Guerras Guaraníticas

Guerra Guaranítica é como ficaram conhecidos os conflitos entre índios da tribo Guarani e as tropas portuguesas e espanholas por causa das determinações do Tratado de Madri.

A Guerra Guaranítica, ou Guerra dos Sete Povos, foi um conflito envolvendo índios da tribo Guarani e as tropas portuguesas e espanholas, entre os anos de 1753 e 1756, que resultou das decisões do Tratado de Madri a respeito dos limites dos domínios de Portugal e Espanha na América do Sul.

A região em disputa se chamava Sete Povos das Missões e foi ocupada originalmente por padres jesuítas, que levaram os índios do litoral brasileiro para o sul da colônia no intuito de protegê-los da escravidão e iniciar a evangelização. Portugueses e espanhóis disputavam a região para aprisionar os índios e utilizá-los como mão de obra escrava e buscar metais preciosos.

Leia também: Escravidão no Brasil: formas de resistência

Contexto histórico da Guerra Guaranítica

No início da colonização da América, portugueses e espanhóis tentaram escravizar os índios para trabalhar na agricultura ou na extração de metais preciosos. Os jesuítas eram contra e, no Brasil, levaram os índios do litoral para regiões mais afastadas, quase próximas à fronteira do domínio espanhol.

Longe da perseguição dos colonos, os jesuítas puderam evangelizar os indígenas à parte da lógica exploradora colonial. Porém, em meados do século XVIII, as expedições bandeirantes iniciaram a exploração do sertão brasileiro, alcançando as aldeias jesuíticas. O conflito aconteceu porque os religiosos não entregariam os índios sem resistência.

Em alguns casos, os próprios padres entregavam armas para que os índios os defendessem dos ataques bandeirantes. Esses conflitos próximos à fronteira entre os domínios português e espanhol exigiram um acordo para que os limites fossem demarcados.

Ruínas das igrejas construídas pelos jesuítas na região das Missões, no sul do Brasil.
Ruínas das igrejas construídas pelos jesuítas na região das Missões, no sul do Brasil.

O Tratado de Madri, assinado entre Portugal e Espanha em 1750, tinha como objetivo demarcar os limites de dominação entre os colonizadores. Os portugueses cederiam a região de Sacramento para a Espanha e, em troca, controlariam os Sete Povos das Missões. Pelo tratado, os indígenas e jesuítas que estavam do lado brasileiro deveriam atravessar o Rio Uruguai e se mudar para o lado espanhol.

Esse tratado não agradou a índios e religiosos, porque, além do deslocamento de uma região para outra, os espanhóis eram favoráveis à escravização dos índios. Os jesuítas resolveram, então, armar os índios e lutar pelas suas terras contra os colonos.

Causas da Guerra Guaranítica

O Tratado de Madri foi a principal causa da Guerra Guaranítica. Os índios e os jesuítas se opuseram às mudanças decididas pelo tratado. O descumprimento das ordens fez com que as tropas portuguesas e espanholas entrassem em confronto contra os indígenas revoltosos.

Como foi a Guerra Guaranítica?

A Guerra Guaranítica ocorreu entre os anos de 1753 e 1756. Os jesuítas entregaram o controle das missões aos índios, mas o líder indígena Sepé Tiaraju se recusou a fazer a mudança do lado português para o espanhol. O exército espanhol foi acionado para forçar o cumprimento da ordem, sem sucesso. O conflito se alastrou para a região de La Plata. Os espanhóis receberam reforço dos portugueses e derrotaram os índios na Batalha de Caiboaté, em 1756.

As tropas colonizadoras estavam em maior número e com armamento mais potente do que os índios. O saldo da batalha foi a morte de 1511 guaranis e apenas 4 mortes de europeus. Logo após a batalha, o exército português-espanhol ocupou a região das Sete Missões.

Veja também: Guerra da Cisplatina – conflito do século XIX para domínio da região atual do Uruguai

Fim da Guerra Guaranítica

Logo após o final da Guerra Guaranítica, portugueses e espanhóis tiveram que fazer outros tratados para substituir as decisões do Tratado de Madri. Em 1777, as duas coroas assinaram o Tratado de Ildefonso, no qual os portugueses devolveram as Sete Missões para a Espanha. Porém, os espanhóis abriram mão da região das missões após o Tratado de Badajós, assinado em 1801.

Resumo sobre a Guerra Guaranítica

Exercícios resolvidos

Questão 1 – Assinale a alternativa que corretamente aponta a causa principal da Guerra Guaranítica.

A) A disputa entre índios e colonizadores pelas minas de ouro na região de La Plata.

B) Os índios se recusaram a cumprir as determinações do Tratado de Madri.

C) Revolta dos índios escravizados pelos europeus.

D) Os jesuítas entraram em confronto com índios guarani por causa da evangelização.

Resolução

Alternativa B. O deslocamento dos índios do território português para o espanhol provocou o conflito entre indígenas e colonizadores.

Questão 2 – Leia as alternativas abaixo e assinale a que traz uma afirmação verdadeira sobre a participação dos padres jesuítas na Guerra Guaranítica.

A) Os padres jesuítas armaram os índios para resistirem ao ataque das tropas colonizadoras.

B) Os jesuítas apoiaram os colonizadores, o que facilitou a vitória contra os índios.

C) Os religiosos declararam guerra à Espanha para permanecerem no Brasil.

D) Os jesuítas foram punidos pelos índios logo após a vitória na Guerra Guaranítica.

Resolução

Alternativa A. Os padres jesuítas já tinham estabelecido uma boa relação com os índios. Para se defenderem dos ataques dos bandeirantes, eles armaram os índios para defenderem as missões e o não cumprimento do Tratado de Madri.

Crédito da imagem

[1] Danúbio Gonçalves, foto de Eugenio Hansen / Commons

 

Por Carlos César Higa
Professor de História


Fonte: Brasil Escola - https://brasilescola.uol.com.br/historiab/guerras-guaraniticas.htm