Topo
pesquisar
Texto-A+A

O que é intemperismo?

O que é Geografia?

O conceito de intemperismo está associado aos processos de desagregação e decomposição das rochas e dos solos.
PUBLICIDADE

O intemperismo é o processo de transformação das rochas por desagregação (física) ou decomposição (química) de suas estruturas, dando origem aos sedimentos e interferindo em processos sedimentares, como a erosão, a diagênese e a pedogênese (formação dos solos).

As rochas, ao aflorarem na superfície, tornam-se expostas aos agentes externos ou exógenos de transformação do relevo, tais como a água e a força dos ventos. Com isso, elas desagregam-se em processos de oxidação ou “lavagem” de suas coberturas, além de permanecerem expostas às variações de temperatura. Todos esses efeitos são considerados eventos intempéricos.

O intemperismo químico ocorre quando há uma decomposição dos minerais que estruturam as rochas. Esses minerais transformam-se de primários para secundários, a exemplo dos argilominerais. Quando uma rocha decompõe-se e o seu material transforma-se em argila pela ação da água, temos aí um exemplo de intemperismo químico.

O intemperismo físico ocorre quando há uma desagregação ou quebra das partículas de rochas, sendo que as suas estruturas fragmentam-se em pequenos sedimentos. Quando uma rocha se quebra em vários pedaços ou partículas de poeira, temos um exemplo de intemperismo físico.

Existem vários fatores que controlam a ação do intemperismo. Os principais são o clima, o relevo, a composição da rocha-mãe, o seu tempo de exposição e a ação dos seres vivos.

O clima é o mais relevante fator de influência e controle sobre o intemperismo. Isso porque ele interfere na ação dos principais agentes de decomposição e desagregação das rochas, como a água (controlada pelo regime de chuvas) e as temperaturas. Se chove muito em uma região, aumentam os casos de intemperismos químicos; se a estiagem prolonga-se, aumentam os casos de intemperismos físicos, uma vez que as rochas e os solos desagregam-se em função do calor.

O relevo influencia o intemperismo através de suas fisionomias e disposições. Um exemplo é a declividade. Em zonas de declives acentuados, a água corre mais rápido, gerando um maior impacto sobre as rochas e proliferando ações intempéricas.

A composição da rocha-mãe também é um fator muito importante nesse processo. Isso significa que rochas que possuem minerais mais resistentes tendem a ser igualmente mais resistentes às ações do intemperismo.

O tempo de exposição dessa rocha à ação dos agentes intempéricos também é outro ponto de destaque. Formações que se afloraram na superfície em tempos geologicamente remotos apresentam um maior grau de transformação, enquanto relevos mais jovens costumam ser mais acidentados e menos sedimentados.

Os seres vivos, embora em menor intensidade, também contribuem para as transformações ocasionadas pelo intemperismo. A deposição de matéria orgânica nos solos, por exemplo, aumenta a acidez da água e favorece a decomposição química de alguns minerais que compõem as rochas, que vão sendo destruídas aos poucos.


Por Me. Rodolfo Alves Pena

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PENA, Rodolfo F. Alves. "O que é intemperismo?"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/geografia/o-que-e-intemperismo.htm>. Acesso em 19 de agosto de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA