Topo
pesquisar

Vida e morte de Nelson Mandela

História Geral

Nelson Mandela transformou-se no principal nome da luta pela igualdade racial na África do Sul e um dos grandes nomes da luta por direitos sociais no mundo.
Nelson Mandela homenageado em mural na cidade de Barcelona, na Espanha
Nelson Mandela homenageado em mural na cidade de Barcelona, na Espanha
PUBLICIDADE

Em 05 de dezembro de 2013 morreu Nelson Rolihlahla Mandela, principal líder político da história da África do Sul e um dos principais nomes mundiais da luta contra a opressão racial. Também conhecido como Madiba, ele lutou durante grande parte de sua vida contra o regime racista e segregacionista do apartheid na África do Sul. Em decorrência dessa luta, foi preso e mantido em cárcere por 27 anos.

Nascido em uma família da aristocracia nativa da África do Sul, em 1918, Mandela teve uma formação intelectual influenciada tanto pela herança cultural europeia quanto pela africana. A partir da década de 1940, passou a atuar no Congresso Nacional Africano (CNA), partido político sul-africano que lutava pelos direitos dos negros no país e contra a política segregacionista do apartheid.

O apartheid foi a consolidação institucional, através da legislação, de uma prática de separação entre brancos de origem europeia e negros do continente africano que vinha ocorrendo desde o processo de colonização da região, principalmente por parte dos colonizadores protestantes de origem holandesa, os bôeres ou africânderes. O apartheid consolidou-se após a Segunda Guerra Mundial, quando o Partido Nacional Africânder chegou ao poder. Uma série de leis foi promulgada, negando aos negros, que constituíam a esmagadora maioria da população, direitos sociais e políticos básicos.

O objetivo era realizar uma segregação total entre brancos e negros, impedindo os últimos de frequentarem os mesmos espaços públicos que os brancos, negando a eles o acesso à maior parte das terras cultiváveis do país e às riquezas naturais. Nas cidades, guetos que mais pareciam campos de concentração foram criados para isolar os negros, sendo ainda obrigados a portarem credenciais que garantiam ou não a deslocação pelo espaço urbano. Caso um negro não estivesse de posse de uma dessas credenciais ou fosse pego pelas forças policiais em locais proibidos, ele estava sujeito a ser encarcerado.

Mandela atuou inicialmente na juventude do CNA e durante parte de sua militância política defendeu uma resistência pacífica e a desobediência civil contra o regime do apartheid, como burlar as leis que separavam negros e brancos em espaços públicos. Entretanto, o recrudescimento da repressão contra os negros, suas várias prisões, seu banimento do CNA em 1961 e o massacre de Shaperville, em 1960, quando cerca de 69 pessoas morreram ao se manifestarem contra a obrigatoriedade de portar cartões de identificação que limitavam seu deslocamento, fizeram com que Mandela e seus companheiros mudassem de tática de luta política. Nesse mesmo ano foi criado um grupo armado dentro do CNA.

A luta armada resultou em vários atentados a instalações públicas, como usinas hidrelétricas, mas também causou uma violenta reação das forças governamentais. Diversos militantes do CNA foram presos, dentre eles Nelson Mandela, que foi condenado no Julgamento de Rivonia à prisão perpétua, em 1964.

A África do Sul transformou-se em um Estado policial e o CNA atuava na clandestinidade. Mandela, na prisão, passou a registrar seus pensamentos em cadernos e calendários, apesar da rígida censura que vigorava nas penitenciárias pelas quais passou, dentre elas uma localizada nas Ilhas Robben. Durante o período em que Mandela esteve preso, a comunidade internacional por diversos momentos buscou aplicar sanções ao governo da África do Sul como medidas para acabar com o apartheid, seja no aspecto econômico, seja na proibição à participação em eventos esportivos, como a Copa do Mundo de Futebol ou os Jogos Olímpicos.

Os negros sul-africanos durante esse período também realizaram inúmeras ações contra o governo racista, apesar da repressão. O levante do Soweto, em 1976, iniciado por estudantes que se opunham ao ensino da língua africâner, levou a uma série de protestos contra o regime e mais ações repressivas.

A partir da década de 1980 as pressões internacionais tornaram-se mais intensas e o cenário econômico e político tornava-se cada vez pior. O Partido Nacional Africânder iniciou reformas no final da década, abolindo a proibição de casamentos inter-raciais e a obrigatoriedade de portar as credenciais de locomoção. Mas somente a partir da década de 1990 que as medidas levariam ao fim do apartheid, principalmente no governo de Frederik de Klerk. O CNA foi tirado da clandestinidade e Nelson Mandela saiu da prisão.

Ao mesmo tempo, uma onda de violência, marcada principalmente por chacinas nos bairros negros, aumentou a dificuldade de se realizar uma transição menos conturbada. Foi nesse cenário que Nelson Mandela foi eleito presidente do país em 1994, após uma expressiva vitória nas urnas, o que o levou a governar a África do Sul até 1999. Em 1993, ganhou o prêmio Nobel da paz pela atuação política no processo de transição e de luta pelos direitos da maioria negra sul-africana.

Selo sul-africano em homenagem aos 90 anos de Mandiba, um dos apelidos de Mandela
Selo sul-africano em homenagem aos 90 anos de Mandiba, um dos apelidos de Mandela.
**

Seu governo foi caracterizado pelo esforço em acabar com o legado histórico do apartheid para a população negra sul-africana. Foram criados programas de habitação, educação e desenvolvimento econômico para a população que vivia nos guetos. Uma nova constituição foi aprovada, garantindo a estabilidade política do país.

Após sua saída do governo em 1999, como promessa que iria apenas auxiliar na transição para um regime democrático representativo, continuou seu trabalho em outras instâncias. Criou uma fundação que leva seu nome, atuando em diversas áreas sociais, como no amparo aos portadores de HIV e no auxílio à infância.

Sua última aparição pública aconteceu no final da Copa do Mundo de Futebol, realizada na África do Sul, em 2010. Bastante debilitado pela idade avançada, foi diversas vezes internado, causando sempre grande apreensão da população sul-africana e internacional. Entretanto, em 05 de dezembro de 2013, em decorrência de uma infecção pulmonar, Nelson Mandela morreu em sua casa, na cidade de Johannesburgo.

* Crédito da Imagem: Toniflap e Shutterstock.com

** Crédito da Imagem: catwalker e Shutterstock.com


Por Tales Pinto
Mestre em História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PINTO, Tales dos Santos. "Vida e morte de Nelson Mandela"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/historiag/vida-morte-nelson-mandela.htm>. Acesso em 23 de novembro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA