Topo
pesquisar

O lado obscuro do Vaticano

Religião

PUBLICIDADE

Há séculos a Igreja Católica tem desempenhado uma forte influência, não só no campo religioso, mas também em outros segmentos da sociedade mundial, influências que são, muitas vezes, em benefício da própria igreja.

Os representantes da Igreja Católica se viam como responsáveis pela administração da própria igreja, atuavam determinando reinados, quem seria rico ou pobre etc. Os “Representantes de Deus aqui na Terra” conduziam as riquezas, proibiam o enriquecimento de pessoas pobres alegando que essas se encontravam em tal condição porque Deus queria assim, e que tal realidade lhes garantiria um lugar no céu.

Por volta de 1184, o Vaticano criou um grupo de imposição da religião Católica sobre aqueles que não aderissem ao catolicismo como religião. A força era a maneira pela qual o grupo agia, perseguindo e até matando se fosse necessário.

A Igreja Católica travou uma luta (guerra) contra o avanço do Islamismo, que já havia se expandido da Espanha à Índia. Longe dos princípios religiosos, os padres começaram a desempenhar atitudes ilícitas, como ter amantes, praticar a violência e ser corruptos.

A liderança Católica foi fragmentada somente em 1517, pelo teólogo alemão Martinho Lutero, isso ocorreu com a Reforma Protestante, na qual a prática cristã deveria ter outra “roupagem” ou configuração nos seus princípios. A Reforma alcançou vários países europeus, e a partir daí o papado já não possuía voz ativa diante dos cristãos.

Os setes pecados capitais

Essa expressão foi criada no século VI pelo papa Gregório I, que elaborou uma lista apontando sete pecados. Tais pecados deveriam ser repudiados pelos católicos, no entanto, a Igreja Católica deixou vários vestígios de que não os cumpria.

A seguir alguns dos sete pecados capitais praticados pela Igreja:

Preguiça: Se houve, passou despercebido.

Gula: Alguns papas usufruíam de grandes banquetes; e um padre morreu após ter ingerido dois melões sozinho.

Avareza: Até hoje a Igreja Católica possui uma imensa riqueza, decorrente do passado duvidoso e questionável quanto às suas aquisições. Foram criados documentos falsos para deter terras em nome da mesma.

Inveja: Em busca de cargos dentro da igreja, alguns pontífices mandavam matar seus concorrentes, ou matavam com as próprias mãos.

Ira: Alguns papas já chegaram a espancar cardeais.

Soberba: Há declarações de que o papa seria infalível em suas atitudes e práticas de ética e fé.

Luxúria: No início do cristianismo, os padres podiam casar e ter filhos. Com o passar do tempo, começaram a defender o celibato (não ter relação amorosa), mas o pontífice Alexandre VI teve nove filhos com três mulheres diferentes e não escondia sua atração por sua amante Giulia.

Fonte: Revista Aventuras na História,
Edição 15 - Maio - 2007- páginas 30 e 31.

Eduardo de Freitas

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FREITAS, Eduardo de. "O lado obscuro do Vaticano"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/religiao/o-lado-obscuro-vaticano.htm>. Acesso em 22 de maio de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA