Topo
pesquisar

Pedir para e pedir que – Pressupostos semânticos

Gramática

PUBLICIDADE

Antes de iniciarmos nosso estudos sobre as peculiaridades concernentes ao referido fato linguístico, analisaremos as ocorrências a seguir:

 

O aluno pediu para sair mais cedo em virtude de problemas pessoais.

O diretor pediu para que os funcionários atualizassem seus dados cadastrais.

Ambos os enunciados linguísticos fazem uso do verbo pedir, que analisado de acordo com sua transitividade, figura-se como transitivo direto e indireto. Tal dedução torna-se prática partindo do princípio de que:

Sempre pedimos algo a alguém, reforçada em uma finalidade – Peça permissão à secretária para usar o telefone.

Tais características, uma vez detectadas, resta-nos uma última análise: tratando-se da gramática tradicional, as combinações em evidência (pedir para e pedir que) encontram-se adequadas à mesma? Ou existe alguma particularidade a que se remetem? É o que iremos desvendar a seguir.

Como o emprego correto de determinadas expressões encontram-se diretamente ligadas ao contexto em que se inserem, a expressão “pedir para” só poderá ser empregada quando esta denotar licença, permissão, autorização. Conforme demonstra o exemplo em evidência:

Pedi para ausentar-me por alguns instante durante a reunião.
O garoto pediu para não ser expulso do colégio.

Em se tratando do segundo exemplo referente aos enunciados anteriores, retomemo-lo:

O diretor pediu para que os funcionários atualizassem seus dados cadastrais.

O uso da preposição “para” torna-se indevido na  medida em que não há no contexto o sentido de autorização ou permissão. Fato comprovado por meio dos seguintes excertos:

Pediram que eu ministrasse uma palestra naquele evento.
Os atletas pediram que o treinador fosse substituído.
O diretor pediu que os funcionários atualizassem seus dados cadastrais.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

 

Por Vânia Duarte
Graduada em Letras
Equipe Brasil Escola

Gramática - Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

DUARTE, Vânia Maria do Nascimento. "Pedir para e pedir que – Pressupostos semânticos "; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.brhttps://brasilescola.uol.com.br/gramatica/pedir-para-pedir-quepressupostos-semanticos.htm. Acesso em 21 de dezembro de 2020.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola