Fundo Menu
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Regência Una de Feijó

A Regência Feijó, período de forte pressão política
A Regência Feijó, período de forte pressão política
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

Atendendo as medidas previstas no Ato Adicional de 1834, foram feitas eleições para que um novo governo chegasse ao poder. Superando a concorrência liberal, Diogo Antônio Feijó tornou-se regente com um total de 2.826 votos. O baixo número de eleitores refletia a exclusão política e a falta de representatividade das instituições políticas da época.

Mesmo tendo alcançado a maioria dos votos, o governo de Feijó foi obrigado a resistir a diversas manifestações oposicionistas. Até mesmo os liberais moderados, aliados naturais de Feijó, acusavam o governo de tolerante e indeciso. Além disso, os problemas de saúde de Feijó colocavam em xeque a estabilidade governamental. Nesse mesmo período, o interesse em se desenvolver uma estrutura fundiária cafeeira, intensificou a participação das elites nos quadros políticos.

As tendências políticas daquela época agora se agrupavam entre progressistas, de tendência liberal, e os regressistas, partido de orientação conservadora formado pelos grandes donos de terra, comerciantes e funcionários públicos. No governo de Feijó, o dilema da representação política e da centralização de poderes abriu espaço para a deflagração de diferentes revoltas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

No ano de 1835, a ocorrência da Cabanagem no Pará e da Farroupilha no Rio Grande do Sul expressou a tensão entre os diferentes interesses políticos da época, Ao invés de dar abertura às tendências liberais, as conturbações do período fortaleceram as alas conservadoras que exigiam a estabilidade sócio-política necessária para satisfazer o interesse das elites agrárias do país.

Fisicamente incapacitado e desprovido de consistente apoio político, Feijó decidiu renunciar ao cargo de regente, em 1837. Antes de abandonar o cargo, ele nomeou o senador pernambucano Pedro de Araújo Lima como titular na pasta do Império. Ao tomar essa atitude, Feijó colocou Araújo Lima como substituto direto ao cargo de regente.

Por Rainer Sousa
Graduado em História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUSA, Rainer Gonçalves. "Regência Una de Feijó "; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/regencia-una-feijo.htm. Acesso em 12 de agosto de 2022.

De estudante para estudante


Quantas Constituições o Brasil já teve?

Por Brasil Escola
Responder
Ver respostas

Quem foi Tiradentes?

Por Brasil Escola
Responder
Ver respostas

PUBLICIDADE

Estude agora


Continente Americano: aspectos gerais e divisão territorial

Assista à nossa aula sobre o continente americano e conheça os aspectos marcantes da geografia desse território....

Como fazer ótimos títulos na redação?

Como é possível fazer bons títulos? Nesta aula, o professor Guga Valente vai apresentar ótimas ideias e dar dicas...