Fome no mundo

Os conflitos e as guerras estão entre as principais causas da fome no mundo. Hoje, mais de 800 milhões de pessoas convivem com esse problema, especialmente na África e Ásia.

A fome no mundo afeta hoje 811 milhões de pessoas, concentrando-se principalmente nos continentes africano e asiático. Essa condição é caracterizada pela falta de nutrientes essenciais para a manutenção do organismo e é causada por diversos fatores, como a pobreza, as desigualdades sociais, as crises econômicas, os conflitos e guerras civis e internacionais, além de ser intensificada pela crise climática e fenômenos como secas severas e inundações. As consequências da fome no mundo vão desde a subnutrição até a morte por desnutrição nos casos de maior gravidade.

Leia também: Os 10 países mais pobres do mundo

Resumo sobre a fome no mundo

O que é fome?

A fome é definida pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, na sigla em inglês) como a dor ou desconforto que decorre do consumo insuficiente de nutrientes responsáveis pelo fornecimento de energia ao corpo humano. Ela é compreendida também como um fenômeno que acomete uma parte da sociedade e tem as suas causas associadas a questões econômicas, sociais, políticas e de organização espacial, além de apresentar dimensões naturais relacionadas ao clima e aos recursos naturais.

Causas da fome no mundo

A desigualdade socioeconômica é uma das principais causas da fome. Esse aspecto é característico do sistema econômico vigente em praticamente todos os países, sendo marcado pela enorme discrepância entre a renda e a qualidade de vida da parcela mais abastada da população e da parcela mais pobre, que forma um grupo maior de pessoas. Associada às desigualdades socioeconômicas está a pobreza e a insegurança alimentar em todos os níveis, sendo a fome considerada insegurança alimentar severa.

 Favela de Paraisópolis ao lado de prédio de luxo em São Paulo, um retrato emblemático da desigualdade.
A desigualdade social é uma das principais causas da fome no Brasil e no mundo.

Além da má distribuição da renda, a distribuição desigual de alimentos pelo mundo faz com que haja escassez em muitas áreas. Soma-se a isso outras questões, como o desperdício e o modelo de produção agroexportador vigente em diversos países, como no Brasil, os quais enviam boa parte do que é cultivado para o processamento em outros territórios, que, em alguns casos, destinarão esses produtos a outros fins que não a alimentação direta (produção de óleos e ração animal, por exemplo).

Crises políticas, econômicas e sanitárias (como pandemias) também aprofundam os problemas sociais que são responsáveis por ampliar o número de pessoas em situação de insegurança alimentar grave, como a redução da renda e do poder de compra da população e o desemprego.

As guerras civis e até mesmo conflitos internacionais estão também na causa da fome, direta ou indiretamente, como na destruição de áreas plantadas e da infraestrutura produtiva, na flutuação de preços dos alimentos internacionalmente, no impedimento dos fluxos de comércio internacional, dentre outros fatores. De acordo com o Índice Global da Fome (GHI, na sigla em inglês), os conflitos foram e continuam sendo os principais causadores da fome no mundo.

A concentração de terras e de recursos naturais e o manejo impróprio desses recursos podem também ocasionar ou aprofundar a fome no mundo. Esses são apenas alguns dos motivos que estão por trás da fome no mundo atual, existindo diversos outros que nos auxiliam a entender a origem do fenômeno.

É importante ressaltar que a fome não é causada somente por fatores antrópicos. Existem fenômenos e condições naturais que também resultam na escassez de alimentos e ampliam o problema. Dentre eles, citamos os seguintes:

Leia também: Falta de água e segurança alimentar

Ranking da fome no mundo

O relatório mais recente da FAO sobre a segurança alimentar e a fome no mundo mostram que pouco mais da metade das 811 milhões de pessoas que sofrem com a escassez de alimentos no planeta vive no continente asiático, o que equivale a 418 milhões de indivíduos ou 9% da população local. Na África, cerca de 21% da população vive diariamente com a insegurança alimentar grave, o que corresponde a 282 milhões de pessoas, cerca de um terço da população faminta do mundo. Outros 9,1% dessa população estão concentrados na América Latina e Caribe.|1|

Levando em consideração a fome por país, apresentamos abaixo o ranking dos 10 países em que esse problema aparece de forma mais alarmante, de acordo com o Índice Global da Fome|2|. Com exceção da Síria e do Iêmen, os demais são países situados no continente africano.

Tipos de fome no mundo

São identificados três tipos diferentes de fome no mundo. Apresentamos abaixo uma breve descrição de cada um deles.|3|

História da fome no mundo

A fome é uma condição que está presente no mundo desde a implementação da agricultura e da criação de animais para a alimentação, variando em escala e em intensidade de acordo com o país e suas respectivas condições locais (conflitos, população, renda, demanda por alimentos) e com os eventos históricos em curso.

Em períodos que precederam o advento do capitalismo e da comercialização das lavouras, muitos países já sofriam com a fome decorrente de condições climáticas adversas, como as secas severas que acometeram países da África, especialmente na região que era conhecida como Alto Egito, das Américas e da Ásia. Os efeitos adversos de mudanças climáticas localizadas ocasionaram um período de perda de lavouras e fome na Europa do século XVI devido ao frio intenso, o que ficou conhecido como Pequena Era do Gelo.

O aperfeiçoamento das técnicas produtivas e a comercialização da produção agrícola a partir dos séculos XVI e XVII permitiram a redução da fome em algumas áreas da Europa, mas, em contrapartida, os processos de colonização e neocolonialismo do século XIX, assim como a escalada de conflitos locais, ampliaram a dimensão desse fenômeno em outras regiões do planeta, como foi o caso também do continente africano e do continente asiático.

Crises de grande escala, como a crise econômica de 1929, que teve início nos Estados Unidos, e ambas as Guerras Mundiais, que aconteceram na primeira metade do século XX, ocasionaram períodos de escassez nos continentes americano e europeu, acometendo principalmente as camadas mais pobres da população.

Transformações políticas internas, crises conjunturais localizadas e conflitos civis foram as causas de muitos períodos de fome que vitimaram pessoas em países asiáticos e africanos durante a segunda metade do século XX. Além dos fatores expostos anteriormente, a fome no mundo tem se intensificado em decorrência de crises sanitárias e também de mudanças climáticas, que transformaram o padrão dos fenômenos atmosféricos, tornando eventos antes raros (secas intensas, grandes tempestades, inundações) cada vez mais frequentes.

Os esforços para o combate à fome no mundo tiveram início após o final da Segunda Guerra Mundial, com a criação da Organização das Nações Unidas (ONU) e das suas agências especializadas que lidam diretamente com o problema em diversos países. Hoje, além da ONU, muitas organizações não governamentais lidam com a questão da fome em escala nacional e regional.

Fome no Brasil

A fome é uma realidade no Brasil e afeta, hoje, 33,1 milhões de pessoas. Esse valor corresponde a 15,5% de toda a população do país. A maior parcela da população que convive diariamente com a escassez de alimentos está localizada nas regiões Norte e Nordeste, onde cerca de 40% das famílias apresenta insegurança alimentar grave ou moderada.|4|

As causas da fome no território nacional são várias, dentre as quais podemos citar a pobreza e as desigualdades sociais, a distribuição desigual de alimentos, a flutuação dos preços dos alimentos e o menor número de políticas públicas voltadas ao combate à fome. Mais recentemente, a pandemia de covid-19 aprofundou os problemas socioeconômicos do país, levando a um agravamento da insegurança alimentar.

Confira no nosso podcast: Insegurança alimentar no Brasil

Consequências da fome no mundo

A fome apresenta consequências graves para a saúde dos indivíduos. Dentre os efeitos da fome e da privação de alimentos podemos citar a deficiência de vitaminas, a subnutrição e a desnutrição, caracterizada pela falta de nutrientes essenciais para a manutenção das funções do corpo humano. Essa condição pode comprometer o organismo e facilitar a ocorrência de outras doenças pela redução da imunidade, além de afetar a saúde mental e o desenvolvimento de crianças e recém-nascidos. Nos casos mais severos, a desnutrição impede a absorção de nutrientes e pode também levar o indivíduo à morte, sendo essa a consequência mais grave da fome no mundo.

Notas

|1| FAO. The State of Food Security and Nutrition in the World 2021: Transforming food systems for food security, improved nutrition and affordable healthy diets for all. Rome, Italy: FAO, 2021. Disponível aqui.

|2| GLOBAL HUNGER INDEX. Global Hunger Index Scores by 2021 GHI Rank. GHI, [2021]. Disponível aqui.

|3| WELTHUNGERHILFE. Hunger: Facts and Figures. Welthungerhilfe, 29 abr. 2022. Disponível aqui.

|4| REDE PENSSAN. 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil. Rede PENSSAN, 2022. Disponível aqui.

 

Por Paloma Guitarrara
Professora de Geografia


Fonte: Brasil Escola - https://brasilescola.uol.com.br/geografia/a-fome-no-mundo-atual.htm