Topo
pesquisar

O que querem nossos estudantes?

Educação

PUBLICIDADE

“Os trabalhos de estudante são provas para o caráter, e não para a
inteligência. Seja ortografia, versão ou cálculo, trata-se de aprender a
querer” (Alain).

Nós, os que fazemos e sofremos a educação superior, sabemos o quanto está desafiadora a tarefa de contribuirmos para a formação do caráter, da inteligência e do aprender a querer em nossos estudantes.

Sou de uma época em que o conhecimento não se prestava só à aquisição de um certificado. O conhecimento deveria servir para consubstanciar a construção de um projeto de nação para o Brasil, de um modelo societário digno da estatura humana.

Outra motivação que tínhamos quando aspirávamos ao saber ligava-se ao desejo de formação pessoal, centrada no anseio por um estilo existencial que fosse interessante e consequente. Nesse processo, liberdade, justiça e responsabilidade eram os valores que nos guiavam quando íamos aos bancos universitários e abríamos os ouvidos a aulas de quem se postava à nossa frente no desempenho dos papéis de mestres e orientadores. Em outras palavras, em vez de certificação, perseguíamos formação.

Hoje, contudo, as coisas parecem às avessas. A corrida estrábica à caça de certificados, quais senhas de acesso ao celebrado templo do deus “mercado de trabalho”, parece estar confundindo nossos estudantes e embotando-lhes o espírito.
Suspeito que as ondas gigantescas que se desenvolvem desde os primórdios da Modernidade ocidental e que se configuram no antropocentrismo e no individualismo estejam cerrando nossos estudantes neles mesmos. Cruel ideologia essa que expropria cidadãos, em geral, e acadêmicos, em particular, da noção ampliada sobre o que seja a vida. Indivisos em si mesmos, mas cindidos no cerne do próprio ser, o que lhes falta é aquele senso de responsabilidade social, o qual se associa à noção de coisa pública e de bem comum, a dimensão compartilhada da vida em sociedade.

O imperativo de agora parece ser o do olho no próprio umbigo a todo custo, mesmo que a obtusidade dessa atitude promova tropeções quando o lado coletivo da vida em sociedade lhes pede cidadania orgânica e solidária desde uma dimensão antropológica mais profunda.

Por conta dessa nova onda, a do êxito individual a ferro e fogo, certa ética do vale-tudo inunda nossas salas de aula. Os indicativos dessa ética podem ser vistos quando a lei do menor esforço, a regra da vontade zero e o princípio do comprometimento nulo são evocados para que a acusação de que “o professor está muito exigente” apareça nas bocas universitárias.

Se é que podemos concordar com Kant quando ele afirma que “O homem é aquilo que a educação faz dele”, então podemos indagar: quem essa educação certificadora está formando? Que homem e que mulher iremos encontrar no período pós-universidade, quando homens e mulheres certificados tiverem o Brasil nas mãos? Será que o recrudescimento da norma do “cada um por si” e da regra de “toda e qualquer vantagem em tudo e a qualquer preço” é que prevalecerão soberanas sobre nossas cabeças?

Essas questões são sérias demais para que só o mercado as resolva. De nossa parte, talvez seja hora de centrarmos força no papel da boa formação. Mas... será isso o que querem nossos estudantes?

Por Wilson Correia*
Colunista Brasil Escola

____
*Wilson Correia é filósofo, psicopedagogo, doutor em Educação pela UNICAMP, professor na Universidade Federal do Tocantins, Campo Universitário de Arraias, e autor do livro Saber Ensinar (São Paulo: EPU, 2006). Endereço eletrônico: wilsoncorreia@uft.edu.br.

Brasil Escola - Educação

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

RODRIGUES, Lana Julia. "O que querem nossos estudantes?"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/educacao/o-que-querem-nossos-estudantes.htm>. Acesso em 28 de marco de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA