Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Espelho investigativo

Química

Qual o segredo na composição dos espelhos monitores?
Qual o segredo na composição dos espelhos monitores?
PUBLICIDADE

Espelho, espelho meu... existe alguém por detrás a investigar quem sou eu? Esta é uma pergunta que deveríamos fazer ao passarmos diante de vidros espelhados em aeroportos e áreas monitoradas.

Agora resta saber como é feito este espelho espião e mais uma vez provar como a química é útil para nosso bem estar.

O que torna um vidro útil para investigar?

Uma fina película obtida com ligas de alumínio é anexada ao vidro com o intuito de refletir a imagem. Mas por que somente quem está a monitorar pode visualizar quem está passando frente ao espelho? A película reflete parte da luz e retém uma fração, e neste momento é possível contar com um jogo de luzes. O local onde transita os suspeitos deve contar com maior iluminação do que o observatório, o vidro se torna espelhado no ponto com maior incidência de luz.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Sendo assim, as pessoas que passam em frente só conseguem visualizar elas mesmas, não enxergando o que está do outro lado. Ou seja, este tipo de vidro não permite que vejamos além dele: um ponto estratégico da vigilância para que os suspeitos não disfarcem sua identidade.

Os espelhos monitores são muito úteis na investigação criminal, no que diz respeito ao reconhecimento de agressores por parte das vítimas. Os suspeitos do crime são posicionados em frente ao espelho, a vítima observa do outro lado sem que possa ser vista.

Portanto, fique atento quando visitar um local de segurança máxima, enquanto realiza a irresistível ação de se olhar no espelho pode estar sendo observado por várias pessoas. É um verdadeiro clima de suspense!

Por Líria Alves
Graduada em Química

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Líria Alves de. "Espelho investigativo"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/quimica/espelho-investigativo.htm. Acesso em 30 de novembro de 2021.