Topo
pesquisar

Alzheimer

Doenças e patologias

PUBLICIDADE

Demência é uma disfunção cerebral gradativa e persistente que consiste na deterioração intelectual do indivíduo ao longo do tempo, atacando de forma irreversível determinadas regiões do cérebro. A doença de Alzheimer é a causa mais frequente, ocorrendo em aproximadamente 60% dos casos de demência, e consiste no depósito de determinadas proteínas no cérebro.

Como se trata de perdas progressivas e é bastante frequente entre idosos, muitas vezes não é percebida em seu estágio inicial, sendo confundida com processos normais do envelhecimento. Pequenos esquecimentos, sinais de depressão, dificuldades com a linguagem, confusão mental e, algumas vezes, agressividade, fazem parte dos sintomas iniciais.

Um estágio intermediário consiste em dificuldade de desempenhar atividades normais do dia a dia, esquecimento de acontecimentos recentes, alterações de humor e maior dificuldade na comunicação verbal. Após algum tempo, há uma dependência mais severa e acentuação dos sintomas, e o indivíduo pode, inclusive, não reconhecer pessoas, situações e objetos conhecidos. Em razão dessas características, há um impacto muito grande na vida da pessoa e na de quem convive com ela.

O diagnóstico propriamente dito é feito apenas via necropsia, após a morte, em exame dos tecidos cerebrais. Assim, as manifestações, história de vida do paciente e exames físicos e mentais, excluindo outros fatores que poderiam desencadear os mesmos sintomas (infecções, depressão, tumores cerebrais, problemas tireoidianos, etc.) é que indicarão a doença. É importante ressaltar que o tratamento precoce atrasa o desenvolvimento da doença, fornece melhoras na memória, na qualidade de vida e de convivência do doente com as pessoas que o cercam.

Como é irreversível, suas causas reais ainda não são bem elucidadas. O tratamento farmacológico enfoca o bloqueio da evolução da doença, controle dos distúrbios comportamentais e correção do equilíbrio químico do cérebro, a fim de melhorar o déficit de memória.

Sabe-se, atualmente, que altos níveis de açúcar e colesterol no sangue podem ter relação forte com a doença e que pessoas solitárias têm o dobro de risco de desenvolverem o mal de Alzheimer. É, também, conhecido que a ingestão de vitamina E reduz o risco de morte em aproximadamente 25%, exercícios físicos, chá-verde e uma dieta rica em frutas, verduras, cereais, feijão, nozes e sementes previnem o surgimento de demências.

Apesar de irreversível e incurável, devem ser tomados cuidados específicos buscando melhorias na qualidade de vida dos portadores e de seus cuidadores, lembrando que a sobrecarga desses últimos é um risco para ambos. Planejamento em conjunto acerca das tarefas, horários e contribuições incluindo todos os envolvidos são medidas que devem ser feitas para tal fim.
 

Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia
Equipe Brasil Escola

Doenças - Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

ARAGUAIA, Mariana. "Alzheimer"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/doencas/alzheimer.htm>. Acesso em 30 de maio de 2016.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA