Topo
pesquisar

Vikings

História Geral

Os povos vikings habitaram o norte da Europa, na região conhecida como Escandinávia, destacaram-se como ótimos navegadores e foram muito temidos pelos saques que realizavam.
Navio viking (chamado de drakkar) exposto no museu de Oslo, Noruega *
Navio viking (chamado de drakkar) exposto no museu de Oslo, Noruega *
PUBLICIDADE

Os vikings eram povos que habitaram o norte da Europa, na região chamada de Escandinávia, durante um período que abrange do século VIII até o século XI. Eles ficaram conhecidos como guerreiros temíveis por causa dos saques que realizavam em diversas regiões da Europa. Notáveis navegadores, esses povos nórdicos chegaram à América no ano 1000.

Origem

Não existe um consenso sobre a origem do nome viking, mas sabe-se que os escandinavos não chamavam a si mesmos dessa forma. Esse nome tornou-se comum a partir do uso de historiadores do século XVIII, entretanto, alguns historiadores atualmente afirmam que “o termo viking, nas fontes islandesas medievais, tem um sentido relacionado a empreitadas marítimas, seja de pirataria ou comércio”|1|.

À princípio, os vikings habitaram as localidades onde hoje ficam as nações da Dinamarca, Suécia e Noruega e que, por causa das navegações, expandiram sua influência para outras regiões. Além dos saques que realizavam pelos litorais das regiões por onde navegavam, os vikings também dedicavam-se à agricultura, à criação de gado e ao comércio. O saque constituía apenas uma das formas usadas por eles para obterem suas fontes de renda.

Originalmente pagãos, os vikings possuíam uma cosmogonia e uma visão de mundo próprias que, aos poucos, foram sendo abandonadas com a adesão ao cristianismo, com o qual tiveram contato ao realizarem suas incursões à Bretanha (atual Reino Unido) e Frância (atual França). Com o desenvolvimento dos seus métodos de navegação, eles alcançaram regiões distantes de onde originalmente habitavam, como Bretanha, Irlanda e América do Norte, e há indícios de navegações vikings também no Mar Mediterrâneo.

Sociedade viking

A sociedade viking era estratificada, ou seja, era dividida em classes sociais, existindo aquelas mais ricas e influentes e as classes menos favorecidas. Em geral, essa sociedade era organizada da seguinte maneira:

  • Rei (konungr): era o administrador do reino. Seu poder era hereditário, ou seja, permanecia na família, mas não necessariamente com o filho mais velho;

  • Nobres (jarls): possuíam grandes exércitos e tinham grande influência política;

  • Homens livres (karls): todo nórdico que não fosse nobre nem escravo era considerado um karl. Nessa classe, estão incluídos fazendeiros, pescadores, comerciantes etc.;

  • Escravos (thrall): Considerados propriedades, os escravos poderiam ser prisioneiros de guerra ou mesmo nórdicos endividados que eram escravizados até a dívida ser paga integralmente.

Como nem todo viking era guerreiro, isso significa que o treinamento militar não se estendia a todos. Em geral, os guerreiros utilizavam espadas, lanças, machados e o arco e flecha como armamentos e, como o uso do escudo para proteção era muito comum entre os vikings e saxões, uma estratégia adotada nas batalhas era a parede de escudos.

Os vikings acreditavam que aqueles que morressem em batalha seriam levados para o Valhala, palácio em Asgard (morada dos deuses), onde festejariam até a batalha final, conhecida como Ragnarök, o crepúsculo dos deuses.

Religião

A religião viking era caracterizada pelo paganismo em que havia uma forte utilização da magia, realização de rituais e sacrifícios para agradar aos deuses ou para solicitar algo. Por ser uma religiosidade politeísta, os vikings acreditavam que os diferentes deuses existentes influenciavam em vários aspectos do cotidiano. As tradições religiosas desses povos nórdicos eram baseadas na oralidade e, portanto, há poucos registros escritos da Era Viking, entretanto, posteriormente, o conhecimento religioso dos nórdicos foi organizado e transmitido, conforme o seguinte relato:

As fontes da mitologia nórdica são diversificadas. Em primeiro lugar, as narrativas foram preservadas documentalmente, como a Edda Poética e a Edda em Prosa, seguidas das sagas islandesas e dos poemas escáldicos; algumas narrativas realizadas por povos não escandinavos, como os anglos-saxões e árabes; crônicas históricas como os relatos de Adam de Bremen e Saxo Grammaticus.|2|

Entre os deuses integrantes da religião dos vikings, está Odin, o pai de todos, considerado o principal deus da mitologia nórdica, a qual possuía também outros importantes deuses, como Thor, Loki, Heimdall, Týr, etc. Além dos deuses, os vikings acreditavam na existência de nove mundos interligados entre si por meio da Yggdrasil, o freixo da vida.

|1| LANGER, Johnni. Vikings. In.: LANGER, Johnni (org.) Dicionário de mitologia nórdica: símbolos, mitos e ritos. São Paulo: Hidra, 2015, p. 546.
|2| LANGER, Johnni. Mitologia nórdica. In.: LANGER, Johnni (org.) Dicionário de mitologia nórdica: símbolos, mitos e ritos. São Paulo: Hidra, 2015, p. 309

*Créditos da imagem: Valeriiaarnaud e Shutterstock


Por Daniel Neves
Graduado em História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Vikings"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/historiag/vikings.htm>. Acesso em 23 de outubro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA