Prosa

A prosa é um conceito que se refere tanto ao formato quanto ao conteúdo de um texto.

Prosa é um conceito que se refere tanto à forma quanto ao conteúdo de um texto. Um texto com formato de prosa apresenta linhas que constituem um ou mais parágrafos. Um texto com conteúdo de prosa é mais objetivo e denotativo em comparação com o conteúdo poético, que é mais subjetivo e conotativo.

Veja também: Epopeia — um tipo de texto que mistura as formas lírica e narrativa

Resumo sobre prosa

O que é prosa?

Quando falamos em “prosa”, podemos estar nos referindo a um conteúdo de prosa ou a um formato de prosa. O conteúdo de prosa é aquele que se opõe ao da poesia, ou seja, é mais objetivo. Já o formato de prosa faz oposição ao do poema. Afinal, um poema é escrito em versos enquanto a prosa se compõe de linhas e não de versos. Veja:

Eu pintava os vidros das janelas com esses arabescos coloridos das tintas que saio às vezes para comprar. A casa é um pequeno sobrado, com poucas vidraças, numa ruazinha toda feita de sobrados pequenos apertados entre outros sobrados pequenos, portanto não há muitas vidraças, já que os dois lados estão inteiramente comprimidos entre duas outras casas.|1|

Características da prosa

Na Literatura, a prosa está associada à narrativa. Portanto, possui:

Já os textos não literários em prosa usam uma linguagem objetiva e denotativa, pois buscam clareza na exposição de fatos ou na defesa de ideias.

Tipos de prosa

→ Prosa narrativa

A prosa narrativa é desenvolvida pelos seguintes gêneros textuais:

Como exemplo de poema narrativo, vamos ler este trecho do poema épico O Uraguai, de Basílio da Gama:

[…]

Tece o emaranhadíssimo arvoredo

Verdes, irregulares, e torcidas

Ruas e praças, de uma e de outra banda

Cruzadas de canoas. Tais podemos

Co’a mistura das luzes, e das sombras

Ver por meio de um vidro transplantados

Ao seio de Ádria os nobres edifícios,

E os jardins, que produz outro elemento.

E batidas do remo, e navegáveis

As ruas da marítima Veneza.

Duas vezes a lua prateada

Curvou no céu sereno os alvos cornos,

E inda continuava a grossa enchente.

Tudo nos falta no país deserto.|2|

[…]

→ Prosa expositivo-argumentativa

Já a prosa expositivo-argumentativa é elaborada por meio destes gêneros de texto:

Vejamos, como exemplo, o trecho da crônica argumentativa O amor deixa muito a desejar, de Arnaldo Jabor:

A publicidade devastou o amor, falando na “gasolina que eu amo”, no sabonete que faz amar, na cerveja que seduz. Há uma obscenidade flutuando no ar o tempo todo, uma propaganda difusa do sexo impossível de cumprir. [...] O amor vive da incompletude e esse vazio justifica a poesia da entrega. Ser impossível é sua grande beleza. Claro que o amor é também feito de egoísmos, de narcisismos mas, ainda assim, ele busca uma grandeza — mesmo no crime de amor há um terrível sonho de plenitude. Amar exige coragem e hoje somos todos covardes.|3|

Veja também: Texto dissertativo-argumentativo — texto em prosa muito presente em concursos e vestibulares

Prosa x poesia

Prosa e poesia se diferenciam não pela estrutura do texto, mas pelo seu conteúdo. Portanto, é possível uma prosa escrita em versos, como também é possível uma poesia escrita em prosa. Isso porque “prosa” pode indicar tanto características de conteúdo quanto estruturais.

Se falamos em um texto com forma de prosa, estamos dizendo que ele não é escrito em versos, mas em linhas que formam parágrafos. Já a poesia não apresenta uma forma, pois o conceito de poesia está associado a características do conteúdo do texto. Apesar de a poesia geralmente ser apresentada na forma de um poema, não é uma regra. Daí nos interessa o segundo conceito de “prosa”, aquele associado a características do conteúdo textual.

Vejamos as principais diferenças entre o conteúdo de prosa e o conteúdo poético:

Características da prosa e da poesia

Prosa

Poesia

Linguagem mais objetiva

Linguagem mais subjetiva

Presença de um narrador

Presença de um eu lírico

Texto mais denotativo

Texto mais conotativo

Maior clareza

Maior ambiguidade

Menor estranheza

Maior estranheza


Assim, é possível haver poesia escrita em forma de verso, mas também poesia escrita em forma de prosa, como neste trecho do texto de Cruz e Sousa intitulado “Ocaso no mar”:

Num fulgor d’ouro velho, o sol tranquilamente desce para o ocaso, no limite extremo do mar, d’águas calmas, serenas, dum espesso verde pesado, glauco, num tom de bronze.

No céu, de um desmaiado azul, ainda claro, há uma doce suavidade astral e religiosa.

Às derradeiras cintilações doiradas do nobre Astro do dia, os navios, com o maravilhoso aspecto das mastreações, na quietação das ondas, parecem estar em êxtase na tarde.

Num esmalte de gravura, os mastros, com as vergas altas lembrando, na distância, esguios caracteres de música, pautam o fundo do horizonte límpido.|4| (grifos nossos)

Notas

|1| GAMA, Basílio da. O Uraguai. Disponível aqui.

|2| JABOR, Arnaldo. O amor deixa muito a desejar. In: ______. Amor é prosa, sexo é poesia. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

|3| CRUZ E SOUSA. Missal. In: PÉREZ, José (Org.). Cruz e Sousa: prosa. 2. ed. São Paulo: Cultura, 1945.

|4| ABREU, Caio Fernando. O marinheiro. In: ______. Triângulo das águas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

 

Por Warley Souza
Professor de Literatura


Fonte: Brasil Escola - https://brasilescola.uol.com.br/literatura/prosa.htm