Topo
pesquisar

Joaquim Manoel Macedo

Literatura

O autor Joaquim Manoel Macedo estudou medicina, porém não exerceu a profissão. Ao todo, ele escreveu 20 romances, “A moreninha” é o mais famoso deles.
PUBLICIDADE

Joaquim Manoel Macedo nasceu em Itaboraí, Rio de Janeiro, em junho de 1820. Formou-se em Medicina pela Faculdade do Rio de Janeiro em 1844, contudo, não exerceu a profissão. Nesse último ano publicou seu primeiro romance: “A moreninha”, o qual foi muito bem criticado e quisto pelo público.

Joaquim Manoel Macedo foi muito versátil em sua vida profissional, exerceu diversas profissões: deputado, jornalista, poeta, pesquisador, dramaturgo, escritor de livros didáticos, professor de História e Geografia, além de romancista – ao todo vinte romances. Faleceu em abril de 1882, aos 62 anos, na cidade do Rio de Janeiro.

Foi severamente criticado por escrever de modo peculiar em relação aos autores romancistas. Sua linguagem literária se aproximava da popular, do coloquial, de um modo de escrever voltado à fala, fato esse que determinou o êxito do seu trabalho, já que os leitores não encontravam dificuldades na leitura de vocabulário comum e fácil.

A temática de seus livros é envolta em um clima de amor retratado por jovens personagens apaixonadas, estudantes galanteadores e finais felizes, após alguns desencontros. Além da linguagem, outra característica que também faz de seus romances notórios é o cenário escolhido. Suas personagens, de modo geral, são estereótipos (não há uma análise profunda de nenhuma) que se envolvem em histórias amorosas em ambientes conhecidos pela sociedade carioca.

A moreninha é seu romance mais conhecido, foi adaptado para o cinema, teatro e televisão, além de ser um dos mais lidos até hoje.

Obras: A moreninha (1844); O moço loiro (1845); Os dois amores (1848); Vicentina (1853); O forasteiro (1855); A carteira de meu tio (1855); Romances da semana (1861); O culto do dever (1865); Memórias do sobrinho do meu tio (1868), A luneta mágica (1869); As vítimas algozes (1869); O rio do quarto (1869); A namoradeira (1870); As mulheres de mantilha (1871); Um noivo e duas noivas (1871); Os quatro pontos cardeais e A misteriosa (1872); A baronesa do amor (1876).
Teatro: O fantasma branco (1856); O primo da Califórnia (1858).
Poesia: A nebulosa (1857).

Trecho da obra “A moreninha”

“E o mais é que nós estamos num sarau: inúmeros batéis conduziram da corte para a ilha de...senhoras e senhores, recomendáveis por caráter e qualidade: alegre, numerosa e escolhida sociedade enche a grande casa, que brilha e mostra em toda a parte borbulhar o prazer e o bom gosto.
Entre todas essas elegantes e agradáveis moças, que com aturado empenho se esforçam por ver qual delas vence em graças, encantos e donaires, certo que sobrepuja a travessa Moreninha, princesa daquela festa.”

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Sabrina Vilarinho
Graduada em Letras
Equipe Brasil Escola

Romantismo - A Prosa
O marco inicial do romance brasileiro e seus principais representantes.

Escritores - LiteraturaBrasil Escola

A moreninha – marco literário adaptado para cinema, televisão e teatro.
A moreninha – marco literário adaptado para cinema, televisão e teatro.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

VILARINHO, Sabrina. "Joaquim Manoel Macedo "; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/joaquim-manoel-macedo.htm. Acesso em 22 de novembro de 2019.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola