Topo
pesquisar

A arte nazista e o combate ao modernismo

História Geral

A arte nazista foi mais uma das frentes de batalha criadas pelos nacional-socialistas na busca da supremacia da suposta raça ariana.
Paul Klee, um dos vários artistas combatidos pelos nazistas.*
Paul Klee, um dos vários artistas combatidos pelos nazistas.*
PUBLICIDADE

Uma das grandes preocupações do nazismo foi a divulgação de suas concepções estéticas de arte, ligadas às suas concepções ideológicas e políticas, utilizando a arte como arma de propaganda de seus ideais.

Baseavam suas produções em interpretações do evolucionismo darwinista e nas teorias sobre a eugenia, buscando apresentar a perfeição natural através da eliminação dos corpos impuros e perniciosos que não estavam de acordo com a busca da raça pura alemã, uma raça forte e superior às demais.

Uma das premissas da arte nazista era a restauração do naturalismo, só que idealizado de acordo com as concepções de superioridade ariana. O intuito seria a fuga das abstrações complicadas e a concentração na expressão de um mundo que imperaria no futuro, um mundo belo, idílico, clássico e virtuoso, como seria a forte nação alemã após sua vitória sobre os demais povos.

Os temas escolhidos pelo regime nazista para serem expressos artisticamente deveriam estar de acordo com a concepção de arte do nacional-socialismo. De acordo com o que Hitler escreveu em 1935: “Enquanto estamos certos de expressar corretamente na política o espírito e a fonte da vida de nosso povo, também acreditamos ser capazes de reconhecer seu equivalente natural e realizá-lo” (Aventuras na História, Edição 47, julho de 2007, p. 36). Com esta perspectiva, os nazistas organizaram, em 1937, a exibição da Grande Arte Alemã, na recém-criada Casa da Arte Alemã.

Para além da concepção e produção de uma arte nazista, o regime hitlerista passou a perseguir o que considerava uma arte degenerada, ligada aos movimentos vanguardistas modernos, que então se difundia pela Europa. Vários artistas foram perseguidos na Alemanha, como os pintores Otto Dix, Emil Nolde e Erich Heckel. Outros foram retirados de seus postos de direção de instituições culturais, e milhares de obras de arte foram destruídas. A Bauhaus, principal centro de difusão das vanguardas nas artes visuais e na arquitetura, foi fechada.

Ainda antes de sua chegada ao poder, Hitler havia assim definido a produção artística moderna em seu livro Mein Kampf (Minha Vida, 1923), e no Congresso do Partido Nazista em Nuremberg, em 1933, repetiu a definição: “Se cada coisa a que derem à luz foi resultado de uma experiência interior, então eles são um perigo público e devem ficar sob supervisão médica. [...] Se era pura especulação, então deviam estar numa instituição apropriada para o engano e a fraude”.

O resultado prático desta perspectiva de perseguição ao modernismo se deu com a realização da exposição Entartete Kunst - em português, Arte Degenerada. Realizada em Munique, em 1937, o objetivo da mostra era defenestrar a arte moderna, apresentando os trabalhos confiscados em toda a Alemanha de modo desordenado, alternando obras de artistas consagrados com fotos de doentes mentais, apresentando-as com comentários políticos moralizantes e títulos alterados.

Ao lado de obras de Pablo Picasso, Henri Matisse, Piet Mondrian, dentre outros, o pintor e político nazista Adolf Ziegler definiu assim as obras expostas: “Em torno de nós vê-se o monstruoso fruto da insanidade, imprudência, inépcia e completa degeneração. O que essa exposição oferece inspira horror e aversão em todos nós” (Aventuras na História, Edição 47, julho de 2007, p. 32). As obras selecionadas pelo Ministro da Propaganda Joseph Goebbels foram vistas por mais de 2 milhões de pessoas, e representou mais uma das batalhas realizadas pelos nazistas, agora no campo da arte, para a imposição de suas concepções de superioridade biológica e social.

Créditos da imagem: Neftali e Shutterstock.com


Por Tales Pinto
Graduado em História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PINTO, Tales dos Santos. "A arte nazista e o combate ao modernismo"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/historiag/a-arte-nazista-combate-ao-modernismo.htm>. Acesso em 17 de dezembro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA