Topo
pesquisar

Manuel Bandeira

Literatura

Manuel Bandeira se preocupava mais em deixar aflorar suas emoções do que em se adequar a esta ou àquela tendência.
PUBLICIDADE

Manuel Carneiro de Souza Bandeira nasceu em 1886, em Recife. Em 1890 sua família se transferiu para Petrópolis (RJ), e aos seis anos de idade Bandeira regressou à cidade de Recife, por lá permanecendo até os dez anos. De volta ao Rio, cursou o ginásio, no Colégio Dom Pedro II.

Com 16 anos partiu para São Paulo no intento de cursar a faculdade de Arquitetura na Escola Politécnica, porém, ao contrair tuberculose, precisou interromper seus estudos. Assim, retornou ao Rio de Janeiro à procura de cidades que oferecessem um clima mais propício à cura da doença que o acometera, mas em 1913 foi internado no Sanatório de Clavadel, ficando lá por 16 meses.

Em 1917 publicou seu primeiro livro, “A cinza das horas”. A partir de então deu continuidade à sua produção literária, publicando outra obra em 1919, dessa vez, “Carnaval”. Passando a estabelecer contato com o grupo paulista que participara da Semana de Arte Moderna, conheceu Guilherme de Almeida, responsável por indicar suas obras aos demais. A participação do autor no evento em questão foi de forma indireta, mesmo porque decidiu não criticar publicamente aqueles que consideravam os mestres parnasianos e simbolistas, razão pela qual jamais abandonara o lirismo. Nem tampouco se juntara com veemência àqueles adeptos do tom revolucionário, proposto pelos modernistas natos. Dessa forma, podemos afirmar que suas criações são revestidas por apenas ligeiros aspectos modernistas, como a habilidade de abordar temas cotidianos e a liberdade de expressão, manifestada pelo uso de versos livres.

Permanecendo no Rio de Janeiro, além de dar continuidade à sua hábil carreira de artista, tornou-se professor de Literatura no Colégio onde estudou (Dom Pedro II). Em 1940 foi eleito para a Academia Brasileira de Letras. Faleceu em 1968, naquela mesma cidade.

Em virtude de ter se formado com base nas referências literárias do Parnasianismo e Simbolismo, Bandeira não se mostrou preocupado em se adequar a esta ou àquela tendência, mas sim em proferir de maneira magistral as emoções que desejava transmitir por meio de suas criações. Assim sendo, podemos afirmar que sua criação se subdivide em três vertentes básicas:

A fase pós-simbolista, na qual deixa escapar traços ainda ligados ao espírito decadentista do Simbolismo, como também à musicalidade formal. Vejamos, pois, uma criação que bem retrata tais aspectos: 

Desencanto

Eu faço versos como quem chora
De desalento. . . de desencanto. . .
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.

Meu verso é sangue. Volúpia ardente. . .
Tristeza esparsa... remorso vão...
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai, gota a gota, do coração.

E nestes versos de angústia rouca,
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.

- Eu faço versos como quem morre.

A fase modernista, na qual ele “direciona” seus versos para uma linguagem envolta por um tom coloquialista (fazendo uso dos versos livres e brancos). Constatemos outro exemplo:

Poética

Estou farto do lirismo comedido
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto
expediente protocolo e manifestações de apreço ao sr. diretor

Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário
o cunho vernáculo de um vocábulo

Abaixo os puristas

Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais
Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção
Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis

Estou farto do lirismo namorador
Político
Raquítico
Sifilítico
De todo lirismo que capitula ao que quer que seja fora de si mesmo.

De resto não é lirismo
Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante exemplar
com cem modelos de cartas e as diferentes maneiras de agradar
às mulheres, etc.

Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbados
O lirismo difícil e pungente dos bêbados

O lirismo dos clowns de Shakespeare
- Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.

A fase pós-modernista, na qual ele faz uma espécie de mesclagem entre o uso dos versos rimados e tradicionais com o uso de versos livres e brancos, bem como as formas populares, como o rondó – caracterizado por um poema com apenas duas rimas e formado de três estrofes, totalizando quinze versos. Constatemos, portanto, um exemplo:

Rondó dos Cavalinhos

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo...
Tua beleza, Esmeralda,
Acabou me enlouquecendo.

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo...
O sol tão claro lá fora
E em minhalma — anoitecendo!

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo...
Alfonso Reys partindo,
E tanta gente ficando...

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo...
A Itália falando grosso,
A Europa se avacalhando...

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo...
O Brasil politicando,
Nossa! A poesia morrendo...
O sol tão claro lá fora,
O sol tão claro, Esmeralda,
E em minhalma — anoitecendo!

Em todas as fases aqui retratadas há ainda aspectos dignos de menção, entre os quais o fato de nelas prevalecerem três temas dos quais o poeta fez constante uso: a infância, o amor e a morte.


Por Vânia Duarte
Graduada em Letras

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

DUARTE, Vânia Maria do Nascimento. "Manuel Bandeira"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/literatura/manuel-bandeira.htm>. Acesso em 27 de abril de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA