Topo
pesquisar

As origens da Cruz Vermelha

Curiosidades

Henry Dunant originou a Cruz Vermelha após observar os horrores da Batalha de Solferino
Henry Dunant originou a Cruz Vermelha após observar os horrores da Batalha de Solferino
PUBLICIDADE

Do ponto de vista histórico, observamos que o desenvolvimento de tecnologias foi grande responsável por conquistas que facilitaram o cotidiano do homem. Em contrapartida, vemos que nesse mesmo processo de desenvolvimento tecnológico o homem também foi capaz de desenvolver armas com um poder de destruição cada vez maior. A partir do século XVIII, notamos que os exércitos e o conflito entre nações exterminavam milhares de indivíduos em um tempo cada vez menor.

Por volta de 1858, a Itália foi alvo de vários conflitos que marcaram o processo de unificação daquele país. Na época, tropas italianas e francesas, lideradas por Napoleão III, se uniam com o objetivo de derrotar as forças austríacas que dominavam o reino de Piemonte. Nos fins de junho daquele mesmo ano, a Batalha de Solferino havia deixado um terrível saldo de cinco mil soldados mortos. Além disso, mais de quarenta mil feridos estavam abandonados à própria sorte.

Em visita ao local, o comerciante e diplomata suíço Henry Dunant ficou estarrecido com o resultado desolador daquela sangrenta batalha. Buscando resolver o problema, ele mobilizou um grupo de voluntários incumbidos de ajudar as vítimas de ambos os lados do conflito. Ignorando a cegueira do espírito nacionalista, ele levantou recursos e esforços para salvar milhares de vidas que sofreram na guerra. Depois disso, esse problema continuou a perturbar Dunant.

No ano de 1862, de volta à sua cidade natal, Genebra, Henry Dunant publicou a obra “Lembrança de Solferino”. Naquelas páginas ele narrou os horrores e as incríveis experiências de salvamento vividas na Itália. Além disso, também registrou a necessidade de se criar um grande comitê de voluntários que socorresse as pessoas feridas em guerra e a realização de um grande acordo internacional capaz de reconhecer a ação humanitária desses mesmos comitês.

Em 1863, a divulgação do livro atraiu outras pessoas para a mesma causa. Naquele mesmo ano, outras importantes personalidades políticas da Suíça se uniram a Dunant e criaram o Comitê Internacional de Socorro a Feridos, composto inicialmente por apenas dezesseis países. Já na sua primeira convenção, os participantes entraram em acordo para a instituição do Comitê Internacional da Cruz Vermelha. O símbolo da cruz teria a função de destacar este “exército de salvação” dos exércitos em guerra.

Com o passar do tempo, o desenvolvimento de outros grandes conflitos, incluindo aí as duas Guerras Mundiais, fez com que a Cruz Vermelha ganhasse um prestígio cada vez maior. Já no ano de 1901, Henry Dunant teve seu trabalho reconhecido ao receber o Prêmio Nobel da Paz. Não se limitando ao ocidente as funções exercidas pela Cruz Vermelha, deram origem ao Crescente Vermelho, uma variação islâmica da entidade.

Além de ser reconhecida pelos serviços prestados voluntariamente, a Cruz Vermelha também foi um espaço de grande importância para se pensar os princípios éticos dos conflitos militares. Ao longo do século XX, diversas convenções internacionais discutiram e oficializaram convenções que tratavam a respeito do tratamento reservado aos civis e militares envolvidos em situação de guerra. Atualmente, cerca de 180 diferentes entidades representam ou trabalham em parceria com a Cruz Vermelha.

Por Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola

Curiosidades - Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUSA, Rainer Gonçalves. "As origens da Cruz Vermelha"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/curiosidades/as-origens-cruz-vermelha.htm>. Acesso em 22 de setembro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA