Resistência na Comuna de Paris

Guerras

PUBLICIDADE

A Comuna de Paris é considerada como a primeira experiência histórica de um governo operário. Entre os dias 18 de março e 28 de maio de 1871, a capital francesa foi governada por sua própria população, já que o governo oficial se encontrava em Versalhes.

Houve primeiro a administração realizada por um Comitê Central de prefeitos e pela Guarda Nacional, que passou, depois das eleições do dia 26 de março, a ser realizada por delegados eleitos pelos habitantes, sendo 25 operários dentre os 70 delegados que assumiram as funções.

A Comuna de Paris foi formada no contexto da derrota francesa na Guerra Franco-Prussiana, entre 1870 e 1871. Após a derrota para as tropas de Otto von Bismarck na Batalha de Sedan e o cerco dos prussianos à capital francesa, a Guarda Nacional, que estava em vários distritos parisienses, e a população da cidade decidiram formar um governo com o intuito de proteger a cidade da invasão prussiana. O governo localizado em Versalhes havia assinado um armistício com a Prússia, mas uma das condições era o desarmamento da capital.

Em 18 de março de 1871, já sob o comando de Adolphe Thiers, o governo localizado em Versalhes tentou retirar os canhões e a artilharia pesada que se encontravam em poder da Guarda Nacional, em Paris, nos bairros de Montmartre e Belleville. A Guarda Nacional havia formado dias antes um Comitê Central que garantia autonomia de funcionamento frente ao governo francês. A tentativa de retirada dos canhões levou a Guarda Nacional e a população a enfrentarem os cerca de 15 mil homens enviados por Thiers. Ao encontrarem a resistência da população, os soldados passaram a confraternizar com a população, malogrando a tentativa de retomada das peças de artilharia. Dois oficiais responsáveis pela campanha militar foram executados. Era o início da Comuna de Paris.

O Comitê Central da Guarda Nacional havia abolido o estado de sítio e suprimido os tribunais militares, decretando ainda anistia aos presos políticos e libertando-os. Após a eleição de 26 de março, os delegados da Comuna de Paris organizaram-se em dez comissões responsáveis pela administração da cidade, dentre elas a Comissão da Guerra.

O objetivo era repelir os ataques das tropas enviadas de Versalhes, que contavam ainda com o apoio de batalhões prussianos, para restabelecer a ordem. Tal medida indicava também a preocupação dos governos dos dois países em debelar a experiência dos trabalhadores parisienses, já que a iniciativa poderia estimular ações comuns em outros locais da Europa.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Em 30 de março, tiveram início os ataques a Paris e a tomada do município vizinho de Courbevoie. Um primeiro enfrentamento entre as duas forças ocorreu em 02 de abril, resultando em derrota dos communards (como eram conhecidos os participantes da Comuna) e no fuzilamento dos prisioneiros. A notícia agitou Paris e fez com que uma investida fosse tentada contra Versalhes, o que acarretou nova derrota.

Uma fase de bombardeamentos a distância tomou o lugar do enfrentamento direto. Os canhões que os communards recusaram-se a entregar foram colocados em pontos estratégicos da capital. A partir de finais de abril, as tropas versalhesas passaram a ganhar posições, como Les Moulineaux, as fortificações de Moulin-Saquet e Issy, Clamart e Vanves. Foi ainda formado um Comitê de Salvação Pública com o objetivo de centralizar as decisões da Comuna de Paris, o que para seus idealizadores fortaleceria a resistência. Entretanto, tal situação não foi verificada.

As tropas de Versalhes conseguiram entrar na cidade em 20 de maio após transporem um dos portões que davam acesso a Paris. Estima-se que 130 mil homens começaram a penetrar na cidade para subjugar a resistência. Todos os cidadãos foram chamados a defender a cidade com armas nas mãos. Entre 22 e 28 de maio ocorreram os últimos enfrentamentos, na chamada “Semana Sangrenta”.

Várias barricadas foram erguidas pelas ruas da cidade para impedir o avanço dos inimigos. Os edifícios eram incendiados para dificultar a ação das tropas de Thiers. Porém, tais medidas não foram suficientes para conter a ofensiva. A Comuna de Paris caiu no dia 28 de maio de 1871, após a derrota da barricada em Faubourg du Temple. Cerca de 4 mil communards tombaram nas batalhas e mais de 20 mil foram fuzilados. Outros 15 mil ainda foram presos e/ou deportados.


Por Me. Tales Pinto

Barricada da Comuna de Paris, construída na rue de la Bonne Montmartre
Barricada da Comuna de Paris, construída na rue de la Bonne Montmartre

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PINTO, Tales dos Santos. "Resistência na Comuna de Paris"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/guerras/resistencia-na-comuna-paris.htm. Acesso em 28 de novembro de 2020.