Topo
pesquisar

Cinco poemas de Caio Fernando Abreu

Literatura

Embora seja mais conhecido por seus romances, contos e crônicas, Caio Fernando Abreu também foi poeta.
Fotografia de Caio Fernando Abreu do acervo de família. Imagens gentilmente cedidas pela irmã do escritor, Márcia de Abreu Jacintho
Fotografia de Caio Fernando Abreu do acervo de família. Imagens gentilmente cedidas pela irmã do escritor, Márcia de Abreu Jacintho
PUBLICIDADE

 Dramaturgo, romancista, cronista, contista e... poeta. Talvez você nunca tenha ouvido falar sobre a faceta lírica de Caio Fernando Abreu, um dos mais populares e importantes escritores da Literatura brasileira, mas a verdade é que ele também possui uma obra poética, obra pouco conhecida e explorada. Consagrado por sua prosa, Caio transitou por diferentes gêneros, mas a poesia manteve cuidadosamente guardada em diários por achar que elas não possuíam valor literário.

Basta ler um único poema para perceber que o escritor, conhecido por seu perfeccionismo, estava errado. Embora sua prosa seja altamente poética, os versos escritos por Caio exprimem sua veia lírica de maneira incomparável. Assim como tudo que escreveu, os poemas do escritor que é altamente parafraseado nas redes sociais são viscerais e tratam de assuntos que permeiam toda sua obra, como o amor, a dor, a paixão, a solidão, a morte, o desejo, entre outros, sempre abordados por meio de uma linguagem transgressora e muito próxima da coloquialidade.

Os poemas permaneceram inéditos durante dezesseis anos, quando enfim foram publicados. Infelizmente, o livro Poesias nunca publicadas de Caio Fernando Abreu, que compila cento e dezesseis poemas escritos entre os anos de 1960 e 1996, ano de sua morte, está fora de catálogo, mas o Brasil Escola vai mostrar  cinco poemas de Caio Fernando Abreu para você ler, curtir e compartilhar. Boa leitura!

Oriente

manda-me verbena ou benjoim no próximo crescente
e um retalho roxo de seda alucinante
e mãos de prata ainda  (se puderes)
e se puderes mais, manda violetas
(margaridas talvez, caso quiseres

manda-me Osíris no próximo crescente
e um olho escancarado de loucura
(um pentagrama, asas transparentes)

manda-me tudo pelo vento;
envolto em nuvens, selado com estrelas
tingindo de arco-íris, molhado de infinito
(lacrado de oriente, se encontraste)

Pour la route

(Bordeaux, março de 1993)

Quem sabe o Mozart si loin,

maybe a tarde entre os loureiros,

peut-être le coucher du soleil?

Chamam nomes na memória:

ah inverno que não acaba nunca

ah vontade de chorar sem dor.

Pelo tempo, pelas perdas,

pelas coisas, pelas gentes,

que passam e passeiam pelas notas do piano,

janelas de TGV, hotéis, insônias,

gares, mochilas, cabines.

Tudo outra vez, entre a bruma

desta última tarde em Bordeaux.

Caio Fernando Abreu no bairro de Santa Teresa, Rio de Janeiro. Imagem cedida por Márcia de Abreu Jacintho
Caio Fernando Abreu no bairro de Santa Teresa, Rio de Janeiro. Imagem cedida por Márcia de Abreu Jacintho

Stone song
(Porto Alegre, 1996)

Eu gosto de olhar as pedras

que nunca saem dali.

Não desejam nem almejam

ser jamais o que não são.

O ser das pedras que vejo

é só ser, completamente.

Eu quero ser como as pedras

que nunca saem dali.

Mesmo que a pedra não voe,

quem saberá de seus sonhos?

Os sonhos não são desejos,

os sonhos sabem ser sonhos.

Eu quero ser como as pedras

e nunca sair daqui.

Sempre estar, completamente,

onde estiver o meu ser.

Vem navegar na minha vida

Vem navegar na minha vida

Faça de conta que meu corpo é um rio,

Faça de conta que os meus olhos são a correnteza,

Faça de conta que meus braços são peixes

Faça de conta que você é um barco

E que a natureza do barco é navegar.

E então navegue, sem pensar,

Sem temer as cachoeiras da minha mente,

Sem temer as correntezas, as profundidades.

Me farei água clara e leve.

Para que você me corte lenta, segura,

Até mergulharmos juntos no mar

Que é nosso porto.

Faz anos navego o incerto

Faz anos navego o incerto.

Não há roteiros nem portos.

Os mares são de enganos

e o prévio medo dos rochedos

nos prende em falsas calmarias.

As ilhas no horizonte, miragens verdes.

Eu não queria nada além

de olhar estrelas

como quem nada sabe

para trocar palavras, quem sabe um toque

com o surdo camarote ao lado

mas tenho medo do navio fantasma

perdido em pontas sobre o tombadilho

dou a face e forma a vultos embaçados.

A lua cheia diminui a cada dia.

Não há respostas.

Queria só um amigo onde pudesse jogar o coração

como uma âncora.


Por Luana Castro
Graduada em Letras 

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PEREZ, Luana Castro Alves. "Cinco poemas de Caio Fernando Abreu"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/literatura/cinco-poemas-caio-fernando-abreu.htm>. Acesso em 17 de dezembro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA