Noradrenalina

A noradrenalina é uma catecolamina produzida pela medula suprarrenal e também pelo sistema nervoso, atuando nesse último caso como neurotransmissor.

A noradrenalina é uma catecolamina, ou seja, faz parte de um grupo de hormônios amina sintetizados a partir do aminoácido tirosina. É produzida pela medula suprarrenal e atua em situações de estresse de curta duração. Também é sintetizada no sistema nervoso e, nesse caso, atua como um neurotransmissor, exercendo papel excitatório no sistema nervoso autônomo.

Vale destacar que a noradrenalina, junto com outros neurotransmissores, parece estar associada com problemas como a depressão e a mania. A depressão está ligada a um deficit desses neurotransmissores, e a mania, com seu excesso.

Leia também: Depressão — por que essa doença é tão grave?

O que é a noradrenalina?

A noradrenalina, também chamada de norepinefrina, é um hormônio da família das catecolaminas e precursor da adrenalina. Ela é sintetizada na medula suprarrenal em resposta ao estresse de curta duração, como uma situação de perigo ou prazer. Vale destacar ainda que a noradrenalina é também produzida no sistema nervoso, sendo, nesse caso, um neurotransmissor.

Qual é a função da noradrenalina?

A noradrenalina apresenta diferentes funções, atuando, por exemplo:

Tanto a glicose quanto os ácidos graxos podem ser usados pelas células na produção de energia.

A noradrenalina é produzida pela medula suprarrenal e também pelo sistema nervoso.
A noradrenalina é produzida pela medula suprarrenal e também pelo sistema nervoso.

A noradrenalina atua ainda promovendo uma maior taxa de fornecimento de oxigênio para as células, uma vez que atua na dilação do bronquíolos e aumento dos batimentos cardíacos. Possui também a capacidade de elevar a pressão sanguínea por meio da vasoconstrição periférica generalizada. Ela está também relacionada com a memória.

Leia também: Dopamina — neurotransmissor ligado ao humor e ao prazer

Qual a relação entre a noradrenalina e a adrenalina?

A noradrenalina é o precursor da adrenalina, sendo ambas catecolaminas. Em resposta ao estresse de curta duração, tanto a adrenalina como a noradrenalina são sintetizadas pela medula suprarrenal. Nessas situações, esses hormônios atuam, por exemplo, promovendo a quebra do glicogênio em glicose, aumentando a taxa de respiração, elevando a pressão sanguínea e também a taxa metabólica.

A noradrenalina possui efeito primário no controle da pressão arterial, enquanto a adrenalina possui um efeito mais forte nas taxas metabólicas e no coração. Tanto a noradrenalina quanto a adrenalina são também produzidas no sistema nervoso, atuando nesse local como neurotransmissores. Vale salientar ainda que a adrenalina e a noradrenalina possuem uso terapêutico. A adrenalina é usada, por exemplo, como estimulante cardíaco, e a noradrenalina, no tratamento de choque séptico.

Para que serve a noradrenalina na UTI?

A noradrenalina atua como hormônio e como neurotransmissor em nosso organismo.
A noradrenalina atua como hormônio e como neurotransmissor em nosso organismo.

A noradrenalina é uma substância que apresenta várias indicações terapêuticas. Graças ao seu efeito vasopressor (promove a constrição da musculatura dos vasos sanguíneos, o que aumenta a pressão sanguínea), ela é usada, por exemplo, no tratamento de choque séptico, uma condição de saúde grave que ocorre em decorrência da sepse e que pode levar o paciente à morte. Nessas situações, a noradrenalina atua elevando a pressão em pacientes hipotensos. Essa substância é também utilizada em manobras de ressuscitação cardiopulmonar em virtude de seu papel vasoconstritor.

Leia também: Infarto — uma das principais causas de morte em nosso país

Qual a relação entre a noradrenalina e a depressão?

A depressão é um problema de saúde extremamente grave que apresenta como alguns de seus sintomas o humor depressivo, falta de motivação, pessimismo e diminuição do prazer em atividades que anteriormente causavam alegria. A depressão está relacionada, entre outros fatores, com alterações nos nossos neurotransmissores, como serotonina, dopamina e noradrenalina. Nos pacientes com sintomas depressivos, observa-se uma diminuição desses hormônios na fenda sináptica.

Vale destacar que não só a redução dos níveis de neurotransmissores é prejudicial. O aumento da noradrenalina, por exemplo, também pode causar problemas. Uma das hipóteses para o desenvolvimento da mania seria um excesso de neurotransmissores como a serotonina, dopamina e noradrenalina. Na mania, diferentemente da depressão, o paciente apresenta humor expansivo ou eufórico, tem elevação de energia, inquietação e aumento da realização de atividades, como o início de vários projetos. A mania é uma das formas típicas do transtorno bipolar.

É importante deixar claro que a depressão e a mania são problemas que necessitam de ajuda médica. Não hesite em procurar auxílio profissional nesses casos!

 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia


Fonte: Brasil Escola - https://brasilescola.uol.com.br/biologia/noradrenalina.htm