até 1973, quando Fulgêncio Faleceu.
  • Em 1952 Fulgêncio Batista deu um golpe de Estado e se tornou ditador em Cuba.
  • A ditadura de Fulgêncio foi marcada por uma crise político-econômica e violenta repressão aos opositores.
  • Uma guerrilha se formou em Cuba e conseguiu derrotar as tropas de Fulgêncio, que deixou o poder em 1º de janeiro de 1959.
  • Fidel Castro passou a governar Cuba, e o país se tornou um Estado socialista, alinhado à União Soviética.

Biografia de Fulgêncio Batista

Fulgêncio Batista nasceu em Banes, cidade cubana, em 1901, filho de pais que haviam lutado na Guerra de Independência de Cuba. Na adolescência e início da juventude ele exerceu diversas atividades, como aprendiz de alfaiate, mecânico e vendedor de frutas.

Com 20 anos, ele se mudou para Havana, a capital de Cuba, ingressando no exército cubano como soldado. No exército ele aprendeu taquigrafia e datilografia, passando a trabalhar como secretário de um grupo de oficiais e suboficiais.

Em 1933, ocorreu o que alguns historiadores chamam de Revolução Cubana de 1933 e outros, de Revolta dos Sargentos. Inconformados com os soldos e com a miséria na qual boa parte da população cubana vivia, soldados de baixa patente iniciaram uma revolta que logo ganhou apoio de setores urbanos, como o movimento estudantil e operário.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O golpe derrubou o presidente Carlos Manuel de Céspedes y Quesada, e, no seu lugar, uma pentarquia passou a governar Cuba. A pentarquia foi substituída poucos dias depois por um novo presidente, Ramón Grau.

Fulgêncio Batista teve participação ativa na Revolta dos Sargentos e foi nomeado pelo novo presidente como comandante das Forças Armadas de Cuba. Foi a partir desse momento que Fulgêncio Batista passou a ter grande influência na política cubana, isso perdurou por um quarto de século.

Veja também: História de Cuba — fatos mais marcantes sobre o único país socialista das Américas

Fulgêncio Batista na política cubana

A Revolta dos Sargentos deu muitos poderes aos militares cubanos e ao seu comandante, Fulgêncio Batista. Um cônsul norte-americano descreveu como Cuba estava em 1935:

“Os tentáculos do Exército cresceram tanto que chegam agora a controlar até mesmo responsabilidades municipais insignificantes, como a nomeação de garis... Diz-se que essas indicações são distribuídas a parentes próximos e amigos dos soldados e oficiais... De forma vagarosa, mas eficiente, os militares estão substituindo os prefeitos de muitos municípios dessa Província.”|1|

Para muitos historiadores Fulgêncio Batista foi quem governou, de fato, Cuba a partir de 1933, mantendo presidentes civis fracos como seus fantoches. Em 1935, o presidente cubano Carlos Mendieta promulgou um decreto-lei, com apoio de Fulgêncio Batista, que previa a pena de morte ou a prisão perpétua para quem cometesse qualquer ataque contra a indústria açucareira, sendo que boa parte desse setor era controlado por empresas norte-americanas. O decreto ainda previa as mesmas penas para quem fizesse “propaganda subversiva” ou comandasse greves em fábricas.

Fulgêncio Batista desfilando em um carro, nos Estados Unidos.
Fulgêncio Batista em Washington, em 1938. Ele foi recebido nos Estados Unidos com pompa de chefe de Estado.

Em 1940, Fulgêncio Batista se candidatou à presidência da república, sendo o vencedor da eleição e iniciando seu governo constitucional. Ele governou o país até 1944, deixando o governo para o seu sucessor e passando a morar na Flórida. Em 1952 ele retornou a Cuba, foi líder de um golpe de Estado após ser derrotado na eleição e se tornou ditador do país.

Fulgêncio Batista agiu com extrema violência contra os grupos opositores, prendendo e assassinando milhares deles. Ele só foi derrubado em 1959, quando a Revolução Cubana terminou com a conquista de Havana. Fulgêncio fugiu para a República Dominicana, levando milhões de dólares, depois viveu em Portugal e finalmente na Espanha, sob os cuidados da ditadura franquista.

Como foi o governo de Fulgêncio Batista?

→ Governo constitucional de Fulgêncio Batista

Em 1940, Fulgêncio Batista iniciou seu governo constitucional, após se eleito presidente na eleição que ocorreu no mesmo ano. Quando assumiu o poder, o mundo vivia a Segunda Guerra Mundial, e Fulgêncio Batista declarou guerra ao Eixo, aproximando-se dos Estados Unidos.

No seu primeiro governo Fulgêncio Batista tomou diversas medidas populistas, como aumentar por decreto o salário dos trabalhadores, criar direitos trabalhistas como uma multa para demissão e obrigar as usinas a garantir segurança para seus trabalhadores. Vale lembrar que a base da economia cubana era a indústria açucareira e que boa parte dela era controlada por empresas dos Estados Unidos.

Fulgêncio não tinha muita popularidade no final do seu governo, e o seu indicado à sucessão presidencial foi derrotado. Após deixar o governo, Fulgêncio Batista se mudou para a Flórida, onde ficou até o início da década de 1950.

→ Ditadura de Fulgêncio Batista

Em 1952, Fulgêncio Batista foi novamente candidato à presidência, mas as pesquisas indicavam que ele teria poucos votos e que deveria ficar em terceiro lugar na eleição. Apenas três meses antes da eleição, Fulgêncio Batista liderou um novo golpe de Estado, novamente um golpe militar.

Fulgêncio foi nomeado presidente provisório, mas com o apoio das Forças Armadas se tornou ditador na ilha. Ele suspendeu a Constituição do país (em vigor desde 1940), fechou o Congresso Nacional, suspendeu o direito de greve, retomou a pena de morte e suprimiu diversos direitos individuais. Ele também aumentou o salário dos policiais e dos militares de todo o país logo no início da sua ditadura.

O governo norte-americano apoiou política e financeiramente a ditadura de Fulgêncio, que se alinhou aos Estados Unidos na Guerra Fria e tratou de garantir o lucro das empresas norte-americanas no país.

Diversas greves e manifestações contrárias à ditadura de Fulgêncio ocorreram em Cuba a partir de 1953. Os opositores e todas as manifestações foram duramente reprimidos pelas forças policiais e militares de Fulgêncio. Em 1956, após diversos movimentos pela democracia terem ocorrido na Universidade de Havana, ela foi fechada pelo presidente.

Saiba mais: Che Guevara — quem foi e qual o seu papel na Revolução Cubana?

Revolução Cubana e a queda de Fulgêncio Batista

Em 1953, um estudante de direito chamado Fidel Castro liderou um ataque frustrado a um quartel do Exército, chamado de La Moncada. Quase metade dos 200 participantes do ataque morreram em combate, e o restante acabou preso no dia do ataque os nos dias posteriores.

Fidel Castro e seu irmão Raul Castro foram presos, julgados e condenados à prisão. Em 1955, após pressão interna e do exterior, Fulgêncio libertou Fidel e seu irmão, que se refugiaram no México.

No México, Castro e outros cubanos passaram a treinar militarmente para retornar a Cuba e tentar um golpe armado para derrubar Fulgêncio Batista. Em 1956, Fidel Castro partiu do México para Cuba em uma embarcação chamada Granma, com pouco mais de 80 homens.

O plano de Castro era que o barco chegasse em Cuba dois dias depois, iniciando o ataque no litoral. No mesmo momento forças rebeldes se levantariam em Havana, criando duas frentes de batalha simultâneas. Mas o barco enfrentou dificuldades para chegar a Cuba, e em Havana a revolta foi rapidamente reprimida pelas forças de Batista, sendo que alguns prisioneiros informaram o governo sobre o local onde os tripulantes do Granma iriam desembarcar.

Quando o Granma chegou ao litoral cubano, foi alvo da Força Aérea cubana e do Exército, e apenas uma dúzia de guerrilheiros sobreviveu e se reuniu na Sierra Maestra. Nessa serra eles iniciaram uma guerrilha, que gradativamente ganhou apoio popular. Com o passar do tempo, diversos grupos políticos passaram a apoiar a guerrilha de Fidel Castro. Muitos estudantes, intelectuais e trabalhadores cubanos aderiram à guerrilha, que passou a infligir diversas derrotas às tropas do governo.

Fidel Castro e seus homens na Sierra Maestra, em texto sobre Fulgêncio Batista.
Fidel Castro e seus homens na Sierra Maestra.

Em 1958 o governo dos Estados Unidos tirou o apoio à ditadura de Fulgêncio. No mesmo ano a guerrilha conseguiu dominar diversas cidades, além de controlar portos, rodovias e algumas cidades, o que desestabilizou ainda mais o governo de Fulgêncio.

Em dezembro de 1958, tropas revolucionárias comandadas pelo argentino Che Guevara derrotaram as tropas de Fulgêncio Batista em Santa Clara, importante cidade cubana. Ao perceber a derrota iminente, Fulgêncio Batista fugiu de Cuba e se exilou na República Dominicana.

Em 1º de janeiro de 1959, iniciou-se o governo revolucionário cubano. Em pouco tempo Fidel Castro passou a governar Cuba, deixando o poder somente em 2016, quando faleceu.

Morte de Fulgêncio Batista

Fulgêncio Batista faleceu na Espanha de causas naturais em 1973, sendo sepultado nesse país ao lado de sua segunda esposa. Ao todo ele teve oito filhos, os três primeiros com a primeira esposa e os outros cinco com a segunda.

Nota

|1| MCGILLIVRAY, Gillian. Ascensão e queda do populismo cubano 1934 – 1959. Universidade de Nova Iorque. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tem/a/pVc7Hq76dtRsZJh68j3zK8G/?lang=pt

Créditos da imagem

[1] Wikimedia Commons

Fontes

AYERBE, Luís Fernando. A Revolução Cubana. Editora UNESP, São Paulo, 2014.

FERRER, Ada. Cuba: an american history. Scribner Book Company, Nova Iorque, 2021.

Escritor do artigo
Escrito por: Jair Messias Ferreira Junior Pós-graduado em História pela Unicamp e professor da Educação Básica há mais de 20 anos. Também é formador de professores e produtor de materiais didáticos há mais de 10 anos.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

JUNIOR, Jair Messias Ferreira. "Fulgêncio Batista"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biografia/fulgencio-batista.htm. Acesso em 15 de abril de 2024.

De estudante para estudante


Artigos Relacionados


A Renúncia de Fidel Castro

Fatores que implicaram na renúncia de Fidel Castro.
História Geral

Crise dos mísseis de Cuba

Clique para saber mais detalhes a respeito da crise dos mísseis de Cuba. Entenda o contexto histórico desse acontecimento, como se iniciou e qual foi o seu desfecho.
História Geral

Democracia e Populismo

Uma combinação que agitou a política brasileira entre 1945 e 1964.
História do Brasil

Doutrina Monroe

Saiba quais motivos levaram os norte-americanos a anunciarem a Doutrina Monroe e compreenda as origens da política imperialista dos Estados Unidos.
História da América

Fidel Castro

Clique e acesse para saber mais sobre Fidel Castro. Conheça sua formação e trajetória que o levaram ao comando de Cuba. Confira como se deu sua saída do governo.
Biografia

Guerra Fria

Saiba mais sobre a Guerra Fria, conflito político-ideológico que polarizou o mundo e resultou em uma série de conflitos ao redor do planeta na 2ª metade do século XX.
História Geral

História de Cuba

História de Cuba, quer conhecê-la? Clique aqui!
História da América

Morte de Fidel Castro

Saiba qual é a importância que a morte de Fidel Castro pode ter em eventuais debates futuros, bem como em questões de vestibulares e do Enem.
História Geral

Populismo

A experiência política que se desenvolveu em diferentes pontos da América Latina.
História da América

Revolução Cubana

Entenda as causas e consequências da Revolução Cubana, processo revolucionário liderado por Fidel Castro que tinha como objetivo a derrubada de Fulgêncio Batista, ditador que governava Cuba desde 1952. Conheça os antecedentes e o contexto histórico desse acontecimento.
História Geral