Topo
pesquisar

Origem do Homem

História Geral

A questão da Origem do Homem é uma das mais complexas que o pensamento humano vem tentando desvendar.
PUBLICIDADE

As investigações sobre a origem do Homem

A questão sobre a origem do Homem, isto é, do gênero humano, talvez só perca para a questão da origem da vida no que se refere aos debates científicos e filosóficos a esse respeito. Cada ciência envolvida nas investigações sobre a origem do Homem tem seus métodos próprios, mas cada uma delas se serve dos resultados das demais. O que pode ser dito, de maneira geral, é que todas essas disciplinas (paleontologia, arqueologia, teoria evolucionista, história etc.) lidam com evidências empíricas escassas (isto é, fósseis, instrumentos rudimentares de madeira, ossos, pedras e metais) sobre as quais desenvolvem os seus métodos e extraem as suas hipóteses.

Paleontologia e evolucionismo

Desde meados do século XVIII, com o desenvolvimento da História Natural e outras disciplinas correlatas que deram origem à biologia moderna, as especulações sobre a origem da humanidade começaram a receber um tratamento científico, isto é, metódico. Todavia, foi no século XIX que as pesquisas destinadas a esse campo de estudos solidificaram-se. Associadas às pesquisas de paleontólogos, arqueólogos, etnólogos e historiadores do século XIX, algumas teorias a respeito da evolução biológica do Homem tornaram-se célebres. Aquela que se mostrou mais pertinente, ainda que gere discussões até os nossos dias, é a teoria da evolução das espécies de Charles Darwin. Junto à teoria da evolução, muitos cientistas ao longo de décadas de pesquisas começaram a estabelecer as características do padrão evolutivo do ser humano, desde os primeiros hominídeos até o Homo sapiens. Entre as características observadas, destacam-se: o bipedalismo, a capacidade de manipulação de objetos como as mãos (em virtude do polegar opositor) e a grande massa encefálica.

Entre o aparecimento dos primeiros hominídeos e o aparecimento do Homo sapiens, há o espaço de sete milhões de anos. Nesse intervalo de tempo, houve dois segmentos (ou gêneros) principais de hominídeos, o Australopithecos e o Homo, como segue na lista a seguir, que está em ordem cronológica de aparecimento:

Australopithecus anamensi

Australopithecus afarensis

Australopithecus aethiopicus

Australopithecus boisei

Australopithecus robustos

Australopithecus africanus

Homo rudolfensis

Homo habilis

Homo ergaster

Homo erectus

Homo neanderthalesis

Homo heidelbergensis

Homo sapiens

Um dos fósseis de hominídeos mais completos já encontrados é o de “Lucy”, uma representante dos Australopithecus afarensis encontrada em 1974, na Etiópia, no deserto de Afar. Esse fóssil possui cerca de 3,2 milhões de anos.

Teorias da cultura

Ao mesmo tempo em que as pesquisas paleontológicas e arqueológicas ganhavam credibilidade no cenário científico, na passagem do século XIX para o século XX, as teorias da cultura também começaram a buscar o seu espaço. As teorias da cultura, em geral apoiadas nas investigações etnológicas (que têm como objeto de estudo as culturas primitivas: povos indígenas, aborígenes e culturais tribais em geral), tiveram o objetivo de explicar a origem do homem pelo viés cultural, sobretudo se concentrando em fenômenos como os ritos religiosos, a linguagem e a arte.

Nesse sentido, tivemos diversas escolas de pensamento, desde os clássicos da etnologia do século XIX, como Georges James Frazer e Edward Burnett Tylor, passando por intelectuais da virada do século, como Rudolf Otto, Sigmund Freud, Marcel Mauss e Émile Durkheim, até os grandes nomes da etnologia do século XX, como Malinowski, Levi-Strauss, Franz Boas e René Girard.


Por Me. Cláudio Fernandes

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA