Topo
pesquisar

Estadistas ou Bestas-feras

Sociologia

PUBLICIDADE

Estudos da Organização das Nações Unidas indicam que no mundo há 800 milhões de pessoas passando fome. Destes famintos cerca de 35 milhões são brasileiros e – pasmem! – no mesmo grupo há 35 milhões de norte-americanos. Enquanto isto o Tio Sam gasta 200 bilhões de dólares para derrubar Sadam Hussein do governo iraquiano e outro tanto para se vingar de Bin Laden por ter ele patrocinado a queda das torres gêmeas, onde morreram quase três mil cidadãos.

Essa dinheirama toda seria suficiente para eliminar a fome e todas as doenças do continente africano; mais importante, porém, é saciar a voracidade da indústria bélica, satisfazendo o apetite de lucros dos seus acionistas com banquetes pantagruélicos.
O enorme abismo entre ricos e pobres alargou-se exageradamente a partir de 1971, quando Richard Nixon, presidente dos Estados Unidos, decidiu que a emissão de papel-moeda por cada país não mais precisaria ser garantida por reservas de ouro.
Com essa medida a moeda de um país passou a ter apenas valor fiduciário (do latim fidus=confiança), ou seja, a credibilidade que cada governo ou nação possui de honrar seus compromissos.

A partir de então as nações ricas se fortaleceram; as nações em desenvolvimento, que precisavam importar matérias-primas e máquinas para implantar indústrias viram-se num dilema angustiante.

Com suas Economias combalidas e suas frágeis moedas mais enfraquecidas, precisavam importar muito mais do que exportavam. Isto gerava desequilíbrio na balança comercial e só havia duas maneiras de resolver: emitir mais papel-moeda provocando inflação acelerada ou tomar dinheiro emprestado junto aos agiotas internacionais. É como escolher entre ser assado na brasa ou frito na frigideira.

No Brasil adotaram-se estes dois métodos com uma capacidade inventiva de deixar Maquiavel de queixo caído: taxa de crescimento demográfico elevada + salários arrochados = mão-de-obra farta e barata.

Esta fórmula tão simples quanto o resumo da teoria de Einstein (E=mc2) foi consolidada pelo então ministro da Fazenda, Antonio Delfim Neto, que esfolou o lombo dos brasileiros com a chibata do “Milagre Econômico”, prometendo que no final haveria bolo para todos.
Mas o tal bolo sumiu e o povo, como gato escaldado, nunca mais “pagou o mico” de se ligar em promessa de ministro. Em 1964, na campanha “Ouro para o bem do Brasil” já tínhamos dado nossas alianças e anéis sem suspeitarmos que mais tarde eles voltassem para nos arrancar os dedos. “Este é um país que vai pra frente” tornou-se o hino dos alienados e a conquista da Copa do Mundo em 1970 anestesiou a “massa” que se contenta com Circo ainda que lamentando a falta de Pão, enquanto se apregoava “Brasil – ame-o ou deixe-o”.

O general João Batista de Figueiredo despediu-se com uma frase lacônica: “Esqueçam de mim”. Realmente, ele já estava açodado. O poeta de “Marimbondos de Fogo” assumiu, mas a luz que se tentava enxergar no fim do túnel continuou apagada.

Na renovação elegemos Fernando Collor de Melo, que tinha pose de Sassá Mutema, mas havia um PC Farias nos bastidores. (Desgraça pouca é bobagem).

Finalmente um Lula prometeu dar o Pão que faltava para encher o bucho do povo; o Circo ficou por conta do Congresso Nacional, cujos acrobatas se revezam nos espetáculos: Os Anões do Orçamento, O Mensalinho, Os Mensaleiros, As Sanguessugas, com enredos que lembrariam uma mistura de ópera-bufa com ópera-cômica, não fosse o suado dinheiro do contribuinte sumindo pelo ralo do picadeiro a cada encenação. Um dos atores principais até estufou o peito e rasgou a goela tentando provar que Caruso era inimitável na interpretação de Ó Sole mio; e a desengonçada dança da pizza só não será reapresentada porque a dançarina foi “convidada” pelas urnas a desistir da sua personagem. Já foi tarde.

“PIZZAS, PANES ET CIRCENSES”. (Será?)
Assim caminha a Humanidade. E nós, brasileiros, vamos a reboque sem percebermos que o cabresto da ignorância será a mortalha da nossa miséria...
Valha-nos, Deus.

Por João Cândido
Colunista Brasil Escola

Sociologia - Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

DANTAS, Tiago. "Estadistas ou Bestas-feras"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/sociologia/estadistas-ou-bestasferas.htm>. Acesso em 17 de agosto de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA