Topo
pesquisar

Cyberpunk

Informática

Os Cyberpunk trazem uma visão de contracultura, ou seja, fogem dos padrões impostos na intenção de obter novos espaços para expressão
Visão contracultura
Visão contracultura
PUBLICIDADE

Cyberpunk, palavra originada a partir da cibernética, traz uma visão de universo underground da sociedade, ou seja, visão de contracultura, pois foge dos padrões impostos na intenção de obter novos espaços para expressão. É um gênero da ficção científica notado a partir de seu foco, baixo custo de vida e alta tecnologia.

O termo foi utilizado pela primeira vez em 1983 por Bruce Bethke, escritor norte-americano, mas rapidamente foi acolhido aos trabalhos de outros escritores como: William Gibson, Bruce Sterling, John Shirley, Rudy Rucker, Michael Swanwick, Pat Cadigan, Lewis Shiner, Richard Kadrey dentre outros.

É importante ressaltar que o escritor que obteve destaque nessa ficção foi William Gibson em Neuromancer – romance lançado em 1984, vencedor da ficção científica “tríplice coroa” do Prêmio Nebula.

A partir de vários estudiosos no assunto, o cyberpunk passou a ser uma visão de mundo, uma forma de vivenciar o conflito da realidade potencializada através do que era percebido apenas na literatura. O ver (despertar) além do corpo e da mente, a tecnologia idealizada a tempos, sendo implantada à realidade, a obtenção da informação livre para todos, o uso de tecnologias do ciberespaço.

O cyberpunk, como indivíduo, não se preocupa com o futuro, com as tecnologias que serão implantadas e sim com o agora. O ciberespaço é traduzido no instante em que é vivido, quer seja no âmbito político, urbano ou tecnológico.

Como dito anteriormente, os cyberpunks contrariam os padrões impostos pela sociedade; pela forma que se expressam, são taxados como indivíduos rebeldes e vândalos. A maioria dos cyberpunks apresenta as características listadas abaixo:

- Pessoas extremamente inteligentes a ponto de aprender sem o auxílio de terceiros,
- Gostam de músicas eletrônicas,
- Gostam de jogos em rede,
- Apreciam a eletrônica,
- Apreciam a ficção científica,
- Utilizam sistemas operacionais de código aberto,
- Não se apegam a estilos como de roupas e danças,
- São chamados de crackers, hackers, phreakers, otalcus e zippies, porém não são.

Por Gabriela Cabral

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

DANTAS, Gabriela Cabral da Silva. "Cyberpunk"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/informatica/cyberpunk.htm>. Acesso em 24 de setembro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA