Alzheimer

Alzheimer é uma doença degenerativa que possui como sintoma mais conhecido a perda de memória. Em estágios avançados, o indivíduo depende continuamente de outra pessoa.

Alzheimer, também chamado de doença de Alzheimer e mal de Alzheimer, é uma doença que não apresenta cura e manifesta-se com alterações cognitivas, de memória e também distúrbios comportamentais, como depressão e alucinações. É uma doença degenerativa e acomete, principalmente, pessoas com idade mais elevada, afetando cerca de 10% dos indivíduos com idade superior a 65 anos e 40% dos indivíduos com idade acima de 80. Quando ocorre em indivíduos com menos de 65 anos, é denominada doença de Alzheimer de início precoce, sendo esses casos raros e relacionados com fatores genéticos. De acordo com a Associação Brasileira de Alzheimer (ABRAz), no Brasil há cerca de 1,2 milhão de casos, a maior parte deles ainda sem diagnóstico.

O nome dessa doença é uma homenagem a Alois Alzheimer, o primeiro médico a descrevê-la, no ano de 1906. Alois Alzheimer estudou o caso de uma mulher de 51 anos que apresentou perda progressiva da memória e outras alterações que afetavam, por exemplo, a linguagem e o comportamento. Após a morte da paciente, o médico analisou cuidadosamente seu cérebro e identificou algumas alterações, que atualmente são consideradas características marcantes da doença.

Leia também: Relação entre exercícios físicos e a memória

Causas do Alzheimer

O Alzheimer é uma doença que não apresenta causa definida, entretanto, atualmente, são conhecidas alterações cerebrais que aparecem em um indivíduo acometido. Entre essas alterações, podemos citar o acúmulo de placas senis decorrentes do depósito da proteína β-amiloide e emaranhados neurofibrilares. Pode-se observar ainda a redução dos neurônios e das ligações entre essas células nervosas. Uma das áreas mais envolvidas no processo neurodegenerativo é o hipocampo, relacionado com a memória e o aprendizado.

No Alzheimer, observa-se uma série de alterações cerebrais, incluindo o acúmulo de placas senis decorrentes do depósito da proteína β-amiloide.
No Alzheimer, observa-se uma série de alterações cerebrais, incluindo o acúmulo de placas senis decorrentes do depósito da proteína β-amiloide.

São considerados fatores de risco para o desenvolvimento do Alzheimer a idade e casos da doença na família. Estilo de vida pouco saudável e problemas como hipertensão, tabagismo, sedentarismo e diabetes são também considerados fatores de risco. Além disso, mulheres apresentam um risco aumentado para o desenvolvimento da doença.

Sintomas do Alzheimer

O Alzheimer é uma doença que apresenta geralmente início lento dos sintomas e uma piora progressiva. O sintoma inicial é a perda progressiva da memória recente. As memórias antigas são, inicialmente, preservadas, sendo também perdidas com o avanço da doença. Outros sintomas incluem:

O paciente pode apresentar-se ainda agressivo e desenvolver problemas como depressão, alucinações e hiperatividade. Todas essas alterações fazem com que o indivíduo tenha prejuízo em suas relações pessoais e na realização de atividades básicas. Com o avanço da doença, a pessoa pode apresentar dificuldade para andar, engolir alimentos, ficar em pé e controlar o esfíncter, passando a ficar dependente da ajuda de outros indivíduos.

Leia também: Doença de Parkinson — outro distúrbio neurológico

Fases do Alzheimer

Pode-se dividir a doença de Alzheimer em três fases.

Diagnóstico do Alzheimer

O Alzheimer acomete, principalmente, idosos, sendo necessária muita atenção no que diz respeito às mudanças de comportamento e memória nesse grupo.
O Alzheimer acomete, principalmente, idosos, sendo necessária muita atenção no que diz respeito às mudanças de comportamento e memória nesse grupo.

Muitas pessoas só são diagnosticadas com Alzheimer após anos convivendo com os sintomas. Isso se deve ao fato de que muitos associam a perda da memória com a idade avançada, não procurando, portanto, ajuda especializada. A perda de memória, dificuldade para se comunicar e realizar as atividades do dia a dia e de raciocínio, perda de interesse pelas atividades que costumava fazer e alterações comportamentais são sinais de alerta que devem ser analisados por um especialista. Sendo assim, é fundamental que a família procure ajuda ao perceber alterações no indivíduo, pois este, muitas vezes, não é capaz de identificar o problema sozinho.

Para se diagnosticar um caso de Alzheimer, o médico analisa os sintomas apresentados. Alguns exames são realizados, tais como exames de sangue, tomografias e ressonância magnética do crânio. Esses exames são importantes para excluir outras doenças que possam causar sintomas parecidos. A avaliação das funções cognitivas pode também ser realizada. A confirmação definitiva só pode acontecer após a morte do indivíduo, com a análise do tecido cerebral.

Leia também: Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) — doença que causa a degeneração dos neurônios motores

Tratamento do Alzheimer

O Alzheimer não apresenta cura, mas o diagnóstico precoce pode ajudar no retardamento do avanço da doença, garantindo, desse modo, uma melhor qualidade de vida ao paciente. O tratamento pode ser dividido em dois grupos: farmacológico e não farmacológico.

O farmacológico relaciona-se ao uso de medicamentos, os quais serão indicados exclusivamente pelo médico, enquanto o não farmacológico envolve exercícios físicos, atividades que visam a potencializar as habilidades cognitivas do indivíduo, bem como ações que promovam o contato social, como a participação em programações culturais, lazer e comemorações de datas importantes. Em pacientes em estágios avançados da doença, o acompanhamento deve ser constante para evitar situações que exponham o indivíduo e outras pessoas à situação de risco.

 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia
 

  


Fonte: Brasil Escola - https://brasilescola.uol.com.br/doencas/alzheimer.htm