Glândulas

As glândulas são estruturas formadas por tecido epitelial que eliminam secreções.

Os tecidos epiteliais destacam-se por sua capacidade de secreção, além, é claro, do seu papel no revestimento do corpo. O epitélio que apresenta a função secretora é denominado glândula e é responsável pela produção de substâncias essenciais para o funcionamento do organismo.

Uma glândula pode ser formada por uma única célula isolada, recebendo a denominação de unicelular, ou apresentar várias células agrupadas, sendo denominada de pluricelular. Um exemplo de glândula unicelular é a célula caliciforme, que apresenta um formato semelhante a um cálice e caracteriza-se pela sua capacidade de secretar muco nas vias respiratórias e no trato gastrointestinal.

Mapa Mental: Glândulas

* Para baixar o mapa mental em PDF, clique aqui!

As glândulas pluricelulares são as encontradas em maior quantidade no organismo e são formadas a partir de epitélios que proliferam e adentram o tecido conjuntivo. De acordo com a forma como a liberação da secreção acontece, as glândulas são classificadas em endócrinas e exócrinas.

Existem dois tipos principais de glândulas

Existem dois tipos principais de glândulas

Glândulas exócrinas

As glândulas exócrinas lançam a secreção na superfície livre (superfície do corpo ou luz de órgãos) e apresentam canais ou ductos por onde a secreção passa até atingir o local onde será eliminada. Nessas glândulas é possível observar duas partes distintas: a porção secretora e os ductos glandulares, que são conexões com o epitélio que a originou.

Costuma-se classificar as glândulas exócrinas segundo a morfologia da porção secretora. Nesse caso, temos glândulas exócrinas tubulosas, acinonas e compostas. As glândulas exócrinas tubulosas ou tubulares apresentam a porção secretora em forma de tubo. Já a glândula exócrina acinosa ou alveolar apresenta a parte secretora com um formato mais arredondado. Por fim, temos as compostas, que podem ser tubulares, acinosas ou túbulo-acinosas. Elas apresentam uma porção secretora com características tanto das glândulas tubulosas como das acinosas.

As glândulas exócrinas podem ser ainda classificadas quanto à forma como a secreção sai da célula em: merócrina, apócrina e holócrina. Nas glândulas merócrinas, a secreção é liberada sem que haja nenhuma perda do citoplasma. As glândulas apócrinas, por sua vez, eliminam secreção com porções do citoplasma. Já as glândulas holócrinas são aquelas em que toda a célula é eliminada com a secreção (Veja esquema a seguir).

Observe as diferentes formas de eliminação de secreção *

Observe as diferentes formas de eliminação de secreção *

Como exemplo de glândulas exócrinas, podemos citar as glândulas mamárias, sudoríparas e sebáceas.

Glândulas endócrinas

As glândulas endócrinas eliminam sua secreção diretamente na corrente sanguínea e, diferentemente das exócrinas, não possuem ducto glandular. O produto dessas glândulas é denominado de hormônio e o conjunto dessas glândulas forma o sistema endócrino.

Com base na organização de suas células, podemos classificar as glândulas endócrinas em cordonais e vesiculares. No tipo cordonal, as células da glândula estão organizadas em fileiras que se bifurcam e fundem-se aleatoriamente. Já no tipo vesicular, as células formam vesículas preenchidas por secreção.

Como exemplo de glândulas endócrinas, temos a tireoide, a hipófise, a paratireoide, a adrenal, entre outras.

Curiosidade: O pâncreas é uma glândula que age como endócrina (ilhotas pancreáticas) e exócrina (ácinos pancreáticos), recebendo a denominação de glândula mista.

*Credito da imagem: Wikimedia Commons


Por Ma. Vanessa dos Santos


Fonte: Brasil Escola - https://brasilescola.uol.com.br/biologia/glandulas.htm