Topo
pesquisar

Os efeitos do sol para a pele

Doenças e patologias

Nossa pele é constituída por tecido epitelial, um tecido cujas células são firmemente unidas para promover proteção contra agentes externos.
PUBLICIDADE

O corpo humano é constituído por diversos tipos de tecido e a nossa pele, especificamente, é formada pelo tecido epitelial. Para ficarmos mais bem informados sobre esse tipo de tecido, vamos conhecer mais algumas características sobre ele.

O tecido epitelial é classificado em dois tipos, o epitélio glandular, também chamado por alguns autores de epitélio de secreção, e o epitélio de revestimento. O epitélio glandular forma as glândulas, estruturas especializadas na produção de substâncias úteis ao organismo, como a tireoide, glândulas mamárias, suprarrenais etc. Já o epitélio de revestimento é aquele que recobre todo o nosso corpo, ou seja, a nossa pele, que é formada por duas camadas chamadas respectivamente de epiderme e derme.

A epiderme é a camada mais externa da pele e é formada por células muito unidas entre si, que conferem a ela proteção contra micro-organismos e também contra atrito. A camada logo abaixo da epiderme é a derme e é nela que encontramos as terminações nervosas, as glândulas, entre outras estruturas. As células da nossa pele são renovadas constantemente a cada trinta dias.

Como vimos, nossa pele é um órgão que deve ser tratado com muito cuidado, pois além de revestir todo o nosso corpo, ainda é a principal barreira contra micro-organismos. Um dos principais cuidados que temos que ter com nossa pele é com o sol, que emite radiações que trazem diversos prejuízos à nossa pele.

O sol, por emitir radiações infravermelhas e ultravioletas (UVA e UVB), torna-se um inimigo quando utilizado de forma errada, mas não podemos nos esquecer de que o nosso organismo precisa das radiações solares para ativar algumas reações.

A exposição ao sol não deve ocorrer no período entre as 10 e 16 horas, pois é nesse horário que as radiações ultravioletas são mais intensas, e, portanto, são mais prejudiciais à pele.

A exposição excessiva ao sol nos horários não recomendados pode ter consequências desastrosas como eritemas(vermelhidão na pele), queimaduras, manchas como sardas e pintas que podem evoluir para um câncer de pele, que é o tipo de câncer mais comum.

Como vivemos em um país cuja latitude beneficia a incidência de radiação solar, devemos sempre estar atentos para alguns cuidados a serem tomados, como:

● Ao se expor ao sol, utilize chapéu e óculos escuros certificados;

● Sempre que sair de casa, mesmo nos dias nublados, passe protetor solar com fator de proteção (FPS) 15 no mínimo;

● Se for praticar atividades ao ar livre, proteja-se do sol com o uso do protetor solar, que deverá ser reaplicado a cada 2 horas;

● Evite se expor ao sol nos horários entre 10 e 16 horas;

● Quando estiver na praia ou na piscina, não se exponha ao sol nos horários não recomendados e lembre-se de que, mesmo à sombra, é importante o uso de filtro solar, pois a areia e a água refletem a luz, causando queimaduras mesmo na sombra.

O sol é extremamente importante em nossas vidas, pois além de melhorar a nossa disposição e o nosso humor, participa da síntese de vitamina D, da manutenção dos ritmos circadianos, entre outros. Por isso, não se prive do sol, apenas use com moderação.


Por Paula Louredo
Graduada em Biologia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

MORAES, Paula Louredo. "Os efeitos do sol para a pele"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/doencas/pele-sol.htm>. Acesso em 26 de maio de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA