Topo
pesquisar

ALN – Ação Libertadora Nacional

História do Brasil

A ALN – Ação Libertadora Nacional – foi uma das facções revolucionárias que aturam no Brasil durante o Regime Militar.
A Ação Libertadora Nacional (ALN) foi criada em 1968
A Ação Libertadora Nacional (ALN) foi criada em 1968
PUBLICIDADE
  • O que foi a ALN – Ação Libertadora Nacional?

A Ação Libertadora Nacional, conhecida também pela sigla ALN, foi uma das facções revolucionárias de orientação comunista que atuaram no Brasil durante o período do Regime Militar (1964 a 1985). Valendo-se dos métodos da guerrilha urbana, como assaltos, sequestros e ações terroristas, a ALN, que tinha como principal comandante Carlos Marighella, foi formada em 1968 a partir de uma dissidência do Partido Comunista Brasileiro (PCB). Além de Marighella, outros dois importantes comandantes da facção foram Carlos Joaquim Câmara Ferreira e Carlos Eugênio da Paz.

  • Origem da ALN

Carlos Marighella e Joaquim Câmara Ferreira eram antigos integrantes do Partido Comunista Brasileiro. Em 1967, após a criação da OLAS, Organização Latino-Americana de Solidariedade, por parte de Cuba, da qual Marighella participou da primeira conferência, perspectivas diversas daquelas do PCB apareceram. A OLAS propunha “exportar” a revolução (que até então havia sido “exitosa” em Cuba) para toda a América Latina. Uma das propostas estratégicas para isso era a “teoria do foco revolucionário”, elaborada por Ernesto “Che” Guevara e Regis Debray, que pregava a instalação de vários focos guerrilheiros no continente, a fim de, partir deles, tomar o poder.

Marighella, Joquim Câmara Ferreira e outros membros do PCB, influenciados pelos teóricos cubanos, decidiram romper com a perspectiva legalista democrática do partido e formar uma dissidência, com vistas ao início imediato do combate armado. O núcleo dessa dissidência nasceu ainda no ano de 1967, em São Paulo, sob o nome de “Pronunciamento do grupo comunista de São Paulo”. Em 1968, assumiu o nome de Ação Libertadora Nacional.

Cabe ressaltar que a perspectiva da instalação de focos revolucionários de orientação comunistas, com vistas à tomada do poder no Brasil, não era exclusiva da ALN e também era anterior ao próprio golpe militar de 1964. Em 1963, militantes do PC do B (Partido Comunista do Brasil) e da AP (Ação popular) receberam treinamento militar na Academia Militar de Pequim, na China – país que também havia feito sua revolução dentro da perspectiva comunista, e que tinha estratégias de foco revolucionários semelhantes às de “Che” Guevara.

  • Terrorismo segundo a ALN

Um dos precursores das estratégias revolucionárias do século XX, o bolchevique Vladimir Lênin, encarava a prática do terrorismo como “a propaganda armada da Revolução”. Ações terroristas sempre estiveram relacionadas às atividades revolucionárias, fossem elas anarquistas, comunistas ou nacionalistas. A ALN, em seu programa, deixava claro que: “Todos nós somos guerrilheiros, terroristas e assaltantes e não homens que dependem de votos de outros revolucionários ou de quem quer que seja para se desempenharem do dever de fazer a revolução”.

Carlos Marighella, que escreveu o Mini-Manual do Guerrilheiro Urbano (livreto lido por facções comunista de várias partes do mundo), desenvolveu todo um tópico advogando pela prática do terrorismo como “arma” decisiva para o revolucionário. Segue abaixo o que está escrito no tópico:

O terrorismo é uma ação, usualmente envolvendo a colocação de uma bomba ou uma bomba de fogo de grande poder destrutivo, o qual é capaz de influir perdas irreparáveis ao inimigo.

O terrorismo requer que a guerrilha urbana tenha um conhecimento teórico e prático de como fazer explosivos.

O ato do terrorismo, fora a facilidade aparente na qual se pode realizar, não é diferente dos outros atos da guerrilha urbana e ações na qual o triunfo depende do plano e da determinação da organização revolucionária. É uma ação que a guerrilha urbana deve executar com muita calma, decisão e sangue frio.

Ainda que o terrorismo geralmente envolva uma explosão, há casos no qual pode ser realizado execução ou incêndio sistemático de instalações, propriedades e depósitos norte-americanos, fazendas etc. É essencial assinalar a importância dos incêndios e da construção de bombas incendiárias como bombas de gasolina na técnica de terrorismo revolucionário. Outra coisa importante é o material que a guerrilha urbana pode persuadir o povo a expropriar em momentos de fome e escassez, resultados dos grandes interesses comerciais.

O terrorismo é uma arma que o revolucionário não pode abandonar.

Essa característica do terrorismo como atividade intrínseca à guerrilha urbana estava no cerne da proposta revolucionária da ALN.

  • A “democracia revolucionária”

No trecho acima em que citamos uma frase do programa da ALN, percebemos a ênfase dada ao fato de que seus integrantes não “dependem de votos de outros revolucionários ou de quem quer que seja para se desempenharem do dever de fazer a revolução”. Esse trecho faz menção à perspectiva da “democracia revolucionária”, pregada pelo grupo, que ia de encontro ao “centralismo democrático” desenvolvido pelos bolcheviques, durante a Revolução Russa, e incorporado pelos PCs (Partidos Comunistas) de outras regiões do mundo. O centralismo democrático postulava que todas as atividades vinculadas ao Partido Comunista, como a formação de “quadros”, isto é, militantes do partido, a organização administrativa, eleições para dirigentes etc., deveriam estar centralizadas, e deveriam ser debatidas e votadas, antes que o partido assumisse uma perspectiva propriamente revolucionária.

Contra isso, a ALN pregava a ação armada revolucionária imediata. Tal ação, na forma de guerrilha, deveria conseguir, aos poucos, a adesão das massas urbanas e rurais. Isto, segundo a facção, era a “democracia revolucionária”.

  • Ação da ALN

As principais ações perpetradas pela ALN durante o período em que a facção esteve em atividade (1968 a 1968) foram: o assalto ao trem pagador da linha Jundiaí-São Paulo (no qual o próprio Marighella esteve à frente), a participação no sequestro do embaixador Charles Elbrick, planejado pelo grupo Dissidência Comunista Guanabara, o assassinato do empresário Henning Boilesen (que era colaborador da OBAN – Operação Bandeirante –, órgão de repressão do Regime Militar) e o assassinato do militante da própria ALN, Márcio Toledo, considerado traidor da facção.


Por Me. Cláudio Fernandes

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FERNANDES, Cláudio. "ALN – Ação Libertadora Nacional"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/historiab/aln-acao-libertadora-nacional.htm>. Acesso em 21 de agosto de 2017.

O anarquista francês Émile Henry ficou conhecido por seus atentados terroristas em Paris, na década de 1890
História Geral Terrorismo anarquista
Imagem de manual de contra insurgência, retirado do site da Biblioteca JFK. Orientações eram usadas contra as guerrilhas, como as criadas por Lamarca*
História do Brasil Lamarca: vilão ou herói?
Mesmo que aparentemente semelhantes, terroristas e guerrilheiros possuem várias diferenças
História Geral Guerrilha e terrorismo
As ações terroristas voltam-se principalmente contra a população civil
História Terrorismo
Charge de E. S. Valtman, de 1961, satirizando o espelhamento da esquerda brasileira no exemplo de Fidel Castro
História Carlos Marighella
Os guerrilheiros nicaraguenses, Augusto Sandino e Daniel Ortega e os guerrilheiros da Revolução Cubana, Fidel Castro e Ernesto Che Guevara
História da América Guerrilhas na América Latina
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA