Topo
pesquisar

Mucamas, Criadas ou Domésticas

Sociologia

PUBLICIDADE

Mucamas, Criadas ou Domésticas: sinônimos de uma só história de exclusão.

“Xenofonte escreve: As pessoas que se dedicam aos trabalhos manuais nunca são elevadas a altos cargos e é razoável. Condenadas na sua grande parte a estar sentadas todo o dia, algumas mesmo a suportar um fogo contínuo, não podem deixar de ter o corpo alterado e é muito difícil que o espírito não se ressinta disso. "( PAUL LAFARGUE, Direito a Preguiça, LCC, publicação eletrônica)

Neste breve artigo escolhemos tratar da genealogia, por assim dizer, do trabalho doméstico, poderíamos ter escolhido qualquer outra função e/ou atribuição considerada residual no seio da sociedade capitalista, onde os salários e o status são igualmente residuais; é o caso dos garis[1], pedreiros, serventes, bóias frias, e toda gama de profissões cuja especialização e o grau de proficiência são minimamente exigíveis, ou seja, são consideradas atividades de caráter rudimentar, onde a capacidade cognitiva não teria tanta relevância, comparando-se a outras áreas, posições conspícuas cujo credenciamento estaria atrelado à inteligência do indivíduo e por sua capacidade de realizar tarefas complexas, ininteligíveis para insipientes.

Essas simplórias premissas buscam legitimar as gradações e a divisão social do trabalho, a quem diga que o fordismo morrera, que a diferença entre escritório e o chão da fábrica fora dissolvido por metodologias e paradigmas de inclusão e co-participação, mas, a realidade que escapa as teorias dos grandes administradores, mostra que a especialização e a segregação funcional na sociedade capitalista contemporânea, tem inexoravelmente ofendido de maneira contumaz, pessoas cujas oportunidades lhes ofereceram um campo existencial limitado, a História mostra que a realidade é múltipla, ou seja, ricos e pobres; católicos e protestantes; jovens e velhos mesmo estando num mesmo tempo histórico decodificam sua realidade e a circunscrevem de numa maneira peculiar, construindo assim uma identidade, sua interface com o mundo, logo, muito do que as pessoas são, ou vão se tornar, dependerá dos aparatos culturais e/ou existenciais colocados a sua disposição. Ou seja, o que seria dos gênios do nosso tempo se não fossem municiados dos conhecimentos que lhe deram a base para seus descobrimentos, seria como esperar que um índio do Xingu construísse uma bomba atômica, em primeiro lugar, seu arcabouço cultural não conceberia tal aparato, não haveria lógica, nem matéria prima, nem conhecimentos prévios, enfim, é como alguns antropólogos dizem: “temos um aparato biológico preparado para viver mil vidas”, dependendo é claro de qual delas formos agraciados.

A partir do exposto, podemos definir que as ambigüidades das atividades profissionais e seu corolário de satisfação ou de marginalização advêm de desigualdades artificiais, convenções historicamente delimitadas, cujas raízes podemos encontrar através de uma ressonância cuidadosa da história das civilizações e nosso caso mais precisamente, do passado escravista brasileiro, que engendrou classificações no mínimo equivocadas, anamorfoses que deliberaram o que teria valor e o que não teria, construindo muros virtuais que protegiam os afortunados dos desvalidos.

O liberto defrontou-se com a competição do imigrante europeu, que não temia a degradação pelo confronto com o negro e absorveu, assim as melhores oportunidades de trabalho livre e independente (mesmo as mais modestas, como a de engraxar sapatos, vender jornais e verduras, transportar peixe ou outras utilidades, explorar o comercio de quinquilharias, etc.). [...] eliminado para setores residuais daquele sistema, o negro ficou à margem do processo, retirando dele proveitos personalizados, secundários e ocasionais [...]. Em suma, a sociedade brasileira largou o negro ao seu próprio destino, deitando sobre seus ombros a responsabilidade de reeducar-se e de transformar-se para corresponder aos novos padrões e ideais de homem, criados pelo advento do trabalho livre, do regime republicano e do capitalismo. [2]

Obviamente em se tratando das empregadas domésticas [3], que ao longo do tempo sua designação passou por mudanças sinonímias, porém semanticamente os termos predecessores, a saber: mucama [4]; criada [5] e serva [6], cristalizaram e/ou internalizaram a mediocridade funcional e, por conseguinte, remuneratória; tanto que apenas recentemente, após quinhentos anos as empregadas domésticas passaram a possuir alguns dos direitos que já são gozados há décadas pelos demais trabalhadores de outras atividades, obviamente que seus salários permanecem infinitesimais, mesmo sendo um trabalho árduo, vital para a consubstanciação tanto do modelo tanto do sanitário vigente, onde a limpeza e organização são apanágios imprescindíveis a uma casa de “gente bem”; bem como da estrutura familiar de hoje cujos pais também trabalham fora e deixam suas casas nas mãos de pessoas que não tiveram outra escolha senão executar os trabalhos “indesejáveis”, como se o que as domésticas fizessem fosse algo sujo, degradante. Mas infelizmente é isso que fica patente ao observarmos o bônus destinado a elas, sabemos que os discursos humanos se contradizem ao observarmos suas ações.

A história das domésticas brasileiras se confunde com a história de nosso escravismo, não só ela mas quase todas as funções desprestigiadas, pois, ao ex-escravo restavam as ocupações residuais como diria Florestan Fernandes, para esta afirmação corroboram os jornais da época e mais precisamente os classificados de empregos, que denunciam concomitantemente as opções destinadas às pessoas de cor, que mesmo após a abolição e proclamação da República, estavam patentes não apenas as desigualdades econômicas, mas, e sobretudo, as desigualdades existenciais, àquelas que possibilitam o vislumbrar, a esperança em conquistar um torrão do grão-pátrio.

Citaremos as ocupações mais oferecidas dentre as várias delimitadas e deliberadamente reservadas aos negros, mesmo após a abolição, já em plena República, são elas: “carregador de caixas”, “cozinheiro”, “copeiro”, “caixeiro”, “costureiras”, “vendedores de bala”, “carregador de pão”, “lavadeira”, “mucama”, “saieiras”, “carregador de cestos”, “tiradores de goiabas”, “ajudante de alfaiate”, “charuteiro”, “official barbeiro”, “padeiro”, “forneiro”, “carpinteiro”, “ama seca”, “ama de leite”, “ajudante de cozinha”, lavador de pratos” e aparecendo de maneira esmagadora a função de “criada”, em todos os classificados verificados a referência à cor é aquilo que chancela, credencia a ocupação desses postos e, nesses casos em que citamos acima onde as funções são as menos remuneradas e portanto as que exigem menos qualificação, ou seja, são funções residuais, “inferiores” dentro da hierarquia ocupacional capitalista, como o são até hoje, é o caso da criada, nossa empregada doméstica, classe com os menores níveis salariais e que menos dispõe das garantias legais do trabalhador. Transcreveremos alguns textos desses jornais a fim de contextualizar nossas inferências.

“Precisa-se de uma criada de cor preta: Rua Visconde de Sapucahy n. 169ª”; “Precisa-se de uma criada de cor preta, que cozinhe e lave; na rua Guarda velho n. 30.”; “precisa-se de uma negrinha para arranjos de casa e lidar com crianças, paga-se 15$; no Centro Ouvidor n. 20, 1ª andar.”. “precisa-se de uma preta de meia idade que saiba cozinhar, na rua da Ajuda n. 27, 1ºandar”; “Precisa-se de uma preta velha para cozinhar e lavar, que durma na casa; na rua general Polydoro n. 24.”; precisa-se de uma rapariga preta para ama seca; na rua Senador Eusébio n. 9, sobrado.”; “Precisa-se de uma preto quitandeiro, que seja fiel e sem vícios, na rua Haddock Lobo n. 18F.”; “Precisa-se de uma crioulinha de 12 a 13 anos para andar com crianças de anno emeio; rua da Passagem n. 67, Botafogo.” “Precisa-se de uma senhora de idade ou de uma preta velha para serviços leves; na rua da rua da Ajuda nº 187, 2ºandar.”[7]

As modestas modalidades oferecidas ao negro não permita a ele reverter seu quadro de exclusão, de anomia social, pois suas alocações eram análogas ao período escravista, o que insistia em internalizar na idiossincrasia social o gênero subjacente do negro.

Os negros e os mulatos ficaram à margem ou se viram excluídos da prosperidade geral, bem como dos seus proventos políticos, porque não tinham condições para entrar nesse jogo e sustentar as suas regras. Em conseqüência, viveram dentro da cidade, mas não progrediram com ela e através dela. Constituíram uma congérie social dispersa pelos bairros, e só partilhavam em comum uma existência árdua, obscura e muitas vezes deletéria. Nessa situação, agravou-se, em lugar de corrigir-se, o estado de anomia social transplantado do cativeiro [...] quase meio século após da abolição o negro e o mulato ainda não tinham conquistado um nicho próprio e seguro dentro do mundo urbano, que fizesse daquele estágio um episódio de transição, inevitável, mas transponível. Pagaram com a própria vida, ininterruptamente, os anseios da liberdade, de independência e de consideração que os animavam a “tenta a sorte”, usufruindo magramente das compensações materiais e morais da civilização urbana [...] As posições mais cobiçadas mantinham-se “fechadas” e inacessíveis; as posições “abertas” eram seletivas segundo critérios que só episodicamente podiam favorecer pequeno número de “elementos de cor”. [8]

Estratégia velada, inconsciente ou deliberada, não importa, a questão é que os papéis ínfimos dentro do mercado de trabalho oferecidos aos egressos do escravismo, ajudou e tem ajudado a perpetuar a debilidade econômica e, por conseguinte, social, calando sua voz diante de um sistema econômico arraigado a práticas racistas de seleção, alimentando anacronicamente um sentimento colonial, cuja perenidade forjou uma espécie de inconsciente coletivo. Logo, despreparado, descrente, abandonado a sua própria sorte, o negro carecia de quase tudo, não houve nenhum planejamento ao despejá-los em um mundo cuja lógica seria ininteligível para um ex-cativo. Assim, sem tempo para se adaptar, se reeducar e, internalizar o ethos de um trabalhador livre, sem meios para competir com os brancos, e aspirar à ocupação de posições mais valorizadas os negros portavam-se de maneira dispersa, quase neurastênica.

Trazemos este tema à baila num momento de verdadeira revolta e como forma de protesto, sim, sem nos preocuparmos com críticas sobre nosso cientificismo, pois, como assistimos também o descaramento e a total ausência de constrangimento com que a mídia destaca as atividades como: faxineiras, garis, peões, enfim, são estereotipadas como sendo a consubstanciação do malogro, pois, é muito comum as telenovelas se reportarem a essas profissões de forma desrespeitosa, mesmo que camuflada em pó de arroz de uma ingenuidade grotesca Todos devem ser lembrar da personagem vivida por Guilhermina Ginle que ao final da novela “Paraíso Tropical”, recebera como “castigo”, por assim dizer, um final “infeliz”, pelo menos era o que provavelmente o autor devia ter em mente quando a “ridicularizou” colocando-a na pele de um gari do Rio de Janeiro, como se essa profissão fosse uma penitência, o mesmo aconteceu recentemente a um casal de senhores na novela Sete Pecados que simplesmente tinham aversão ao trabalho de faxineiros de um hotel luxuoso e conquistam um final majestoso ao ganharem na loteria e livrando-se desse “martírio” que seria o serviço de limpeza.

O pior é que as autoridades também reverberam esse ideário preconceituoso, tanto que tem adotado como penitência a jovens infratores, o “castigo” de realizar por alguns dias serviços de gari, situação esta que fora recebido com indignação pela classe que se diz insultada, porque sua profissão não deve ser vista como um mero castigo e tratada com repugnância, eles se dizem orgulhosos de fazer o que fazem. Outro aspecto patente nas telenovelas concerne no padrão estabelecido das empregadas domésticas, ou seja, a sua maioria composta de negras, até aí concordamos, uma vez que essa é infelizmente a nossa realidade, pois, como já explanamos tem raízes em nosso escravismo.

A questão é até quando trataremos com tamanho desdenho gente que trabalha duro, fazendo aquilo que os diplomados e engravatados consideram humilhante realizar, por isso legaram aos “subalternos”, mas como se já não bastasse à carga de trabalho e paradoxalmente os salários aviltados, ainda encontram outras maneiras de vilipendiar as pessoas simples que sem vergonha alguma lutam por sobreviver a partir dos meios que elas dispõe, desafiando com o peito aberto um mundo cujo glamour depende do trabalho deles que pegam no pesado e na sujeira, mas cujas mãos não estão tão sujas quanto aquelas que são responsáveis pelo imobilismo na estrutura social brasileira.

Notas:

[1] Gari [Do antr. (Aleixo) Gary, incorporador de uma antiga empresa incumbida da limpeza das ruas cariocas.] Substantivo de dois gêneros. 1.Empregado da limpeza pública que varre as ruas; lixeiro: “Não se viam papéis pelas sarjetas; os garis mantinham as ruas impecáveis” (Maria Julieta Drummond de Andrade, Um Buquê de Alcachofras, p. 32). Novo Dicionário Eletrônico Aurélio versão 5.0 © O Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa corresponde à 3ª. edição, 1ª. impressão da Editora Positivo, revista e atualizada do Aurélio Século XXI, O Dicionário da Língua Portuguesa, contendo 435 mil verbetes, locuções e definições. ©2004 by Regis Ltda.

[2] FERNANDES, Florestan - A Integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Editora Ótica, 1978, p. 19-20.

[3] Doméstica [F. de doméstico (4).] Substantivo feminino. 1.Empregada doméstica; empregada, criada. [Cf. domestica, do v. domesticar.] Op. Cit.

[4] Mucama [Do quimb. mu’kama, ‘amásia escrava’.] Substantivo feminino. 1. Bras. Angol. A escrava negra moça e de estimação que era escolhida para auxiliar nos serviços caseiros ou acompanhar pessoas da família, e que, por vezes, era a ama-de-leite. [Var. (bras.): mucamba e camba2. Cf. macuma.]. Idem, ibidem.

[5] Criada [Fem. de criado (2 e 3).] Substantivo feminino. 1.Mulher empregada no serviço doméstico; empregada, doméstica. Idem, ibidem.

[6] Servo (é) [Do lat. servu.] Substantivo masculino. 1.Aquele que não têm direitos, ou não dispõe de sua pessoa e bens. 2.Na época feudal, indivíduo cujo serviço estava adstrito à gleba e se transferia com ela, embora não fosse escravo. 3.Criado, servidor, servente; serviçal. 4. Escravo (6): servo do dever. Adjetivo. 5.Que não é livre. 6.Que presta serviços; serviçal. 7.Que tem a condição de criado ou escravo. [Cf. cervo.] serva [Do lat. serva.] Substantivo feminino. 1.Criada, empregada. 2.Mulher absolutamente sujeita a outrem; escrava. [Cf. cerva.]. Idem, ibidem.
[7] BIBLIOTECA Nacional. Setor de Microfilmes. Jornal do Commercio, 01 de janeiro de 1888; 08 de janeiro de 1890; e 14 abril de 1901.

[8] FERNANDES, Florestan -- Op. Cit. p. 17-29.

Por Ricardo Corrêa Peixoto
Colunista Brasil Escola
Historiador, pesquisador e estudioso da História dos Marginais, autor de diversos artigos e ensaios sobre exclusão social, transição Império-república, escravismo-capitalismo.

Sociologia - Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

DANTAS, Gabriela Cabral da Silva. "Mucamas, Criadas ou Domésticas"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/sociologia/mucamas-criadas-ou-domesticas.htm>. Acesso em 14 de dezembro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA