A Queda da Bastilha

Guerras

PUBLICIDADE
No ano de 1789, a França vivia uma grande agitação política. Populares e burgueses pressionavam o governo real a extinguirem os privilégios das classes nobiliárquicas e clericais. Durante a convocação dos Estados Gerais, que poderia reformar as leis do país, os membros da burguesia insistiam na mudança do sistema de votação. Ao invés do “voto por Estado”, os burgueses defendiam a utilização do “voto por cabeça”.

Não suportando as pressões políticas do Terceiro Estado, o rei Luis XVI aceitou a organização de uma Assembleia Nacional que votaria uma nova constituição. Com isso, a hegemonia política tradicionalmente controlada por nobres e clérigos seria superada por propostas liberais influenciadas pelo iluminismo. Contudo, acuado pela situação, o monarca francês demitiu o ministro Jacques Necker, que apoiava as reformas burguesas.

A notícia da demissão foi o estopim para que as massas da cidade de Paris organizassem uma revolta contra a ordem vigente. No dia 14 de julho de 1789, uma grande aglomeração de populares cercou as proximidades da Bastilha, fortaleza utilizada pelo governo real para o aprisionamento de seus inimigos e o armazenamento das armas. A princípio, os envolvidos na manifestação desejavam somente tomar as armas e munições ali disponíveis.

A invasão da Bastilha era uma tarefa quase que impossível. Composta por oito torres e paredes com quase três metros de espessura, a enorme construção era um dos mais imponentes símbolos da autoridade real francesa. Com cerca de trinta metros de altura, a prisão era protegida por duas pontes levadiças. A ponte que dava acesso ao prédio era rodeada por um enorme fosso de vinte e cinco metros por onde passavam as águas do rio Sena.

Segundo algumas estimativas, a prisão recebia uma média anual de quarenta criminosos detidos, sem julgamento, pelas ordens expressas do rei. As celas não seguiam um padrão fixo. Enquanto algumas se resumiam a um cubículo onde só se poderia ficar em pé, outras contavam com camas e outros mobiliários. No dia da invasão, havia quatro falsários, um nobre e dois loucos presos. O restante da população era composto por uma centena de militares franceses e suíços.

Tentando aquietar os ânimos dos revoltosos, o marquês de Launay, diretor da prisão, convidou os líderes do levante para almoçarem. Contudo, a espera e a falta de uma resposta imediata somente prestaram para que a população ficasse ainda mais insatisfeita. Os mais agitados pegaram machados para romper as correntes dos portões externos da Bastilha. De repente, o estampido de um tiro levou ao confronto direto entre os populares e os oficiais.

No fim daquela tarde, não mais suportando a pressão, Launay abaixou a ponte-levadiça e permitiu a entrada dos populares. O desafortunado diretor acabou sendo alvo da fúria dos revoltosos ao ter a sua cabeça cortada e exposta na ponta de uma lança pelas ruas de Paris. Todos os prisioneiros foram libertados e os manifestantes se apropriaram de todo o arsenal bélico da Bastilha.

Ao fim dos confrontos, um guarda e aproximadamente cem manifestantes acabaram morrendo. A tomada deste símbolo do poder imperial francês só acabou cinco meses mais tarde, quando, já sob o controle revolucionário, o governo francês estipulou a demolição da Bastilha. Em 1880, esta célebre data passou a ser comemorada como feriado nacional. Atualmente, uma placa indicativa sugere o local onde, um dia, os inimigos do Antigo Regime ficavam presos.


Por Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola


Século XVI a XIX - Guerras - Brasil Escola

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
A queda do ministro Jacques Necker foi o estopim para que os franceses invadissem a Bastilha.
A queda do ministro Jacques Necker foi o estopim para que os franceses invadissem a Bastilha.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUSA, Rainer Gonçalves. "A Queda da Bastilha"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/guerras/a-queda-bastilha.htm. Acesso em 28 de novembro de 2020.