Topo
pesquisar

Ema (Rhea americana)

Animais

Ema (Rhea americana)
Ema (Rhea americana)
PUBLICIDADE

Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Struthioniformes
Família Rheidae
Gênero Rhea
Espécie
Rhea americana

As emas pertencem à mesma ordem que os avestruzes: Rheidae, mas diferentemente deles ocorrem naturalmente na América do Sul, mais especificamente na Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai. Em classificações mais recentes, são consideradas integrantes do grupo das aves de grande porte e não voadoras, as chamadas ratitas. São elas os avestruzes, casuares, quivis e as extintas aves-elefantes e moas.

Tais animais podem atingir 1,70 metros de altura, e até trinta e cinco quilos; sendo as maiores aves do Brasil. Possuem asas atrofiadas, penas de cor marrom acinzentada e três dedos em cada pé. Nos machos há uma mancha negra no pescoço, diferindo-os das fêmeas.

São encontrados em ambientes cobertos por gramíneas, alimentando-se de folhas, frutos, sementes, invertebrados e pequenos vertebrados, ou seja: são onívoros. Para auxiliar na trituração do alimento, podem ingerir pequenas pedras e cocos.

Possuem longas e fortes pernas, propiciando que, em situações de perigo, alcancem os 60 km/h. Para tal, as asas auxiliam tais indivíduos no equilíbrio.

As emas vivem em bandos de aproximadamente trinta indivíduos. Na época de acasalamento, o macho dominante expulsa os demais, reúne aproximadamente cinco fêmeas, e se acasala com elas. É também o responsável pela preparação dos ninhos, incubação dos ovos e cuidado com os filhotes. Todos os ovos, de aproximadamente meio quilo cada, são colocados em um mesmo ninho, e eclodem em um pouco mais de um mês, dando origem a aproximadamente vinte e cinco filhotes.

Essa espécie atinge a maturidade sexual aos três anos de idade e tem expectativa média de vida de quarenta anos.

Teiús são os maiores predadores de ovos de emas; e os filhotes são fonte alimentar de gaviões, alguns felinos e do lobo-guará. Aliadas a este fato, a caça (com o intuito de retirar suas penas) e a perda de habitats permitiram com que tal espécie se encontre, atualmente, em declínio, quase ameaçada de extinção, segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN).

Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

ARAGUAIA, Mariana. "Ema (Rhea americana)"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/animais/ema.htm>. Acesso em 23 de novembro de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA