Topo
pesquisar

Lixo Atômico

Química

PUBLICIDADE

Durante o funcionamento de um reator nuclear, isótopos radioativos extremamente perigosos, como césio, estrôncio, iodo, criptônio e plutônio, são criados e posteriormente descartados. Se esse rejeito for tratado indevidamente pode provocar sérios riscos à humanidade, pois abrange todo material que não pode ser reutilizado e que contém elementos radioativos. O lixo atômico não pode ser tratado como lixo comum.

Existem três categorias de lixo atômico: resíduo de alto nível (HLW, de high level waste); resíduo de nível intermediário (ILW, intermediate level waste) e resíduo de baixo nível (LLW, de low level waste), indicando o grau de nocividade de cada resíduo atômico. Portanto, o HLW é o mais perigoso de todos, ele deve ser devidamente isolado, como mostra o artigo Lixo nuclear: perigo!

O ILW é de risco intermediário e o LLW é o menos perigoso de todos, o que não quer dizer que seja inofensivo, ele deve ser devidamente tratado para que não ofereça ameaça.

Tomando consciência do cuidado que devemos ter com lixos radioativos, resta-nos uma pergunta: onde depositar o lixo atômico? Uma vez que a radioatividade desses rejeitos se prolonga por milhares de anos e é extremamente nociva aos seres vivos, resta buscar ajuda aos órgãos competentes para um descarte adequado.

Geralmente o lixo atômico é colocado em caixas de concreto com paredes espessas e só então lançado ao mar, porém, é impossível garantir proteção ao conteúdo radioativo. As caixas tendem a se deteriorar com o tempo e expor novamente a radiação, o que é preocupante aos especialistas, considerando as gerações futuras. 

Por Líria Alves
Graduada em Química
 

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Líria Alves De. "Lixo Atômico"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/quimica/lixo-atomico.htm>. Acesso em 01 de outubro de 2016.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA