Topo
pesquisar

Hirsutismo

Biologia

Excesso de pelos em razão do hirsutismo
Excesso de pelos em razão do hirsutismo
PUBLICIDADE

No organismo humano, os pelos corporais podem ser classificados em velus, que são finos e não pigmentados, e em pelos terminais, que têm pigmentação, são mais grossos e compridos e podem ser dependentes ou não dos hormônios sexuais. A mudança de pelos velus para pelos terminais ocorre em função de hormônios androgênios (hormônios que estimulam e controlam as características masculinas nos vertebrados).

O hirsutismo é uma disfunção que origina como característica clínica a presença de pelos terminais na mulher, em áreas do corpo que normalmente ocorrem apenas para o sexo masculino. Há um crescimento excessivo de pelos terminais em áreas como face, abdome, tórax, região das nádegas, face interna da coxa, região inguinal, dentre outras. Na figura acima, é possível visualizar pelos terminais em região onde não é frequente seu surgimento nas mulheres.

Dentre as causas possíveis estão a presença de ovários policísticos, infertilidade, aumento da sensibilidade local dos folículos pilosos a níveis normais de androgênios circulantes, a utilização de diferentes tipos de fármacos, produção de androgênios acima do normal ou a manifestação de doenças, embora seja raro, como tumores, acromegalia congênita e síndrome de Cushing. Geralmente ocorre durante o período de vida fértil na mulher e faz com que a menstruação fique irregular.

Lábio superior, tórax, queixo, dorso, abdome, coxas, pernas e braços são afetados pela disfunção. Por isso, a avaliação da situação precisa ser verificada pelo paciente conjuntamente com um especialista de acordo com a história biológica e genética do indivíduo e a frequência com que há a retirada dos pelos. Essa disfunção gera problemas estéticos, psicológicos e sociais ao paciente hirsuta.

O tratamento consiste na retirada dos pelos por depilação ou eletrólise, parar a utilização de algum medicamento que possa estar causando tal disfunção e usar os fármacos (geralmente são utilizados antiandrogênios) recomendados pelo médico. É bom saber que a vida de um folículo piloso é de meses e assim, respostas para o tratamento devem ser esperadas somente após esse período, de 3 a 6 meses. A perda de peso, quando necessário, é também uma forma de tratamento.

Por Giorgia Lay-Ang
Graduada em Biologia
Equipe Brasil Escola

Biologia - Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

LAY-ANG, Giorgia. "Hirsutismo"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/biologia/hirsutismo.htm>. Acesso em 19 de setembro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA