Verbos impessoais

Os verbos impessoais não têm sujeito e, por isso, são considerados defectivos, isto é, aqueles que não são conjugados de todas as formas previstas.

Os verbos impessoais, como o próprio nome diz, não possuem sujeito. Eles são a base das orações sem sujeito e são considerados verbos defectivos, isto é, verbos que NÃO são conjugados em todas as formas previstas pelo paradigma, como os verbos abolir, precaver, chover, entre outros.

Exemplos de verbos impessoais:

→ Verbo “haver” no sentido de “existir”:

Note que NÃOconcordância nominal, ou seja, o verbo “haver” permanece no singular, já que é impessoal e, por isso, NÃO tem sujeito com quem concorde. É por esse motivo também que NÃO é possível flexioná-lo para o plural. Observe:

→ Verbos que exprimem fenômenos da natureza:

Os verbos que exprimem os fenômenos da natureza apresentam apenas as formas da 3º pessoa do singular.

→ Verbos que indicam tempo:

Ser (indicando data, hora, distância)

Fazer (tempo):

Note que, da mesma forma do verbo haver, o verbo fazer, nesse sentido, é impessoal e NÃO deve ser flexionado para o plural (“Fazem muitos anos...”).

→ Locuções verbais (verbo auxiliar acompanha o principal):

É relevante ressaltarmos que o verbo “existir” NÃO é impessoal e, portanto, é conjugado normalmente em concordância com o sujeito:


Por Ma. Luciana Kuchenbecker Araújo


Fonte: Brasil Escola - https://brasilescola.uol.com.br/gramatica/verbos-impessoais.htm