Topo
pesquisar
Texto-A+A

O que é Tectonismo?

O que é Geografia?

O tectonismo relaciona-se aos movimentos das diferentes “partes” que montam o quebra-cabeça da crosta terrestre: as placas tectônicas.
Mapa com a distribuição das placas tectônicas do mundo
Mapa com a distribuição das placas tectônicas do mundo
PUBLICIDADE

O tectonismo – também chamado de diastrofismo – é um dos agentes endógenos de transformação do relevo terrestre, oriundo da movimentação, inteiração, colisão e afastamento das Placas Tectônicas. Graças a esses movimentos, manifesta-se na superfície terrestre uma série de formas de relevo, como as montanhas, além de fenômenos como o vulcanismo e os terremotos.

As Placas Tectônicas são algumas partes que compõem a crosta terrestre e existem graças à fina espessura dessa camada e à grande pressão exercida pela movimentação do magma localizado na região do manto.

O que provoca a movimentação das placas tectônicas?

As placas tectônicas movem-se graças à ação das chamadas células ou correntes de convecção, que são os movimentos circulares exercidos pelo magma e que funcionam como uma espécie de “esteira” que, ao girar, provoca o deslocamento dessas placas.

Como essas placas se movimentam?

As placas tectônicas movimentam-se e interagem-se a partir de dois movimentos principais: a orogênese e a epirogênese.

A orogênese refere-se a movimentos horizontais realizados pelas placas tectônicas, os quais são responsáveis pela aproximação ou afastamento entre elas. Eles costumam ocorrer em regiões instáveis e geologicamente recentes, provocando a ocorrência de terremotos e vulcanismo, além da formação de cadeias de montanhas.

A epirogênese refere-se aos movimentos verticais realizados pelas placas tectônicas, geralmente associados à emigração ou imigração de magma do subsolo, provocando o soerguimento ou a declinação do relevo. Ocorre, geralmente, em zonas continentais, longe das placas tectônicas, regiões estáveis e de formação geológica recente.

Nas zonas de encontro – também chamadas de zonas endógenas de tensão – entre as placas tectônicas, existe uma classificação que segmenta os diferentes tipos e suas consequências. De um lado, temos as zonas de convergência e, de outro, as zonas de divergência.

As zonas de convergência, como o próprio nome sugere, ocorrem quando as placas tectônicas se convergem, em função de se deslocarem uma em direção à outra. Elas ocorrem de duas formas, quando os movimentos das placas são opostos (subducção) e quando eles são tangentes (obducção). Observe os esquemas abaixo:

Os movimentos de convergência de obducção e subducção
Os movimentos de convergência de obducção e subducção

As zonas de divergência, por sua vez, acontecem com o afastamento das placas tectônicas, fenômeno que costuma ocorrer em regiões oceânicas, provocando a formação de fossas, também conhecidas por dorsais oceânicas.

O movimento de divergência das placas tectônicas
O movimento de divergência das placas tectônicas

Quantas placas tectônicas existem?

Existem 12 placas tectônicas, a saber: Africana, Antártica, Arábica, Caribeana, dos Cocos, Eurasiática, Filipina, Indo-Australiana, de Nazca, Norte-Americana, do Pacífico e a Sul-americana. É nessa última onde se encontra o território brasileiro.

Quais as principais consequências do tectonismo?

Além dos terremotos e vulcanismos, geralmente presentes nas regiões de fronteira entre duas placas tectônicas, o movimento das placas tectônicas provoca a modelagem do nosso relevo, como as montanhas, as falhas, depressões e dobramentos na superfície. Além disso, é graças a esses movimentos que os continentes encontram-se em sua atual forma, pois, antes, sua distribuição sobre a superfície da Terra era bem diferente.

No início, segundo a teoria da Deriva Continental, havia apenas um continente, chamado de Pangeia, que se dividiu por várias e várias vezes, formando a Gondwana e a Laurásia, que novamente se dividiu, dando origem aos atuais continentes. Como as placas tectônicas continuam se movimentando, é possível que daqui a alguns milhares de anos as configurações das terras emersas do planeta sejam diferentes das atuais.


Por Me. Rodolfo Alves Pena

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PENA, Rodolfo F. Alves. "O que é Tectonismo?"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/geografia/o-que-e-tectonismo.htm>. Acesso em 14 de dezembro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA