Topo
pesquisar

Guerra Franco-Prussiana e os nacionalismos

História Geral

A Guerra Franco-Prussiana foi um conflito em que os sentimentos nacionalistas franceses e alemães também se fizeram presentes.
PUBLICIDADE

A Guerra Franco-Prussiana opôs as duas principais potências econômicas e militares da parte continental da Europa entre os anos 1870 e 1871, representando a derrocada do Império de Napoleão III e ascensão do Império Alemão de Guilherme I, arquitetado pelo chanceler Otto von Bismarck.

O conflito surgiu como resultado de uma manobra de Bismarck para que os franceses se colocassem contra o fortalecimento econômico e militar do Reino da Prússia, que vinha se verificando desde a década de 1850 e com as guerras levadas a cabo principalmente contra a Dinamarca e a Áustria. Nesses conflitos, a Prússia foi ganhando preponderância no cenário europeu, permitindo a realização dos planos de Bismarck e Guilherme I em unificar os diversos reinos germânicos que estavam fragmentados.

O motivo usado para a eclosão da Guerra Franco-Prussiana foi a disputa pela sucessão do trono espanhol, ocorrida após a Revolução Espanhola de 1868. Havia o interesse de Leopoldo Hohenzollern, primo de Guilherme I, em candidatar-se à vaga de soberano espanhol, com o apoio de Bismarck. Com a preocupação do avanço prussiano sobre o território espanhol, Napoleão III se opôs à ocupação do trono por Leopoldo, ameaçando uma guerra caso isso ocorresse.

A França conseguiu a retirada da candidatura de Leopoldo, mas Bismarck agiu habilmente para que Napoleão III declarasse guerra à Prússia. No episódio do “Despacho de Ems”, Bismarck adulterou uma carta de Guilherme I, que foi publicada na imprensa, em que o rei prussiano apresentava-se ofendendo um embaixador francês. Foi a deixa para que Napoleão III declarasse guerra à Prússia. Com o ataque francês, os prussianos puderam convencer os demais Estados germânicos a realizarem uma aliança militar contra os franceses, sob o comando da Prússia.

Com o conflito aberto, a Prússia pôde colocar em ação toda sua máquina militar. O forte desenvolvimento industrial e a obrigatoriedade do serviço militar nesse reino germânico criaram as condições para a superioridade sobre os franceses. Os armamentos e táticas utilizadas, bem como o estímulo ao sentimento nacionalista germânico, foram as características que levaram inúmeros historiadores a afirmarem que a Guerra Franco-Prussiana foi a primeira guerra moderna. Sob o comando do general Helmuth von Moltke, os prussianos infligiram sérias derrotas aos franceses, sendo as mais notórias as batalhas de Gravelotte e Sedan. Nesta última, em setembro de 1870, Napoleão III rendeu-se e foi capturado pelos prussianos.

A partir daí a vitória das tropas de Guilherme I sobre a França foi uma questão de tempo, apesar de existir uma resistência guerrilheira por parte dos franc tireurs. Com a queda de Napoleão III, formou-se um Governo de Defesa Nacional, mas que foi dominado após a chegada dos prussianos a Paris em janeiro de 1871. Em março do mesmo ano, foi assinado o Tratado de Frankfurt e formada a Terceira República Francesa, sob o comando de Adolphe Thiers. Nas negociações de paz, a França sofreu pesadas imposições, como a perda da Alsácia e Lorena, além do pagamento de uma alta indenização monetária. Essa derrota inflamou o sentimento nacionalista francês contra os alemães, constituindo um dos motivos que resultariam na eclosão da I Guerra Mundial.

Por outro lado, a capitulação de Thiers em relação às imposições alemãs fez com que a população de Paris se revoltasse contra o novo governo e constituísse a Comuna de Paris.

Com a vitória, Guilherme I e Bismarck puderam convencer os demais Estados germânicos a se unirem sob o comando da Prússia, formando o Império Alemão, também conhecido como Segundo Reich.


Por Tales Pinto
Graduado em História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PINTO, Tales dos Santos. "Guerra Franco-Prussiana e os nacionalismos"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/historiag/guerra-franco-prussiana-os-nacionalismos.htm>. Acesso em 29 de junho de 2017.

A popularização de invenções tecnológicas, como o automóvel, caracterizou a Belle Époque
História Geral Belle Époque
À direita, revolucionários em uma rua de Paris; à esquerda, população parisiense construindo barricada
História Geral Comuna de Paris
Acima, imagem de uma das batalhas travadas na Segunda Guerra do Ópio
História Geral Guerras do Ópio
Otto Von Bismarck, principal articulador da unificação alemã
História Geral Unificação Alemã
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA