Topo
pesquisar

Febre amarela

Saúde na escola

A febre amarela é uma doença causada por um vírus do gênero Flavivirus e é transmitida por um mosquito. No ambiente urbano, o transmissor da doença é o Aedes aegypti.
O Aedes aegypti é o transmissor da febre amarela em áreas urbanas
O Aedes aegypti é o transmissor da febre amarela em áreas urbanas
PUBLICIDADE

A febre amarela é uma doença viral transmitida por mosquitos, assim como outras doenças bastante conhecidas, como a dengue e a zika. Essa doença pode ser classificada em febre amarela silvestre e febre amarela urbana, sendo a principal diferença entre as duas o vetor.

Como a febre amarela é transmitida?

A febre amarela é causada por um vírus do gênero Flavivirus transmitido pela picada de mosquitos em áreas urbanas ou silvestres. Nas áreas silvestres, a transmissão é feita pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes; na área urbana, a transmissão é feita pelo mosquito Aedes aegypti. Ao picar, o mosquito contaminado expõe a pessoa ao vírus, e a doença desenvolve-se apenas naqueles que nunca tiveram a doença ou que não estão com a vacina em dias.

Vale destacar que outros animais também podem desenvolver a doença, como é o caso de macacos, que são os principais hospedeiros e amplificadores do vírus em ambientes silvestres. A transmissão de uma pessoa para a outra não é possível.

A febre amarela urbana não apresenta casos registrados desde 1942. Entretanto, pessoas que circulam em áreas florestais podem ser contaminadas pela febre amarela silvestre, tornando-se uma fonte de infecção para o Aedes aegypti, que circula por todo o país. Assim sendo, a preocupação com a febre amarela urbana tem que ser constante.

Sinais e sintomas da febre amarela

A febre amarela, assim como o nome sugere, causa febre e, em casos graves, o surgimento de icterícia, ou seja, olhos e pele ficam amarelados. As manifestações iniciais são calafrios, prostração, dores musculares e de cabeça, enjoo e vômitos. Depois de alguns dias, podem surgir problemas renais e hepáticos, assim como manifestações hemorrágicas, que podem afetar a gengiva, nariz, estômago e intestino.

O período de incubação do vírus varia de 3 a 6 dias e geralmente os sintomas duram, no máximo, 10 dias. A gravidade dessa doença varia muito de indivíduo para outro, podendo levar à morte em uma semana caso o tratamento não se realize a tempo.

É essencial dizer que a febre amarela silvestre ou a urbana apresentam os mesmos sintomas, uma vez que são causadas pelo mesmo vírus, apenas o vetor é diferente.

A febre amarela tem tratamento?

A febre amarela não possui tratamento específico, sendo recomendado apenas o cuidado com os sintomas. Geralmente o principal ponto é a reposição de líquidos e, nos casos hemorrágicos, a reposição das perdas sanguíneas. Além disso, podem ser usados analgésicos e antitérmicos para diminuir as dores de cabeça e febre. Em casos mais graves, pode ser necessária a internação em UTI.

Como se prevenir da febre amarela?

A prevenção é feita por meio do combate à proliferação de mosquitos transmissores, que, nas cidades, é o Aedes aegypti. Para isso, é essencial evitar água parada, que é o ambiente ideal para o mosquito colocar seus ovos e as larvas se desenvolverem e, em caso de epidemia, o uso de inseticida por meio do fumacê.

Além dessas medidas que garantem a prevenção da doença em toda a sociedade, é necessário realizar a vacinação, uma medida individual. A vacina contra febre amarela é fundamental para pessoas que vivem em áreas de risco ou que viajarão para esses locais. O uso de repelentes também é uma boa forma de evitar o problema.

ATENÇÃO: A vacinação contra febre amarela é gratuita e está disponível nos postos de saúde. Ela deve ser administrava após os seis meses de idade.

Por Ma. Vanessa Sardinha dos Santos

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Febre amarela"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/saude-na-escola/febre-amarela.htm>. Acesso em 22 de fevereiro de 2018.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA