Topo
pesquisar

Ilíada de Homero e sua problemática teórica

Filosofia

A Ilíada, obra atribuída a Homero, conta a história da Guerra de Troia, que teve como figuras importantes os apaixonados Páris e Helena e o guerreiro Aquiles.
PUBLICIDADE

A Ilíada é o texto da literatura universal que narra a famosíssima “Guerra de Troia” (Ílion = Troia). Embora bastante conhecido, muitas questões existem em torno da composição, historicidade e até mesmo da relação de tal texto com Homero. Há quem diga que o autor nem existiu, mas que, após séculos de narrativas isoladas, os cantos que compõem o texto tenham sido reunidos sob o nome de Homero, apenas para conferir uma identidade ou autenticidade que privilegia o princípio de autoridade. Ainda se duvida que a guerra tenha acontecido, mas a narrativa tem um fundo histórico, já que é possível a reconstrução de disputas territoriais que visavam à expansão dos gregos para áreas que possuíam jazidas de estanho.

Afora esses dados, a Ilíada tem uma intenção clara e definida: espelhar o modelo de homem a ser imitado pelo povo grego, além de fundar a coesão desse mesmo povo. O ideal de Belo e Bom guerreiro, encarnado no personagem Aquiles, evidencia a necessidade de infundir na mentalidade coletiva dos Aqueus (um dos povos que formam a cultura grega) um comportamento a ser imitado, um modelo de homem a ser seguido. Também a intenção desse artigo é tratar a obra sob o aspecto mitológico e não histórico. Vejamos como se desenvolve a fábula e o seu significado.

A guerra teve como motivo o rapto de Helena, esposa de Menelau, rei de Esparta, por Páris Alexandre, príncipe de Troia. Esse rapto foi causado na verdade por influência da deusa Afrodite. Em uma disputa entre as deusas Hera, Atenas e Afrodite, para saber qual era a mais bela, Páris foi o juiz e escolheu Afrodite. Por ser a deusa do amor, ela ofereceu como retribuição o amor da mulher mais bela da Grécia: Helena. Em visita aos chefes espartanos, os troianos foram recebidos com muita hospitalidade. Mas a paixão fulminante que afetou Páris e Helena fez com que fugissem para Troia onde poderiam viver esse amor.

No entanto, essa ação traria desgraça e a queda de Troia, como já previa Cassandra, irmã de Páris e Heitor, todos filhos do grande rei troiano Príamo. Já no nascimento de Páris, uma previsão de que ele traria o fim de Troia fez com que seu pai o mandasse matar, mas, por uma série de desventuras, ele sobreviveu e voltou ao palácio real. Entretanto, o rapto de Helena fez com que o rei Menelau reclamasse sua esposa aos troianos, o que não ocorreu. Com a ofensa, Esparta buscou o apoio do restante da confederação de cidades-Estados gregas, lideradas pelo rei de Micenas, Agamemnon, que tinha ambições em relação ao território troiano. Aliando seus interesses, reuniram uma marinha incrivelmente numerosa para a guerra. Mas o grande diferencial era a participação do herói Aquiles.

Aquiles era filho de uma deusa, Tétis, com um mortal. Ao nascer, sua mãe, prevendo o futuro do filho, lançou-o às águas do mar Estige, que o tornaria imortal, segurando-o apenas pelo calcanhar, onde, veremos, ficou vulnerável. Já adulto, foi-lhe revelado que deveria escolher participar da guerra e morrer ou não ir à Troia e ter uma vida tranquila e longa. Sua aspiração era a de que seu nome como guerreiro ecoasse pela eternidade, mesmo que sua vida, dessa forma, fosse curta.

Aquiles também reunia em si as características do herói, como força, habilidade, velocidade. Em batalha era imbatível. Representava para os argivos (os soldados Aqueus) uma inspiração no campo de batalha.

Decidido a ir para a batalha, Aquiles juntou-se ao cerco de Troia. Ele tinha como discípulo o guerreiro Pátroclo, que combateu ao seu lado na guerra. No pano de fundo da guerra, os deuses favoreciam ora os gregos, ora os troianos. Vários nomes são destaque na batalha: Nestor, Odisseu, Ajax, Heitor.

O comandante Agamemnon capturou a bela Criseida, filha de Crisis e Pitonisa, do templo de Apolo. Aquiles se rebelou com essa prisão, pois estava encantado pela virgem. Com isso, decidiu se afastar da guerra, gerando milhares de baixas aos Aqueus. Afastado, ele permitiu que Pátroclo usasse sua armadura. No campo de batalha, o grande Heitor, príncipe de Troia, enfrentou-o e matou-o, acreditando se tratar de Aquiles. Sabendo disso, Aquiles procurou Heitor para um duelo no qual derrota a grande esperança dos troianos. O sábio rei Príamo lhe reclamou o corpo para os funerais num gesto bastante corajoso. Mas, ainda desmotivado pelo episódio de Criseida, Aquiles não voltou à batalha. Assim, os gregos sofreram revezes, já que não conseguiam penetrar na fortaleza de Troia em razão dos seus altos muros.

A batalha já durava 10 anos e, querendo voltar para casa, os soldados, já desanimados, sentiam o estigma da derrota. Até que o astuto Odisseu teve uma brilhante ideia: além de persuadir Aquiles a voltar para a batalha, ele propôs usar a madeira das naus para construir um cavalo gigantesco que seria oferecido aos troianos como presente dos deuses após a guerra. O Cavalo de Troia, que os troianos levaram para dentro de sua cidade, guardava no seu interior um batalhão de argivos que invadiram a cidade e abriram os portões para que a tropa grega pudesse adentrar e, com isso, derrotar os inimigos.

Nesse episódio final, os aqueus massacraram os troianos, incendiando a cidade, enquanto Menelau procurava incansavelmente por Helena, que fugira. Páris foi ferido e morto. Aquiles foi atingido no calcanhar direito (o vulnerável calcanhar de Aquiles) por uma flecha desferida por Filolectes e, assim, cumpriu o destino que os deuses lhe reservaram. Troia foi destruída, Agamemnon apossou-se da terra e, depois de muito tempo de procura, Menelau encontrou Helena, que, já tendo se casado uma outra vez, voltou para Esparta. Assim, os soldados puderam, depois da pilhagem, voltar a seus reinos.

É assim que entendemos a moral do mito: Helena (do grego ELLAS = Grécia) parece justamente contar a história do surgimento e da formação do povo grego. E a imagem que se quer transmitir é a do belo e do bom guerreiro, tal como Aquiles, que preferiu morrer e ser lembrado para sempre por causa de seus feitos, a viver uma vida longa e medíocre na paz dos campos de pastoreio.


Por João Francisco P. Cabral
Colaborador Brasil Escola
Graduado em Filosofia pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU
Mestrando em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

CABRAL, João Francisco Pereira. "Ilíada de Homero e sua problemática teórica"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/filosofia/iliada-homero-sua-problematica-teorica.htm>. Acesso em 22 de julho de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA